Pular para o conteúdo principal

Destaques

I Missed You: Filme taiwanês de drama relaciona os bloqueios emocionais aos digitais

As redes sociais já se tornaram tão parte das nossas vidas que, muitas vezes, servem como um baú de memórias, o qual podemos abrir e fechar conforme nossas necessidades. No filme taiwanês I Missed You , de 2021, dirigido por Chih-Yen Hsu e Mag Hsu , a protagonista é confrontada a encarar os seus bloqueios emocionais e digitais, para descobrir a causa de sua infelicidade. Kuo Chinchin (Eve Ai) é uma programadora viciada em trabalho. Por trás de sua personalidade durona, o telespectador conhece um pouco do seu passado conforme ela decide desbloquear duas pessoas do seu Facebook – de forma paralela a quem está assistindo, a personagem vai mergulhando cada vez mais no seu interior e martelando as memórias, as emoções e as escolhas. Sem exageros dramáticos, o filme tem um toque intimista e promove uma boa reflexão sobre como a tecnologia se tornou uma ferramenta não só para conhecer novas pessoas, mas também para criar mais proximidade ou afastamento das conexões com o passado, servindo pa

Surplus: Aterrorizados para serem consumidores

Surplus: Terrorized into being consumers' é um documentário com duração de 54 minutos, lançado em 2003, dirigido e escrito por Erik Gandini. O documentário utiliza-se da edição e remixagem de imagens e áudios, de forma satírica e em um ritmo frenético, para mostrar diferentes pontos de vista sobre o consumismo.

Capa do documentário SurplusO documentário começa com um discurso do ex-presidente cubano Fidel Castro que aborda o consumismo e suas consequências para o meio ambiente e para a sociedade, o desenvolvimento sustentável e a necessidade de compartilhamento de bens entre todas as nações, acompanhado de imagens de destruição e violência sobre movimentos sociais e repreensão.

Filósofo e escritor norte-americano, John Zerzan fala sobre a dependência do consumo. "Trabalhar constantemente e consumir constantemente. É loucura. Está destruindo tudo, vai tudo desaparecer", argumenta. Zerzan critica o consumismo, e conta que quando a tecnologia surgiu esta tinha o propósito de facilitar o trabalho das pessoas e fazer com que estas trabalhassem menos, mas para o filósofo, as pessoas não conseguem viver longe delas e acabam trabalhando cada vez mais.

O estímulo ao consumo por meio da publicidade e propaganda também é abordado. O pensamento de que é preciso comprar para ser feliz frustra as pessoas que não têm condições financeiras e sustenta o círculo vicioso dos consumistas. Em um mundo onde as pessoas estão cada vez mais plásticas e vazias, é mostrada uma empresa que produz bonecos eróticos feitos com materiais especiais, com o valor chocante de 6 a 7 mil dólares.

Refletir sobre como estamos vivendo em sociedade e entender o contexto por meio de diferentes pontos de vista é fundamental para a garantia de que o planeta continue existindo. O excesso de consumo de recursos naturais e a destruição do meio ambiente devem ser debatidos, pois se a sociedade atual chegou a este ponto, imagine como estarão as futuras gerações, que estarão ainda mais integradas com a tecnologia e fazem parte deste modelo de consumo que tornou-se globalizado.

Comentários

Mais lidas da semana