Pular para o conteúdo principal

Destaques

Passarinha: Livro sobre garota autista e seu pai lidando com o luto

Uma garota pré-adolescente no espectro autista (Síndrome de Asperger) chamada Caitlin perde o irmão em um tiroteio na escola e, além da dificuldade de entender e ser entendida pelos outros no colégio, ela tenta ajudar o pai a superar a morte de Devon. Assim é a trama do livro Passarinha (Mockingbird), da escritoraKathryn Erskine, publicado no Brasil pela Editora Valentina, em 2013.

Compre o livro Passarinha (Kathryn Erskine): https://amzn.to/2RV5PSt

Acredito muito no poder da literatura de entreter, informar e conscientizar sobre temas que nem sempre são abordados de forma suficiente na mídia ou que não são tão humanizados – a ficção ajuda com a empatia. Livros como Passarinha, A Diferença Invisível e Em Algum Lugar nas Estrelas deveriam ser trabalhados em salas de aula, levando em conta questões que vão além da literatura e ajudam na reflexão sobre inclusão social, amizade e relacionamentos de pessoas no espectro autista.

Narrado em primeira pessoa pela Caitlin, o livro Passarinha to…

Twitter & Marketing Político

"O Twitter serve para fazer marketing político?", artigo escrito pelo jornalista, mestre em Comunicação, professor e pesquisador em Marketing Político, Mauricio Guindani Romanini, que procura responder esta indagação. Publicado na revista Politicom - Revista Brasileira de Marketing Político, ano 3, nº 4, edição de Agosto/Dezembro de 2010.

Segundo o jornalista, é importante entender a influência dos eleitores e do protagonismo das eleições. Com a internet, os internautas podem trocar informações, opiniões e ideias sobre políticos e partidos em mídias sociais, como o Twitter, e colaborarem por meio da disseminação de conteúdos dos próprios internautas e dos candidatos. "Os cidadãos tornaram-se fonte e mídia", acredita.

As estratégias de marketing político online devem se diferenciar das estratégias feitas para mídias tradicionais. Para o autor, muitos profissionais ainda se confundem. "E-mails e mensagens padrão não valem mais, textos preparados por especialistas não valem e mantenha um diálogo aberto com os eleitores", ensina.

Proatividade, agilidade e horizontalidade são fundamentais para a campanha. O diálogo entre eleitores deve ser incentivado, bem como o monitoramento de estratégias. "Ao menor sinal de problema é necessário solucionar e mudar", explica. O autor lembra que a prioridade dos usuários no Twitter é pela busca de informações, principalmente de assuntos relacionados à comunidade em que o usuário está inserido.

"O Twitter pode e deve ser utilizado no marketing político online", finaliza Romanini.

Além do artigo citado acima, vale a pena ler a entrevista com o consultor em comunicação e marketing político, Chico Santa Rita. O jornalista e publicitário é um dos nomes mais respeitados do país quando o assunto é campanha eleitoral.

Confira abaixo

Comentários

Mais lidas da semana