Pular para o conteúdo principal

Destaques

Autismo: Entre fofocas e intrigas

Aviso aos bonitos e bonitas que sempre jogam meu nome e dos colegas nos grupos de Facebook e WhatsApp: alguém de vocês sempre solta algo e de um jeito ou de outro, chega até mim.


Minha dica é: quer falar mal? Fala à vontade. Se quiser, eu falo junto. Não tenho vergonha de fazer autocrítica, aliás, recomendo a todos.

Agora, se me difamar e/ou queimar minha reputação, o bicho pega.

Nesta página, não trabalho com indiretas. Só com diretas mesmo.

Já disse que nem todo autista é bonzinho, né? 😈

Dica para os anjinhos e neurotípicos: Arranjem hobbies e outros hiperfocos, ocupem a cabeça com outras coisas que não sejam só esse mundinho de intrigas do autismo.

Um grande filósofo pós-moderno, Benstein Oliveira disse que a fofoca viaja à velocidade da luz e que ela vem de todos cantos e cores do autismo. Nem WhatsApp eu uso, mas as conversas de lá sempre chegam aqui. Por que será, gente?

Formado em Harvard na arte das fofocas chegarem até mim. Parece que sou ímã para embuste.


Para os trolls que…

Roleta Russa no Trânsito de Campo Grande (MS)

Dirigindo pelo trânsito de Campo Grande, Mato Grosso do Sul, fica evidente o por quê do enorme número de acidentes de trânsito na capital sul-matogrossense. Motoristas que desrespeitam a sinalização, apressados, embriagados, desatentos, são alguns dos tipos de motoristas que você observa pela cidade.

Com um dos trânsitos mais violentos do Brasil, os moradores da cidade chegaram a um nível onde é preciso se questionar o quanto vale a pena colocar suas vidas em risco. Com tantos acidentes provocando mortes ou injúrias, estranho seria se as pessoas não tivessem medo. Dizem que as fobias são medos irracionais e exagerados, mas será que essa definição pode ser aplicada quando se trata do nosso trânsito?

Viver em medo não é saudável, porém como viver em um lugar onde você pode ser a próxima vítima. Existem pessoas que estão optando pelo transporte público, e não é pela preocupação com o meio ambiente ou com a falta de condições financeiras, mas pela autopreservação. Aliás, diga-se de passagem que o perigo é tão grande, que nem mesmo a população que utiliza-se dos transportes alternativos está se safando.

Procurando a palavra ‘acidente’ no dicionário pode-se observar que o termo está relacionado àquilo o que é casual, fortuito e uma desgraça. Todavia, será que a maioria dos acidentes não poderiam ser evitados se os motoristas tomassem melhores atitudes quando estão dirigindo? Será mesmo que as fiscalizações de documentos e irregularidades nos carros são a solução para este problema? Parece-me que o principal causador é o ser humano. Dotado da capacidade de discernir o que é certo e errado, o que nos diferencia dos outros animais, questiono-me o que é tão importante a ponto dos indivíduos deixarem a razão de lado para prejudicarem a vida de outras pessoas e suas próprias vidas.

Quando cometemos erros, procuramos sempre responsabilizar qualquer um, menos nós mesmos. As pessoas que usam como desculpa a pressa, para não se atrasar para algum evento ou responsabilidade, poderiam organizar melhor suas rotinas. É tudo uma questão de planejamento. Os motoristas, muitas vezes, esquecem-se que no horário em que eles estão correndo por conta de seus compromissos, geralmente, em cima da hora, as pessoas que utilizam o transporte público precisam acordar de uma a duas horas mais cedo para conseguirem chegar aos seus destinos. Ter uma chave em mãos garante o poder de tirar a vida dos outros ou machucá-los por conta do nosso egoísmo?

Muitos questionamentos e poucas respostas. Não existem fórmulas para melhorar o trânsito, pois este é habitado por seres humanos, com suas próprias vontades e desejos. Dirigir, mais do que uma questão de moral, em que as leis imperam e podem punir os motoristas que desrespeitarem as leis de trânsito, trata-se de uma questão ética. A ética no trânsito é fundamental. Colocar-se no lugar dos outros, refletir e pensar com mais seriedade as atitudes tomadas podem fazer muita diferença.

O trânsito não precisa ser uma roleta-russa, em que você não sabe quem vai ser a próxima vítima, mas tem a certeza de que alguém não vai sair ileso. Que atire a primeira chave quem nunca se envolveu ou ficou sabendo de algum acidente de trânsito, em que o motorista que dirigia corretamente teve sua saúde prejudicada ou morreu por conta da imprudência alheia.

Comentários

Mais lidas da semana