Pular para o conteúdo principal

Destaques

Resenha: Flores para Algernon – Daniel Keyes

Nossas percepções do mundo são moldadas por nossas habilidades cognitivas, o que, muitas vezes, também formam a visão que os outros têm de nós, especialmente em sociedades em que as pessoas têm dificuldade de ter empatia e respeito por pessoas diferentes. No livro Flores para Algernon (Flowers for Algernon), o escritor Daniel Keyes narra a história de Charlie, um rapaz com deficiência intelectual grave (no livro descrito como retardo mental) que é convidado a participar de uma cirurgia capaz de aumentar seu quociente de inteligência. No Brasil, a obra foi publicada pela Editora Aleph, em 2018, com tradução de Luisa Geisler.


Compre o livro Flores para Algernon (Daniel Keyes): https://amzn.to/2K4J7AR

Flores para Algernon é uma leitura desconfortável, já que à medida que o personagem principal toma consciência da maneira que ele é tratado pelos outros, é difícil não sentir sua dor e refletir sobre como o preconceito e a discriminação estão enraizados na sociedade.

Quem você se torna quand…

#CBJA - Palestrante explica os Desafios da Rio+20

Ladislau Dowbor em palestra durante
o IV Congresso Brasileiro de Jornalismo Ambiental
Foto: Ben Oliveira
No dia 17 de novembro de 2011 aconteceu no Rio de Janeiro, na Puc-Rio, o IV Congresso Brasileiro de Jornalismo Ambiental. Doutor em Ciências Econômicas pela Escola Central de Planejamento e Estatística de Varsóvia, Polônia, Ladislau Dowbor fez a palestra de abertura com o tema Desafios da Rio+20, onde comentou as crises e oportunidades em tempos de mudança.

Professor titular no departamento de pós-graduação da PUC/SP e da Universidade Metodista de São Paulo, e consultor para agências das Nações Unidas, governos e municípios, Ladislau Dowbor falou sobre os impactos do ser humano no planeta. Aquecimento global, explosão populacional, evolução do PIB, desmatamento, entre outros fatores foram argumentados pelo palestrante.

Para Dowbor, os impactos do aquecimento global são catastróficos, mesmo que muitos pesquisadores digam que não há como comprovar que a Terra está aquecendo e que é assunto de debate.

De acordo com Dowbor, com o aumento do número de pessoas, aumenta-se o consumo. "Hoje somos 7 bilhões de pessoas", falou o palestrante. A pressão sobre o planeta fica evidente e é necessário começar a pensar de maneira inteligente no que estamos comprando, consumindo e seus processos.

Apesar do PIB estar evoluindo, Dowbor chama a atenção para o fato de que esse mede o ritmo de uso de recursos, não mede os resultados e a consequente redução de estoques. "Essa melhoria material da nossa vida é limitada para a qualidade de vida", ressaltou. Apesar do aumento do PIB, o palestrante contou que as pesquisas de satisfação de vida se mantêm estáveis ou declináveis.

"O PIB foi criado nos anos 30, universalizado nos anos 40 e hoje não nos serve mais para medir riquezas", justificou. Cerca de 2/3 da população mundial tem acesso a somente 6% do PIB. Segundo o palestrante, um modelo de produção e consumo para elites.

Os presentes na palestra foram levados a uma reflexão sobre como estamos utilizando os recursos ou o planeta poderá não aguentar este ritmo e a importância dos comunicadores usarem com inteligência a capacidade de informar e educar para ajudar a reverter este processo.

Comentários

Mais lidas da semana