Pular para o conteúdo principal

Destaques

Sobre rabiscos e telas brancas

A tela branca pode ser um convite à explosão criativa ou uma tortura ao artista que sente seu espírito definhando diante da pesada realidade. Em tempos de crise e ódio, a arte fica esquecida e é vista como desimportante; ironicamente, é quando mais precisamos dela, de algo que nos faça sentir vivo e toque as partes atordoadas.


O som dos dedos se movendo pelo teclado era como fantasmas de uma vida distante. É incrível perceber quantas vezes nós deixamos algumas partes nossas morrerem ao longo de nossas existências; as máscaras, antes tão confortáveis, agora incomodam e não nos servem mais. Leva tempo até ficarmos satisfeitos e ajustados à nova realidade. Viver é admitir que sabemos pouco sobre nós mesmos e há sempre algo novo que pode nos transformar, seja para o bem ou para o mal.

O artista encara a tinta respingando pela tela. Para o espectador sem intimidade, nada faz sentido, a desconexão de ideias é tormentosa; para ele, o lembrete de que sua arte nunca o abandonaria. Como poderia…

#CBJA - Palestrante explica os Desafios da Rio+20

Ladislau Dowbor em palestra durante
o IV Congresso Brasileiro de Jornalismo Ambiental
Foto: Ben Oliveira
No dia 17 de novembro de 2011 aconteceu no Rio de Janeiro, na Puc-Rio, o IV Congresso Brasileiro de Jornalismo Ambiental. Doutor em Ciências Econômicas pela Escola Central de Planejamento e Estatística de Varsóvia, Polônia, Ladislau Dowbor fez a palestra de abertura com o tema Desafios da Rio+20, onde comentou as crises e oportunidades em tempos de mudança.

Professor titular no departamento de pós-graduação da PUC/SP e da Universidade Metodista de São Paulo, e consultor para agências das Nações Unidas, governos e municípios, Ladislau Dowbor falou sobre os impactos do ser humano no planeta. Aquecimento global, explosão populacional, evolução do PIB, desmatamento, entre outros fatores foram argumentados pelo palestrante.

Para Dowbor, os impactos do aquecimento global são catastróficos, mesmo que muitos pesquisadores digam que não há como comprovar que a Terra está aquecendo e que é assunto de debate.

De acordo com Dowbor, com o aumento do número de pessoas, aumenta-se o consumo. "Hoje somos 7 bilhões de pessoas", falou o palestrante. A pressão sobre o planeta fica evidente e é necessário começar a pensar de maneira inteligente no que estamos comprando, consumindo e seus processos.

Apesar do PIB estar evoluindo, Dowbor chama a atenção para o fato de que esse mede o ritmo de uso de recursos, não mede os resultados e a consequente redução de estoques. "Essa melhoria material da nossa vida é limitada para a qualidade de vida", ressaltou. Apesar do aumento do PIB, o palestrante contou que as pesquisas de satisfação de vida se mantêm estáveis ou declináveis.

"O PIB foi criado nos anos 30, universalizado nos anos 40 e hoje não nos serve mais para medir riquezas", justificou. Cerca de 2/3 da população mundial tem acesso a somente 6% do PIB. Segundo o palestrante, um modelo de produção e consumo para elites.

Os presentes na palestra foram levados a uma reflexão sobre como estamos utilizando os recursos ou o planeta poderá não aguentar este ritmo e a importância dos comunicadores usarem com inteligência a capacidade de informar e educar para ajudar a reverter este processo.

Comentários

Mais lidas da semana