Pular para o conteúdo principal

Destaques

Nobody Speak: Documentário questiona frágil liberdade de imprensa contra interesses de bilionários

Nobody Speak: Trials of the Free Press é um documentário um tanto polêmico e controverso sobre a liberdade de imprensa, liberdade de expressão e como pessoas poderosas e ricas podem silenciar veículos de comunicação . O filme documental foi lançado em 2017, com direção do cinegrafista norte-americano Brian Knappenberger , com produção da First Look Media e distribuição pela Netflix . Dois casos bem diferentes são discutidos no documentário Nobody Speak . Enquanto no caso da Gawker, os profissionais envolvidos tentam vender a ideia de que publicar um vídeo íntimo de uma personalidade norte-americana se tratava de um tema de interesse público, eu acredito que o vazamento dos vídeos sexuais do famoso só reforçam a importância de traçar melhor a questão ética no jornalismo online, tão focado nos cliques instantâneos que se esquecem que por trás de cada notícia existem seres humanos, independente do nível de fama. Para não estragar a surpresa e os detalhes, não vou comentar muito sobre os

Engolindo sangue, vomitando palavras


Mordeu a língua naquela manhã. Desejou engoli-la para pensar duas vezes antes de dizer as palavras que sentia. O rapaz engoliu sangue misturado com ressentimento, um gosto agridoce que invadia o seu interior. Regurgitou sentimentos, mergulhou em um rio de mágoas e se afogava em tamanha decepção.

As memórias insistiam em aparecer, mesmo quando ele tentava calá-las. Não havia nada o que pudesse fazer se não aceitar e entender que alguns acontecimentos não podem ser esquecidos e entendidos, principalmente quando sua memória fotográfica era um ótimo instrumento de tortura.

Filmes passavam na cabeça dele retomando memórias que o faziam lembrar que esta não era a primeira vez que se machucava e um pressentimento dizia que não seria a última. Toda vez que ele achava que nunca mais se entregaria novamente, o sentimento era mais forte e ele acabava cedendo. Era preciso acreditar para conseguir levantar, mas sabia em quais momentos deveria permanecer deitado. De todas as vezes em que ele tinha sangrado, nessa os cortes deixados foram os mais profundos e deixariam marcas. Cicatrizes o lembravam que nem sempre poderia seguir o seu coração, mesmo sendo uma de suas verdades: “Seguir o coração mesmo quando te leve para outros caminhos”. Bastava ser honesto consigo mesmo.

Lidar diariamente com as palavras fazia com que ele desse maior atenção e respeitasse os seus significados. Aprendera a não confundir termos, definições e sentimentos, mas sabia que nem todos tinham esse dicionário em casa. As palavras giravam em sua cabeça, frases que um dia foram ditas e não faziam o mínimo sentido. Entre contradições, acertos e erros, o rapaz vomitava palavras para expurgar a dor que o estava sufocando.

Comentários

Mais lidas da semana