Pular para o conteúdo principal

Destaques

Resenha: Algum Dia — David Levithan

Pode o corpo alterar nossa percepção sobre a vida e o amor? E o que acontece quando todo dia mudamos de corpo e ainda assim tentamos manter um relacionamento? Em Algum Dia, do David Levithan, o leitor é levado a conhecer o desfecho da trilogia que encantou pessoas do mundo todo. No Brasil, a obra foi publicada pela Editora Galera Record, em 2020.

Compre o livro Algum Dia (David Levithan): https://amzn.to/3ifWxuE
Algum Dia foi um dos livros mais esperados por muitos leitores, entre eles: eu. Fui com muita expectativa na leitura. Não é que não tenha gostado do romance, mas senti falta de mais envolvimento entre os dois personagens principais. David Levithan nos deixa instigado por mais momentos entre Rhiannon e A, mas a narrativa acaba dando mais destaque para a condição do personagem sem corpo fixo.
"Agora eu sei: o amor não é tão simples. O amor nunca é sobre você dizer a si mesmo que deve fazer alguma coisa e então fazer. Nunca é sobre alguém te dizer que você deve fazer e por isso…

Neurocientista afirma que o ser humano está mais inteligente


No dia 31 de outubro de 2011 a revista Época publicou o artigo "Estamos mais inteligentes", do professor da Universidade do Sul da Califórnia e autor do livro "E o cérebro criou o homem", António Damásio. No artigo, o neurocientista fala sobre a daptação do cérebro ao ritmo veloz das novas tecnologias digitais.

Apesar dos avanços nos meios de comunicação proporcionados pela velocidade da internet e outras ferramentas, o neurocientista explica que o cérebro está adaptado ao tempo real diferente do tempo virtual, acelerado.

O cérebro precisa se adaptar a esta diferença de tempo. Todavia, de acordo com o autor do artigo, não é só a diferença de velocidade que estimula e impacta o cérebro, outro ponto é a multiplicidade de tarefas realizads ao mesmo tempo. Nosso cérebro consegue se adaptar, mas tudo tem um preço.

Quanto mais jovens, a adaptação do cérebro para essas tarefas múltiplas e velocidade é mais fácil, porém o neurocientista argumenta que esses indivíduos acabam apresentando dificuldade de concentração para executar uma única tarefa, que exige mais atenção.

Muitos estudiosos comentam que a internet pode estar deixando os seres humanos mais burros. Para António Damásio, porém, são conclusões apressadas e equivocadas. "Perco exatamente o contrário. O ser humano nunca foi mais inteligente e criativo do que hoje. Vivemos o auge de um longo processo de desenvolvimento cognitivo. Desde a evolução de nossa espécie, o cérebro vem sendo cada vez mais exigido e moldado para responder às mudanças ambientais e sociais", justifica o neurocientista.

O artigo está disponível na íntegra para assinantes da revista no link a seguir: http://revistaepoca.globo.com/ideias/noticia/2011/10/antonio-damasio-estamos-mais-inteligentes.html

Comentários

Mais lidas da semana