Pular para o conteúdo principal

Destaques

The Good Detective: Série coreana policial sobre antigo caso e a busca pela verdade

The Good Detective é uma série coreana policial que aborda um caso antigo, cujo julgamento levou à sentença de condenação de morte do acusado. Um detetive novato no departamento e um veterano se juntam para descobrir se aconteceram falhas nas investigações policiais. A série está disponível na Netflix . Com 16 episódios em sua primeira temporada, três personagens se destacam: o detetive que participou da investigação do caso, Kang Do Chang (Son Hyeon-ju) , o jovem detetive Oh Ji Hyuk (Seung-jo Jang) e a jornalista investigativa Jin Seo Kyung (Elliya Le) . Quando um novo caso de um suposto assassino confesso da filha do homem condenado ganha a atenção da mídia, muitas dúvidas pairam no ar sobre as motivações e os possíveis envolvidos, fazendo com que os detetives discretamente se aprofundassem nas investigações, mesmo sabendo que poderiam prejudicar as próprias carreiras. Kang é movido pela consciência pesada de ter sido parte do caso do condenado possivelmente inocente sofrer pena de

Entropia da Vida


Perder-se para se encontrar... Encontrar-se para depois se perder... O ciclo eterno da insatisfação humana repete-se durante nossa vida toda. Às vezes é preciso quebrá-lo ou pelo menos tentar. Um pouco de estabilidade não seria tão ruim.

Alcançar o equilíbrio me lembra as aulas de química, nas quais os professores falavam sobre a tal da entropia. Era preciso um aumento da desordem, caos, para então atingir um grau de equilíbrio. É impossível manter a harmonia e mais difícil ainda saber sempre o que nós queremos, mas refletir, evitar as armadilhas da vida e saber dizer não são atitudes fundamentais.

Não seria ótimo se nós pudéssemos desfrutar apenas dos bons momentos ou dos dias em que sentimos como se estivéssemos no controle das nossas vidas? Infelizmente ou felizmente, após alcançada a estabilidade ou a felicidade, estado transitório, esta dá espaço a um terreno de dúvidas, incertezas e miséria.

Chega um momento da nossa vida, ou melhor, vários, em que nos questionamos sobre o que temos feito e sobre nossas escolhas no campo pessoal e profissional. Freud dizia que o homem não conseguia afastar a insatisfação, somente enganá-la, portanto acredito que às vezes é preciso engolir suas perguntas, caso contrário elas podem te enlouquecer.

Saudade? Nostalgia? O passado sempre fará parte da nossa história e é ele que define o seu presente, mas é preciso viver o hoje. "Entender o passado, para compreender o presente e poder prever o futuro". Não importa o quanto você tente voltar atrás, você nunca vai conseguir reviver o que já aconteceu, talvez reproduzí-lo, mas como o reflexo de um espelho, a imagem será sempre virtual.

É necessário parar de culpar o tempo, a distância, o amor utópico, o outro, e pensar o quanto somos responsáveis pelo começo e pelo fim de cada um de nossos relacionamentos. Fechar os olhos já não é o mais sensato quando você prefere viver algo real e livre de fantasias. É tempo de queimar as máscaras. As cicatrizes já não trazem vergonha e mostram quem você realmente é.

Comentários

  1. Resistimos em confessar isso, e até tentamos reprimir, mas o motor que movimenta todo o ser humano não seria justamente essa relação de Prazer e Desprazer? Interessante suas conexões com a Teoria do Caos, justamente a organização nasce da profunda desorganização....

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana