Pular para o conteúdo principal

Destaques

Resenha: Algum Dia — David Levithan

Pode o corpo alterar nossa percepção sobre a vida e o amor? E o que acontece quando todo dia mudamos de corpo e ainda assim tentamos manter um relacionamento? Em Algum Dia, do David Levithan, o leitor é levado a conhecer o desfecho da trilogia que encantou pessoas do mundo todo. No Brasil, a obra foi publicada pela Editora Galera Record, em 2020.

Compre o livro Algum Dia (David Levithan): https://amzn.to/3ifWxuE
Algum Dia foi um dos livros mais esperados por muitos leitores, entre eles: eu. Fui com muita expectativa na leitura. Não é que não tenha gostado do romance, mas senti falta de mais envolvimento entre os dois personagens principais. David Levithan nos deixa instigado por mais momentos entre Rhiannon e A, mas a narrativa acaba dando mais destaque para a condição do personagem sem corpo fixo.
"Agora eu sei: o amor não é tão simples. O amor nunca é sobre você dizer a si mesmo que deve fazer alguma coisa e então fazer. Nunca é sobre alguém te dizer que você deve fazer e por isso…

Kate & Leopold - Amor temporal


Kate & Leopold é uma comédia romântica de fantasia norte-americana de 2001, dirigida por James Mangold e protagonizada por Meg Ryan e Hugh Jackman.  O filme conta a história de um duque de 1870 chamado Leopold, que foi parar em Nova York no século XXI, após entrar em uma fenda do tempo na Ponte do Brooklyn.

É interessante observar no filme as diferenças de costumes e comportamentos de cada época. Quando Leopold aparece nos dias atuais, o rapaz é confundido com um ator que está encenando um personagem, por conta da impossibilidade de alguém viajar no tempo. Aos poucos as atitudes do homem impressionam aqueles que o conhecem.

Trabalhadora da área de pesquisa de comportamento de uma empresa, Kate é cética e moderna, quase um estereótipo da mulher do século XXI. Com um histórico de relacionamentos mal-sucedidos, quando a jovem começa a se envolver com Leopold ela experimenta diferentes sensações, desde a descrença até a felicidade de estar com um tipo de príncipe romântico.

Enquanto Leopold é um romântico nato, cujas atitudes e educação pertencem a uma época polida e de ritmo mais lento, Kate vive na correria dos tempos modernos e sem vida amorosa. Em alguns trechos do filme é possível observar a diferença de valores dos personagens. Confira abaixo:

"Talvez paixão seja uma versão adulta de Papai Noel" - Kate

"O casamento é uma promessa de amor eterno. Como um homem de honra eu não posso prometer eternamente o que nunca senti momentaneamente" - Leopold

Algumas histórias de amor, tanto da ficção, quanto da vida real, chegam a um momento em que um dos envolvidos percebe o quanto o outro lhe faz bem. A parte em que Kate finalmente cai na real é adorável. Segue um trecho: "É uma ótima coisa conseguir o que você quer. É uma boa coisa, ao menos que o que você pensou que queria, não era aquilo que queria... porque o que você realmente queria, você não conseguia imaginar ou pensar que era possível... mas e se aparecesse alguém que soubesse exatamente o que você queria sem pedir, como se pudesse ouvir seu coração batendo ou ouvir seus pensamentos...".

A divertida história de amor abordando diferentes gerações pode ser observada nos dias de hoje. Não é preciso estar em um século diferente para encontrar pessoas com diferentes posições sobre o amor, e é isto que tornou o roteiro leve do filme tão agradável, esta relação com a vida real, independente do ano em que se viva.

Comentários

Mais lidas da semana