Pular para o conteúdo principal

Destaques

Dias de Isolamento, Estímulos e Tédio: Vidas Importam (Coronavírus) | Ben Oliveira

Mesmo para alguém no espectro autista (lembrando que não existem dois autistas iguais e há uma ampla variedade neurológica e de personalidade), os dias de isolamento não são necessariamente confortáveis.


Gostar de ficar em casa e precisar de tempo sozinho para recarregar as energias, não significa que autistas também não gostem de ver pessoas – muitos adoram andar ao ar livre. As pessoas confundem autismo, introversão, timidez e misantropia (aversão às pessoas).

O que eu queria falar é sobre a importância de se ocupar com o que te estimula. Na correria do dia a dia, todos abrimos mão daquilo que gostamos de fazer e do que nem sabíamos que gostamos. Além de ler e jogar, nesses dias aproveitei para organizar as coisas e brincar com as tintas e colas.

Deveria estar escrevendo mais, mas confesso que estou gostando de estimular outras áreas que estavam adormecidas. Sim, tenho muitos momentos de tédio, mas não acho que colocar a vida de outras pessoas em risco possa compensá-los.

Por outro …

Crise dos Jornais Impressos é tema de trabalho


A Biblioteca On-Line de Ciências da Comunicação - BOCC divulgou recentemente novos artigos e trabalhos, entre eles está um sobre os efeitos da crise dos jornais impressos e análise do jornal "A Cidade", de Ribeirão Preto, escrito por Igor José Siquieri Savenhago, do Centro Universitário Barão de Mauá, de Ribeirão Preto (SP).

O trabalho analisou o maior e mais antigo jornal de Ribeirão Preto, A Cidade, e realizou uma análise do contexto histórico de 2006, ano em que foi realizada uma reforma gráfica e editorial do jornal. O autor também pesquisou sobre a crise dos jornais impressos e histórias da imprensa em Ribeirão Preto.

Sobre a crise dos jornais, Igor Savenhago cita a opinião do jornalista Ricardo Noblat a respeito do assunto. Entre os pontos levantados está a perda de importância dos jornais impressos por conta do desenvolvimento da internet e instantaneidade das publicações.

Ricardo Noblat ainda comenta sobre os jornalistas que acabam escrevendo para eles mesmos, pois produzem conteúdos jornalísticos interessante para eles e se esquecem do leitor. Para Noblat, tanto os donos das empresas, quanto os jornalistas contribuem com a crise, mesmo sem ser a real intenção deles, pois podem perder o seu emprego, mas é o que acontece. "Os donos porque administram mal as empresas; os jornalistas porque insistem com um modelo de jornal que desagrada às pessoas", o autor compartilha uma citação do jornalista Ricardo Noblat, do livro "A arte de fazer um jornal diário".

A queda da publicidade e o avanço da internet são citados como os sintomas da crise dos jornais impressos, que atingiu até mesmo grandes veículos, como o New York Times. Ainda segundo o trabalho, apesar de muitos leitores terem migrado para o site do jornal, o tempo que eles passam navegando é insuficiente para obter informação e elevar a cultura, uma média de 35 minutos por mês.

Por fim, recomendo a leitura do texto aos interessados em entenderem melhor a crise vivenciada no jornalismo. O trabalho aborda diferentes opiniões sobre a crise dos impressos, algumas possíveis medidas para melhorar, como os jornais estão fazendo para sobreviver e o estudo de caso do jornal "A Cidade".

Confira o trabalho na íntegra: Efeitos da crise dos impressos: o caso do jornal brasileiro “A Cidade”, de Ribeirão Preto/SP

Comentários