Pular para o conteúdo principal

Destaques

Espectro Autista: Reflexão sobre conscientização do autismo

Vez ou outra eu recebo mensagens de pessoas pedindo ajuda sobre como trazer mais conscientização em lugares nos quais pouco se sabe sobre autismo. Nem toda cidade tem especialista em autismo, isso é um fato que todo mundo que já precisou de um, sabe como é. Minha dica é: compre/arrecade livros ATUALIZADOS sobre o assunto e/ou livros de ficção (com personagens autistas) e/ou livros escritos por autistas. Recomendo firmemente a literatura, já que a leitura trabalha a empatia e fica mais fácil dos neurotípicos entenderem como é estar 'na nossa pele', mesmo que por alguns minutos.


Não vai dar livro desatualizado, que é um desserviço. Já tem muita desinformação no Brasil. Eu poderia fazer uma lista sobre todos absurdos que leio, mas não vou.

Enfim, não dá para fugir da leitura. Infelizmente, muitos conteúdos brasileiros estão defasados, outros logo vão estar por causa das alterações do CID11 do Espectro Autista [só entra em vigor em 2022]. Tem muita coisa boa produzida pela comunid…

Rota 66: A História da Polícia que Mata - Caco Barcellos


"Rota 66: A História da Polícia que Mata", livro-reportagem publicado em 1987 e escrito pelo jornalista Caco Barcellos é resultado de anos de investigação dos homicídios cometidos pelos Policiais Militares da Rota - Rondas Ostensivas Tobias de Aguiar.

Dividido em três partes, o livro aborda na primeira parte o caso Rota 66; na segunda parte informações sobre os maiores matadores Policiais Militares da Rota e a última parte dedicada aos inocentes vítimas das ações da "polícia que mata".

O jornalista narra o caso conhecido como Rota 66, no qual três jovens foram assassinados por policiais militares sob as acusações de porte e tráfico de drogas, furto de rádios de carro, porte de armas, reação à prisão e tiroteio.

Diferente da maioria dos assassinatos cometidos pelos policiais nos quais as vítimas são pobres e não têm recursos para investigarem o caso ou pedir por respostas a ponto de tornar-se algo comum no cotidian'o e só mais um número para as estatísticas, os jovens assassinados eram de classe média e alta. Após anos de julgamento, os policiais envolvidos no caso saíram impunes.

Além de reportar o caso e as investigações com detalhes e informações com as quais seria possível comprovar as mortes desnecessárias e punir os assassinos, o jornalista Caco Barcellos foi além e investigou outras mortes. O número de homicídios cometidos pelos policiais do batalhão foram tão grandes, que o jornalista descreveu como uma guerra, e inclusive contabilizou o maior número de mortes do que em guerras e conflitos ocorridos no Brasil.

Caco Barcellos investigou um total de 3.523 vítimas, das quais 2.303 eram inocentes e somente 1.496 eram criminosos. Entre os criminosos assassinados, nem todos ofereciam um risco à sociedade a ponto de serem exterminados pela polícia militar.

Não sei dizer o que é mais assustador no incrível trabalho escrito por Caco Barcellos que demonstra as habilidades de investigação, apuração e narração do jornalista,  se são os padrões das vítimas e a maneira que os policiais agem, como matar antes de perguntar ou saber a identidade das vítimas, plantar armas e drogas, mover os corpos e evidências da cena do crime e levar os cadáveres para o hospital, para demonstrar a "tentativa de salvar a vida" ou se é a maneira que esses policiais saíram impunes de todas as acusações e voltam a se comportar como Deuses, prontos para tirarem a vida de quem aparecer nos seus caminhos, sob a justificativa de legítima defesa. Outro fato relevante e também revoltante levantado na reportagem é a exaltação e premiação interna destes policiais.

De diversas histórias chocantes contadas no livro de violência gratuita, assassinato de menores de idade e inocentes, uma delas chamou mais a minha atenção, a de um homem que ouvia todos os dias um programa policial na rádio, no qual o apresentador sempre elogiava o trabalho da Polícia Militar e da ROTA e menosprezava os "criminosos" (vítimas). O próprio homem que acreditava na importância do batalhão da polícia foi assassinado e ofendido na manhã do outro dia no seu programa de rádio favorito.

Quem vê o livro pronto não imagina o trabalho que deu para produzir esta mega reportagem. Ao longo da obra, o jornalista relata as entrevistas, análises e cruzamentos de dados realizados, como pesquisas no extinto jornal Notícias Populares, boletins de ocorrência, documentos do Instituto Médico Legal (IML) e processos de crimes dos matadores da Polícia Militar. Enquanto pouquíssimos policiais foram condenados e afastados, outros continuaram em suas funções. No decorrer do livro fica claro como esses policiais torturam e matam para satisfazerem os seus prazeres e egos.

Comentários

Mais lidas da semana