Pular para o conteúdo principal

Destaques

Antraz: Documentário da Netflix revela investigações feitas pelo FBI durante anos

Um pouco após os atentados terroristas contra as torres gêmeas, em Nova Iorque, Estados Unidos, no 11 de setembro de 2001, uma ameaça de antraz colocou as autoridades, como o FBI em alerta, e espalhou pânico nos norte-americanos devido à facilidade de se espalhar sem as pessoas saberem.  Dirigido e roteirizado por Dan Krauss e produzido pela Netflix e pela BBC, 21 anos após o ataque e o primeiro caso de circulação do antraz, o documentário Antraz: EUA Sob Ataque (The Anthrax Attacks) leva o telespectador para as investigações do FBI que duraram anos. O que a princípio foi alvo de muita pressão para a solução do caso, principalmente pelo medo dos norte-americanos do esporo da bactéria continuar se espalhando pelas cartas e fazendo mais pessoas adoecerem e/ou morrerem, logo foi caindo no esquecimento conforme as investigações desenrolavam fora dos holofotes.  Com a proximidade do caso do ataque às torres gêmeas, à primeira vista, o pânico generalizado fez com quem os norte-americanos

Imprensa Gay no Brasil


No artigo "Voz da diversidade: Os discursos da imprensa gay masculina no Brasil", escrito por Gean Oliveira Gonçalves, participante do projeto de pesquisa sobre os discursos da mídia brasileira especializada na temática gay, o autor apresenta um pouco sobre a história da homossexualidade no Brasil e o nascimento da imprensa gay brasileira.

De forme sucinta, o autor explica como a temática homossexual era tratada antes de tornar-se específica no jornalismo. A temática era trabalhada em diferentes áreas e o discurso estava relacionado à construção da identidade gay no Brasil, época marcada por conceitos e pré-conceitos.

Segundo o autor, um dos papeís da mídia gay era o de desconstruir e transformar os discursos da identidade gay, que era vista como sexualidade desviante e impulsiona uma mobilização pelos direitos e pela liberação sexual. De acordo com Gean Oliveira Gonçalves, uma das propostas da mídia gay, desde o seu nascimento, era o de lutar pelo fim da discriminação e visibilidade social dos homossexuais.

No trabalho o autor cita três publicações e suas diferentes fases da mídia gay brasileira no Brasil: O Lampião da Esquina, jornal alternativo, militante e vanguardista para homossexuais surgido em 1978 e extinto em 1981; Sui Generis, nascida em 1994, a revista durou até o ano 2000 e tem como destaque o mercado GLS, um mercado segmentado para este público; e a DOM - De Outro MOdo, revista sobre comportamento e cultura gay pós-moderna.

Confira o artigo na íntegra: http://www.usp.br/alterjor/Gean_voz.pdf.

Comentários

Mais lidas da semana