Pular para o conteúdo principal

Destaques

Antraz: Documentário da Netflix revela investigações feitas pelo FBI durante anos

Um pouco após os atentados terroristas contra as torres gêmeas, em Nova Iorque, Estados Unidos, no 11 de setembro de 2001, uma ameaça de antraz colocou as autoridades, como o FBI em alerta, e espalhou pânico nos norte-americanos devido à facilidade de se espalhar sem as pessoas saberem.  Dirigido e roteirizado por Dan Krauss e produzido pela Netflix e pela BBC, 21 anos após o ataque e o primeiro caso de circulação do antraz, o documentário Antraz: EUA Sob Ataque (The Anthrax Attacks) leva o telespectador para as investigações do FBI que duraram anos. O que a princípio foi alvo de muita pressão para a solução do caso, principalmente pelo medo dos norte-americanos do esporo da bactéria continuar se espalhando pelas cartas e fazendo mais pessoas adoecerem e/ou morrerem, logo foi caindo no esquecimento conforme as investigações desenrolavam fora dos holofotes.  Com a proximidade do caso do ataque às torres gêmeas, à primeira vista, o pânico generalizado fez com quem os norte-americanos

Somos nossos piores inimigos

Nosso maior inimigo não é invisível. Ele está onde nós menos imaginamos e é o último a ser apontado como o responsável pelos nossos erros. Thomas Hobbes dizia que o homem é o lobo do homem em um diferente contexto. Esqueceram de dizer que às vezes nós somos nossos próprios lobos.

É preciso tomar cuidado com nossos sonhos, desejos, medos e críticas. Esses quatro elementos combinados são poderosos e definem como a nossa vida foi, é e será. Ao mesmo tempo em que eles podem se complementar e nos fortalecerem, quando estão fora de equilíbrio os mesmos podem se transformar na nossa pior e mais potente ferramenta de destruição.

Sonhar demais nos faz pensar que podemos ir além do que algum dia conseguiremos. É preciso ter os pés no chão e lutar para não deixar a tentação do mundo dos sonhos nos segurar e o pior de tudo, nos transformar em seus escravos. "Alice, acorda. O mundo está em chamas!".

Todos nós somos movidos por desejos, mas quantas vezes desejamos aquilo que não podemos oferecer? É simples... Acabamos idealizando pessoas, situações e relacionamentos e nos desapontamos quando não temos aquilo o que desejamos. Pessoas desejando relacionamentos sérios, mas se jogando aos sete ventos. Algumas procurando alguém que as valorize pelo que elas são, quando tudo o que se importam é com a aparência. Tão utópica como as pessoas que procuram seres humanos com corpos, rostos e personalidades perfeitos, estão as que além disto querem também um relacionamento perfeito. Compartilho um dos conselhos que eu já ouvi e nunca vou esquecer: "Pare de procurar o amor. Seja amor".

Um pouco de medo é saudável e serve para nos alertar sobre os possíveis perigos. Todavia, existem aqueles que deixam o medo os sufocarem. O excesso de medo mata os sonhos e os desejos. Viver sem medos é tão perigoso quanto se limitar. Não sei o que é pior, viver como um mini-Deus ou se esconder nas trevas da ignorância.

O último e talvez o mais temeroso dos elementos é a crítica. Vivemos criticando as atitudes dos outros e quando mal nos damos conta estamos fazendo exatamente aquilo o que nós criticamos.

Está na hora de aprendermos a balancear nossas vidas, antes que nossos próprios lobos comam o que restaram de nós. Finalizo o texto com uma frase que eu li pichada em um muro próximo à universidade: "O homem não precisa ser lobo de ninguém".

Leia também: Somos narradores de nossas próprias histórias

Comentários

Mais lidas da semana