Pular para o conteúdo principal

Destaques

Para Toda a Eternidade: Livro explora rituais funerários diversos

Entre a naturalidade e o espanto, o tradicional e o moderno, o ocidental e o oriental, Caitlin Doughty transmite ao leitor histórias de suas visitas a espaços e profissionais envolvidos com o universo mortuário. Uma das obras pedidas por quem já tinha lido Confissões do Crematório, o novo livro foi publicado no Brasil pela editora DarkSide Books, em junho de 2019, com tradução de Regiane Winarski e ilustrações de Landis Blair.


Compre o livro Para Toda a Eternidade (Caitlin Doughty): https://amzn.to/2R2FwqN

“Eu passei a acreditar que os méritos de um costume relacionados à morte não são baseados em matemática [...] mas em emoções, numa crença na nobreza única da própria cultura da pessoa. Isso quer dizer que consideramos os rituais de morte selvagens apenas quando eles não são como os nossos” – Caitlin Doughty, Para Toda a Eternidade
Dá para ler tranquilamente Para Toda a Eternidade sem ter lido Confissões do Crematório, mas acredito que as duas leituras são complementares. Enquanto na p…

Somos nossos piores inimigos

Nosso maior inimigo não é invisível. Ele está onde nós menos imaginamos e é o último a ser apontado como o responsável pelos nossos erros. Thomas Hobbes dizia que o homem é o lobo do homem em um diferente contexto. Esqueceram de dizer que às vezes nós somos nossos próprios lobos.

É preciso tomar cuidado com nossos sonhos, desejos, medos e críticas. Esses quatro elementos combinados são poderosos e definem como a nossa vida foi, é e será. Ao mesmo tempo em que eles podem se complementar e nos fortalecerem, quando estão fora de equilíbrio os mesmos podem se transformar na nossa pior e mais potente ferramenta de destruição.

Sonhar demais nos faz pensar que podemos ir além do que algum dia conseguiremos. É preciso ter os pés no chão e lutar para não deixar a tentação do mundo dos sonhos nos segurar e o pior de tudo, nos transformar em seus escravos. "Alice, acorda. O mundo está em chamas!".

Todos nós somos movidos por desejos, mas quantas vezes desejamos aquilo que não podemos oferecer? É simples... Acabamos idealizando pessoas, situações e relacionamentos e nos desapontamos quando não temos aquilo o que desejamos. Pessoas desejando relacionamentos sérios, mas se jogando aos sete ventos. Algumas procurando alguém que as valorize pelo que elas são, quando tudo o que se importam é com a aparência. Tão utópica como as pessoas que procuram seres humanos com corpos, rostos e personalidades perfeitos, estão as que além disto querem também um relacionamento perfeito. Compartilho um dos conselhos que eu já ouvi e nunca vou esquecer: "Pare de procurar o amor. Seja amor".

Um pouco de medo é saudável e serve para nos alertar sobre os possíveis perigos. Todavia, existem aqueles que deixam o medo os sufocarem. O excesso de medo mata os sonhos e os desejos. Viver sem medos é tão perigoso quanto se limitar. Não sei o que é pior, viver como um mini-Deus ou se esconder nas trevas da ignorância.

O último e talvez o mais temeroso dos elementos é a crítica. Vivemos criticando as atitudes dos outros e quando mal nos damos conta estamos fazendo exatamente aquilo o que nós criticamos.

Está na hora de aprendermos a balancear nossas vidas, antes que nossos próprios lobos comam o que restaram de nós. Finalizo o texto com uma frase que eu li pichada em um muro próximo à universidade: "O homem não precisa ser lobo de ninguém".

Leia também: Somos narradores de nossas próprias histórias

Comentários

Mais lidas da semana