Pular para o conteúdo principal

Destaques

Resenha: Ed e Lorraine Warren: Vidas Eternas – Robert Curran e Jack & Janet Smurl

Entre o ceticismo e a curiosidade, as histórias de Ed e Lorraine Warren conquistaram pessoas de vários países graças às adaptações para filmes de terror inspiradas em casos investigados pelo casal de investigadores paranormais. Levando em conta o interesse dos leitores, a editora DarkSide Books publicou o livro Ed e Lorraine Warren:Vidas Eternas, escrito por Robert Curran que conta a experiência vivida por Jack e Janet Smurl. A obra foi lançada em 2019, com tradução de Eduardo Alves.


Compre o livro Vidas Eternas: https://amzn.to/2nwUw5A

Histórias como a da família Smurl, ainda que sejam questionáveis sobre o que teria realmente acontecido, quais partes foram aumentadas e/ou inventadas pela família, pelo escritor e/ou pelos próprios investigadores paranormais, deixam um gosto de nostalgia e também nos fazem pensar no sucesso de adaptações com temáticas semelhantes para o cinema.

A humanidade sempre tenta explicar o que não consegue entender. Divididos entre ficar em negação e se acostum…

Somos narradores de nossas próprias histórias

Texto: Ben Oliveira

Somos narradores e personagens de nossas próprias histórias. É preciso não confundir o narrador com o escritor, aquele que cria a história, pois não temos poder para tal. Não escolhemos onde nascemos, quando ou porquê, mas podemos direcionar algumas coisas durante nossas vidas.

Não importa a maneira que contamos uma história, ela será interpretada de diversas maneiras por quem está lendo ou ouvindo. Dependendo da intenção do narrador, ele tentará passar a informação que se aproxime mais da sua própria realidade ou deixará aberto para a subjetividade do leitor. Omitimos detalhes, lugares, nomes, personagens e ações tornando mais difícil ainda a compreensão de nossas complexidades, nos fazendo passar por protagonistas aparentemente fáceis de decifrar.

As pessoas gostam de creditar os mistérios da vida para Deus e se esquecem do quanto podem guardar dentro de si coisas que ninguém imagina, coisas que procuramos não mostrar para os outros e nós mesmos evitamos olhar por muito tempo. Todos temos um lado obscuro, na maior parte de nossas existências adormecido, mas que se alimenta de nossas mágoas, medos e inseguranças.

E, então, quando decidimos colocar um ponto final, fica a dúvida das possíveis motivações. Pessoas começam imaginar e enxergar o que elas querem ver. Coincidências ou não, tal qual o narrador de um conto − gênero literário caracterizado pela menor quantidade de texto em relação às novelas e romances, nem tudo precisa ser dito ou precisa ter um porquê detalhado.

Assim é a vida. Às vezes, ela simplesmente acaba. Há quem prefira guardar os bons momentos e há quem prefira se agarrar às mágoas. Não importa, faz tudo parte da maneira que foi contada, vivida, experienciada. Quando se trata da morte ou do fim, não existem vilões ou mocinhos, mas um momento que leva até quem não era tão próximo do seu personagem à catárse.

Ao mesmo tempo em que a morte produz uma ação catártica levando a purificação e liberdade, ela também faz com que nós questionemos mais sobre a vida, nossas atitudes e a maneira que tratamos as pessoas que são importantes para nós.

Morremos um pouco a cada dia desde os nossos nascimentos. A questão que permanece é como você está contando sua história. Fica claro que não escolhemos quando a morte chega, não somos escritores, somos mero narradores, mas é preciso admitir que somos responsáveis por adiantar o nosso fim e o fazemos diariamente com nossos hábitos nada saudáveis.

Para refletir:
"Uma noite, um velho índio contou ao seu neto sobre a guerra que acontece dentro das pessoas. Ele disse: ”A batalha é entre dois ‘lobos’ que vivem dentro de todos nós”.


Um é mau. É a raiva, inveja, ciúme, tristeza, desgosto, cobiça, arrogância, pena de si mesmo, culpa, ressentimento, inferioridade, mentiras, orgulho falso, superioridade e ego.

O outro é bom. É a alegria, paz, fraternidade, esperança, serenidade, humildade, bondade, compaixão e fé.

O neto pensou nessa luta e perguntou ao avô:
- Qual lobo vence?
O velho índio respondeu:
- Aquele que você alimenta".

E aí, qual lobo você está alimentando? Como você está contando sua história?

Leia também: Somos nossos piores inimigos

Comentários

  1. Respostas
    1. Lidia, fico muito feliz que tenha gostado do texto! Volte sempre!! Muito obrigado.

      Abraços

      Excluir
  2. interessante. quando escreves fala do que viveste porque ai ganhas outra profundidade, senão ficam no papel meia duzia de frases bonitas, boas intenções, mas o escritor ou o narrador torna-se insipido e banal

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Região Literária! Fico muito feliz com sua visita e comentário... :D
      Volte sempre!

      Excluir
  3. Prezado Ben Oliveira és mais um dos grandes literatos desconhecidos e não reconhecidos pela excelente qualidade de tuas obras e por qualidade entenda-se variedade, originalidade, criatividade e autenticidade com que produz teus escritos. Tenho admiração por seu estilo despojado, mas ao mesmo tempo profundo, enriquecedor com que escreves teus post. Parabéns e desejo-lhe felicidades. Grande abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado pelo comentário, Robert!! Fico muito feliz que goste dos meus textos. Sabemos como os blogueiros e escritores iniciantes não são tão valorizados, principalmente no Brasil, onde as editoras se interessam mais por autores internacionais e o público da internet se interessa mais na leitura de frivolidades. Abraço e volte sempre!

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana