Pular para o conteúdo principal

Destaques

Sobre rabiscos e telas brancas

A tela branca pode ser um convite à explosão criativa ou uma tortura ao artista que sente seu espírito definhando diante da pesada realidade. Em tempos de crise e ódio, a arte fica esquecida e é vista como desimportante; ironicamente, é quando mais precisamos dela, de algo que nos faça sentir vivo e toque as partes atordoadas.


O som dos dedos se movendo pelo teclado era como fantasmas de uma vida distante. É incrível perceber quantas vezes nós deixamos algumas partes nossas morrerem ao longo de nossas existências; as máscaras, antes tão confortáveis, agora incomodam e não nos servem mais. Leva tempo até ficarmos satisfeitos e ajustados à nova realidade. Viver é admitir que sabemos pouco sobre nós mesmos e há sempre algo novo que pode nos transformar, seja para o bem ou para o mal.

O artista encara a tinta respingando pela tela. Para o espectador sem intimidade, nada faz sentido, a desconexão de ideias é tormentosa; para ele, o lembrete de que sua arte nunca o abandonaria. Como poderia…

Resenha - A Objetividade Jornalística – Luiz Amaral

Texto: Ben Oliveira.

"A objetividade jornalística", título do livro escrito por Luiz Amaral, publicado em 1996 pela Sagra D.C. Luzzatto, integrante da coleção Comunicação Viva, surgiu por meio de um convite da Associação Riograndense de Imprensa, no qual o jornalista foi convidado para falar sobre um dos mitos da imprensa moderna, o da objetividade, e também analisa a subjetividade.

Luiz Amaral é autor de outros clássicos do jornalismo, como "Jornalismo: Matéria de Primeira Página" e "Técnica de Jornal e Periódico". Com mais de 45 anos de experiência, o jornalista já participou de importantes veículos de comunicação do Brasil e em Berna, na Suíça, além de ter pesquisado diversos autores e entrevistado autoridades do assunto.

Segundo Luiz Amaral, a objetividade é uma das recomendações principais dadas ao jornalista e defendida pela imprensa americana e de outras regiões do mundo, como a brasileira.
Na obra, o autor comenta sobre as características inerentes ao ser humano, crenças, desejos e realidades e questiona até que ponto é possível descrever as coisas como elas são, ou seja, ser objetivo. Amaral aponta diferentes definições encontradas em dicionários e dadas por filósofos sobre a objetividade e seus contrastes com a subjetividade.

De acordo com Luiz Amaral, a objetividade , imparcialidade e equilíbrio começaram a ser adotados a partir de meados do século XIX, e da mesma maneira que o assunto foi polêmico para os filósofos, também traz discussões até hoje para os jornalistas. Se antigamente os jornais eram pautados pelas críticas político-partidárias, atualmente há um interesse do público pelos acontecimentos da comunidade, resultantes de diferentes fatores, como o desenvolvimento tecnológico, alfabetização e outros. "... em sua tarefa diária, o jornalista precisaria deixar em casa suas normas, princípios, referências políticas e ideológicas, procurar excluí-los do pensamento e se concentrar na narração dos fatos" (AMARAL, 1996, p. 26).

Para Luiz Amaral, alguns acontecimentos contribuíram para a adoção da objetividade: Advento das Agências de Notícias (mantinham grau de imparcialidade, tentando contemplar todos os lados da questão); Desenvolvimento Industrial (rentabilidade de publicações de baixo preço para consumo em massa, menos parciais, mais fácil comercializaçao); As duas guerras mundiais (manipulação dos fatos, notícia tendenciosa e jornalismo interpretativo); Advento da publicidade e das relações públicas.

A busca pela verdade também é comentada por Luiz Amaral. Ele se utiliza de diferentes opiniões de autores, como o professor Hilton Japiassu que acredita que a verdade é um mito e sobrea insegurança. O jornalista acaba se anulando ao buscar a imparcialidade e enfrenta outros caminhos que atrapalham o alcance da verdade, como os preconceitos (o jornalista vai fazer a matéria já sabendo a conclusão do caso), interesses materiais (lucro e poder dos proprietários da empresa), pressa, dificuldade de espaço e tempo e omissão.

Manipulação é um dos temas abordados no livro pelo autor que dá como exemplo as guerras, invasões e ações militares, seja por instrução do governo ou da própria mídia que silencia em proveito próprio. Seja dando voz para as fontes oficiais ou atendendo aos interesses das grandes empresas, a mídia produz notícias "comprometidas, tendenciosas ou sensacionalistas". Não é a objetividade que as empresas pregam para os jornalistas, mas a neutralidade, na qual o profissional acaba aceitando tudo o que é dito sem criticar.

"Mostre-me um homem que pensa que é objetivo e eu lhe mostro um homem que está enganando ele próprio" - Henry Luce, fundador da revista Time.

O penúltimo capítulo do livro aborda a objetividade na imprensa brasileira, esta que passou pela fase em que o jornalismo era confundindo com literatura, transição de pequena para grande empresa, mudança das relações do jornal com o anunciante, política e leitores, adoção do lead e conceitos de objetividade norte-americanos.

Diferentes teses e opiniões de especialistas encerram o último capítulo do livro comentando sobre a diversidade e complexidade da sociedade contemporânea, as transformações da tecnologia e mudanças de valores.

Referência bibliográfica

AMARAL, Luiz. A Objetividade Jornalística. Porto Alegre, DC Luzzatto, 1996.

Comentários

Mais lidas da semana