Pular para o conteúdo principal

Destaques

Um Conto Taiwanês de Duas Cidades: Série de romance e drama explora raízes, sonhos e amores

Uma série de romance e drama sobre duas mulheres conectadas por suas raízes de Taiwan, mas que seguiram caminhos bem diferentes e com personalidades moldadas pelas cidades em que viveram: enquanto uma cresceu em San Francisco, nos Estados Unidos, a outra passou a vida inteira em Taipei. A série A Taiwanese Tale of Two Cities (Um Conto Taiwanês de Duas Cidades, 2018) balanceia os idiomas e experiências culturais dos dois países, criando uma experiência prazerosa para quem deseja visitar ambos destinos turísticos. Essa produção taiwanesa foi um dos achados na Netflix . A mulher que nunca saiu do país, abraça as raízes da medicina chinesa e por causa do seu histórico de saúde frágil abriu mão de muitas coisas fora de sua zona de conforto, Lee Nien-Nien (Tammy Chen) que coincidentemente sonhava em conhecer San Francisco, acaba conhecendo a taiwanesa-americana Josephine Huang (Peggy Tseng), que embora tivesse curiosidades sobre sua origem, passou praticamente a vida toda nos Estados Unidos

Dançurbana apresenta Singulares neste sábado

Neste sábado, 06 de outubro de 2012, às 16h30, a Cia. Dançurbana fará a última apresentação aberta de "Singulares" na Arena de Shows, próximo ao lago, do Parque das Nações Indígenas, em Campo Grande (MS). Para quem ainda não assistiu a apresentação, fica a recomendação.

O grupo de dança fez uma prévia do espetáculo "Singulares" na Orla Morena, no dia 23 de setembro, e a apresentação atraiu interessados em Dança de Rua, participantes da academia Cia. Dançurbana, além de curiosos que passavam pelo local.


No dia da prévia de Singulares aproveitei a oportunidade para fotografar. Toda a concentração e tentativas de obter boas imagens impossibilitaram que eu pudesse acompanhar o espetáculo com total atenção, mas foi o suficiente para que eu sentisse vontade de assistir novamente a apresentação, mas desta vez na íntegra.

Foi no dia 29 de setembro de 2012 que pude assistir com mais atenção Singulares e conferir todo o resultado final dos ensaios, dedicação, paixão e esforços de cada um dos intérpretes. Talvez mais do que a questão particular de cada um dos intérpretes, ou seja, suas singularides, uma das palavras que me vieram à cabeça na hora em que assistia a apresentação foi "companheirismo". Penso eu que nada daquilo seria possível sem o trabalho em grupo realizado. Todas as horas de ensaio teriam sido jogadas fora se todas as características individuais não conseguissem formar algo maior, melhor e mais belo como foi possível observar no espetáculo.

Comemorando os dez anos da Cia. Dançurbana, através do espetáculo foi possível perceber o por quê do nome escolhido ser "Singulares" e do reforço da adaptação da frase do poeta Tom Jobim: "é impossível ser (feliz) sozinho", já que mesmo diferentes e únicos, quando eles estão juntos e dançando se tornam um só.

Confira abaixo o teaser de Singulares:



Para mais fotos da prévia de singulares, acesse: http://www.flickr.com/photos/benoliveira/sets/72157631609181519/

Comentários

  1. Cara, eu queria tanto ter ido assistir :( Fiquei sabendo que foi o máximo, e tenho certeza que foi.
    http://simplismentemenina.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana