Pular para o conteúdo principal

Destaques

Resenha: Algum Dia — David Levithan

Pode o corpo alterar nossa percepção sobre a vida e o amor? E o que acontece quando todo dia mudamos de corpo e ainda assim tentamos manter um relacionamento? Em Algum Dia, do David Levithan, o leitor é levado a conhecer o desfecho da trilogia que encantou pessoas do mundo todo. No Brasil, a obra foi publicada pela Editora Galera Record, em 2020.

Compre o livro Algum Dia (David Levithan): https://amzn.to/3ifWxuE
Algum Dia foi um dos livros mais esperados por muitos leitores, entre eles: eu. Fui com muita expectativa na leitura. Não é que não tenha gostado do romance, mas senti falta de mais envolvimento entre os dois personagens principais. David Levithan nos deixa instigado por mais momentos entre Rhiannon e A, mas a narrativa acaba dando mais destaque para a condição do personagem sem corpo fixo.
"Agora eu sei: o amor não é tão simples. O amor nunca é sobre você dizer a si mesmo que deve fazer alguma coisa e então fazer. Nunca é sobre alguém te dizer que você deve fazer e por isso…

Dançurbana apresenta Singulares neste sábado

Neste sábado, 06 de outubro de 2012, às 16h30, a Cia. Dançurbana fará a última apresentação aberta de "Singulares" na Arena de Shows, próximo ao lago, do Parque das Nações Indígenas, em Campo Grande (MS). Para quem ainda não assistiu a apresentação, fica a recomendação.

O grupo de dança fez uma prévia do espetáculo "Singulares" na Orla Morena, no dia 23 de setembro, e a apresentação atraiu interessados em Dança de Rua, participantes da academia Cia. Dançurbana, além de curiosos que passavam pelo local.


No dia da prévia de Singulares aproveitei a oportunidade para fotografar. Toda a concentração e tentativas de obter boas imagens impossibilitaram que eu pudesse acompanhar o espetáculo com total atenção, mas foi o suficiente para que eu sentisse vontade de assistir novamente a apresentação, mas desta vez na íntegra.

Foi no dia 29 de setembro de 2012 que pude assistir com mais atenção Singulares e conferir todo o resultado final dos ensaios, dedicação, paixão e esforços de cada um dos intérpretes. Talvez mais do que a questão particular de cada um dos intérpretes, ou seja, suas singularides, uma das palavras que me vieram à cabeça na hora em que assistia a apresentação foi "companheirismo". Penso eu que nada daquilo seria possível sem o trabalho em grupo realizado. Todas as horas de ensaio teriam sido jogadas fora se todas as características individuais não conseguissem formar algo maior, melhor e mais belo como foi possível observar no espetáculo.

Comemorando os dez anos da Cia. Dançurbana, através do espetáculo foi possível perceber o por quê do nome escolhido ser "Singulares" e do reforço da adaptação da frase do poeta Tom Jobim: "é impossível ser (feliz) sozinho", já que mesmo diferentes e únicos, quando eles estão juntos e dançando se tornam um só.

Confira abaixo o teaser de Singulares:



Para mais fotos da prévia de singulares, acesse: http://www.flickr.com/photos/benoliveira/sets/72157631609181519/

Comentários

  1. Cara, eu queria tanto ter ido assistir :( Fiquei sabendo que foi o máximo, e tenho certeza que foi.
    http://simplismentemenina.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana