Pular para o conteúdo principal

Destaques

Sobre rabiscos e telas brancas

A tela branca pode ser um convite à explosão criativa ou uma tortura ao artista que sente seu espírito definhando diante da pesada realidade. Em tempos de crise e ódio, a arte fica esquecida e é vista como desimportante; ironicamente, é quando mais precisamos dela, de algo que nos faça sentir vivo e toque as partes atordoadas.


O som dos dedos se movendo pelo teclado era como fantasmas de uma vida distante. É incrível perceber quantas vezes nós deixamos algumas partes nossas morrerem ao longo de nossas existências; as máscaras, antes tão confortáveis, agora incomodam e não nos servem mais. Leva tempo até ficarmos satisfeitos e ajustados à nova realidade. Viver é admitir que sabemos pouco sobre nós mesmos e há sempre algo novo que pode nos transformar, seja para o bem ou para o mal.

O artista encara a tinta respingando pela tela. Para o espectador sem intimidade, nada faz sentido, a desconexão de ideias é tormentosa; para ele, o lembrete de que sua arte nunca o abandonaria. Como poderia…

O Hitler dos Relacionamentos


Hoje acordei pensando no quanto somos avessos à diversidade do outro. Esquecemos que cada um de nós somos singulares e ao tentar idealizar o outro, nos comportamos como o Hitler dos Relacionamentos.

De maneira semelhante ao líder do nazismo, responsável pela ordem de extermínio de judeus, gays e prisioneiros de guerra, atitude tomada por ele por motivos como a contrariedade às diferentes raças e a idealização de uma raça pura, com certa frequência nós matamos qualquer possibilidade de surgir um relacionamento com alguém por conta de diferentes razões.

Talvez às vezes seja necessário ter alguns critérios para seleção de quem devemos nos relacionar ou não, caso contrário todas as pessoas ficariam com as outras e viveriamos em um mundo utópico no qual todos estão plenamente satisfeitos. O que na teoria parece ser algo ideal, na prática, além de inviável, a falta de seleção não leva em conta fatores complexos, como os biológicos, sociais, psicológicos e ideológicos.

Pior do que não ter critérios seletivos e se comportar como alguém desesperado pela necessidade de estar com alguém, em que você não se importa com o quanto a pessoa não te faz bem, não seja fiel e tenha demonstrado não gostar de você, mas possui uma vontade doentia de estar com ela a ponto de te tornar cego, surdo e mudo, estão aquelas pessoas que colocam tantos muros e obstáculos ao seu caminho que se torna desagradável até mesmo tentar manter um diálogo com a pessoa por conta da sua assepsia.

Durante todos esses anos uma série de encontros e desencontros me fez pensar em como às vezes me comporto como um exterminador de possíves relacionamentos, isto quando não é o outro que me manda para a câmara de gás antes de ter me conhecido além das impressões iniciais e superficiais. É engraçado como nos dias de hoje muitas pessoas sabem o seu nome, já te viram ou ouviram falar de você, e desta forma julgam te conhecer, quando, na verdade, não fazem a mínima ideia de como você realmente é.

Com tanta inteligência, Hitler era incapaz de entender o básico sobre relações humanas: a necessidade de diálogo e de quebra dos pré-conceitos. Até a sua morte, o homem foi inflexível, egocêntrico e radical. Apesar de muitas pessoas julgarem o ex-líder nazista por conta da dimensão de suas atrocidades, esquecemos que às vezes agimos metaforicamente como ele.

Chega a ser óbvio como você conhece uma pessoa e sabe qual é a data de expiração ou o quão longe o relacionamento vai chegar antes de qualquer chance de se tornar algo maior. Assim como os prisioneiros dos nazistas que eram obrigados a trabalhar e até mesmo tinham alguma esperança de que poderiam sobreviver, pois eram enganados sobre seu destino, muitas vezes, inconscientemente ou conscientemente, nós nos aproveitamos do outro como se fossem nossos prisioneiros e quando conseguimos aquilo o que queríamos, nos cansamos e só nos resta o seu extermínio.

Se colocar no lugar do outro é fundamental. Tão triste quanto olhar no espelho e ver que você se tornou alguém que não gosta ou odeia, é perceber que você se tornou o próprio Hitler dos Relacionamentos.

Comentários

  1. Muito bem colocado a metáfora. O texto é bem motivador e convidativo a observar e refletir sobre nosso próprio comportamento! Valeu por isso!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana