Pular para o conteúdo principal

Destaques

My ID Is Gangnam Beauty: Drama coreano sobre o mundo da autoimagem e dos relacionamentos

My ID Is Gangnam Beauty é um dorama coreano que leva o telespectador a refletir questões sobre autoimagem, procedimentos estéticos e autoestima. Quando uma garota decide fazer várias cirurgias plásticas no rosto, pois não suporta própria aparência, ela se dá conta de que do mesmo modo que era julgada pela estética, novos desafios vão surgir quando descobrem que seu rosto não é natural. O termo Gangnam Beauty faz referência às pessoas que vão até o bairro sul-coreano à procura de procedimentos cirúrgicos, porém, muitos usam a expressão de forma negativa, como se o fato delas buscarem alguma alteração estética, as tornassem parecidas ou artificiais. Lançada em 2018 , a série foi ganhadora de cinco prêmios por causa das atuações. Dirigido por Sung-Beom Choi , o drama sul-coreano foi baseado em uma webtoon homônima, criada por Gi Meng-gi – só uma, entre tantas histórias em quadrinhos digitais que fizeram sucesso e foram adaptadas para doramas. Ainda que a linguagem da série seja bem le

Entrevista com o sociólogo Renato Ortiz


Samira Feldman Marzochi entrevistou o sociólogo e antropólogo Renato Ortiz para a Comunidade Virtual de Antropologia. Entre os assuntos levantados na entrevista estão o começo da carreira em ciências sociais, mestres de referência, cultura, modernidade e mundialização.

Renato Ortiz. Foto: Jornal da Unicamp.
O sociólogo comentou durante a entrevista que o conceito de cultura de massas pode estar com os dias contados, pois o mesmo indicava a idéia de homogeneização. "Certamente existe hegemonia cultural, relações de poder, mas sabemos que hegemonia não é sinônimo de homogeneização. O mundo é assimétrico, desigual, injusto, mas heterogêneo", argumenta.

Renato Ortiz também explica porque utilizou o conceito de "mundialização" ao invés de "globalização". Segundo o sociólogo, a globalização indicava ideia de unicidade, porém para ele existe uma diversidade, distinção no seu interior.  "Para mim não existe, nem existirá uma cultura global, mas sim um processo de mundialização da cultura, que na sua amplitude planetária e na sua diversidade, articula-se ao movimento de globalização da técnica e da economia", acredita.

Confira a entrevista na íntegra: http://www.antropologia.com.br/entr/entr10.htm

Comentários

Mais lidas da semana