Pular para o conteúdo principal

Destaques

O Mundo de Lore: Livro sobre folclore sombrio será publicado pela DarkSide

Quando assisti à primeira temporada da série Lore na Amazon Prime Video, além de descobrir mais informações sobre o criador do podcastAaron Mahnke, também soube que as histórias, lendas e folclores seriam publicados em livros. O Mundo de Lore: Criaturas Monstruosas (The World of Lore: Monstrous Creatures) será publicado pela editora DarkSide Books em edição de capa dura.


A edição traduzida do primeiro livro de O Mundo de Lore será lançada no dia 27 de fevereiro de 2019. Espero que o livro faça sucesso por aqui e a editora publique as outras duas obras do Mundo de Lore: Wicked Mortals e Dreadful Places. O livro, de 256 páginas, traz ilustrações do designer e artista freelancer, M. S. Corley.

Para quem ficou interessado, O Mundo de Lore: Criaturas Monstruosas já está em pré-venda na Amazon: https://amzn.to/2UUqKCU

Ainda não assisti à 2ª temporada de Lore, mas tenho curiosidade. É o tipo de série que traz curiosidades e entretém ao mesmo tempo. Também acho legal a participação direta do…

Entrevista com o sociólogo Renato Ortiz


Samira Feldman Marzochi entrevistou o sociólogo e antropólogo Renato Ortiz para a Comunidade Virtual de Antropologia. Entre os assuntos levantados na entrevista estão o começo da carreira em ciências sociais, mestres de referência, cultura, modernidade e mundialização.

Renato Ortiz. Foto: Jornal da Unicamp.
O sociólogo comentou durante a entrevista que o conceito de cultura de massas pode estar com os dias contados, pois o mesmo indicava a idéia de homogeneização. "Certamente existe hegemonia cultural, relações de poder, mas sabemos que hegemonia não é sinônimo de homogeneização. O mundo é assimétrico, desigual, injusto, mas heterogêneo", argumenta.

Renato Ortiz também explica porque utilizou o conceito de "mundialização" ao invés de "globalização". Segundo o sociólogo, a globalização indicava ideia de unicidade, porém para ele existe uma diversidade, distinção no seu interior.  "Para mim não existe, nem existirá uma cultura global, mas sim um processo de mundialização da cultura, que na sua amplitude planetária e na sua diversidade, articula-se ao movimento de globalização da técnica e da economia", acredita.

Confira a entrevista na íntegra: http://www.antropologia.com.br/entr/entr10.htm

Comentários

Mais lidas da semana