Pular para o conteúdo principal

Destaques

O Sangue: Capítulo 8 disponível no Wattpad

Escrever uma série de livros pode ser desafiador, pois com a quantidade de histórias disponíveis para leitura seja no universo digital ou físico, não são todos leitores que se interessam em acompanhar. É gratificante quando vejo que algumas pessoas continuam encantadas pela jornada dos personagens dos meus livros de fantasia Os Bruxos de São Cipriano.


Leia minhas histórias no Wattpad: https://www.wattpad.com/user/benoliveira

Quando publiquei os primeiros capítulos de O Livro (Os Bruxos de São Cipriano #2), fiquei com receio de que muitos leitores já não estivessem mais usando o Wattpad. Como acontece com muitos aplicativos, a quantidade de pessoas que cria uma conta e usa durante um tempo e depois abandona é bem real. Pensando nisso, também disponibilizei os dois primeiros livros da série de fantasia na loja Kindle. Depois de conhecer o universo dos eBooks, algumas pessoas acabam comprando o leitor de livros digitais.

Mesmo com o valor salgado no Brasil, fico surpreso até mesmo quando …

Entrevista com o sociólogo Renato Ortiz


Samira Feldman Marzochi entrevistou o sociólogo e antropólogo Renato Ortiz para a Comunidade Virtual de Antropologia. Entre os assuntos levantados na entrevista estão o começo da carreira em ciências sociais, mestres de referência, cultura, modernidade e mundialização.

Renato Ortiz. Foto: Jornal da Unicamp.
O sociólogo comentou durante a entrevista que o conceito de cultura de massas pode estar com os dias contados, pois o mesmo indicava a idéia de homogeneização. "Certamente existe hegemonia cultural, relações de poder, mas sabemos que hegemonia não é sinônimo de homogeneização. O mundo é assimétrico, desigual, injusto, mas heterogêneo", argumenta.

Renato Ortiz também explica porque utilizou o conceito de "mundialização" ao invés de "globalização". Segundo o sociólogo, a globalização indicava ideia de unicidade, porém para ele existe uma diversidade, distinção no seu interior.  "Para mim não existe, nem existirá uma cultura global, mas sim um processo de mundialização da cultura, que na sua amplitude planetária e na sua diversidade, articula-se ao movimento de globalização da técnica e da economia", acredita.

Confira a entrevista na íntegra: http://www.antropologia.com.br/entr/entr10.htm

Comentários

Mais lidas da semana