Pular para o conteúdo principal

Destaques

Resenha: Bem-vindos à Livraria Hyunam-dong – Hwang Bo-reum

Com o sonho de abrir uma livraria e tocar outras pessoas em um espaço acolhedor e repleto de livros, Yeongju se aventura nesta jornada. Assim é a história do livro Bem-vindos à Livraria Hyunam-dong , escrito por Hwang Bo-reum , com tradução de Jae hyung Woo, publicado no Brasil pela editora Intrínseca , em 2023. Compre o livro Bem-vindos à Livraria Hyunam-dong:  https://amzn.to/3uKgswO O livro que se passa na Coreia do Sul conquistou leitores em diferentes partes do mundo e tem uma linguagem fácil de ler, sem floreios, tornando uma boa opção de leitura até mesmo para aqueles que não têm o hábito de ler. Porém, mesmo para os que gostam de literatura, há inúmeras referências nas entrelinhas sobre o mundo dos leitores, autores e livrarias. “É preciso tentar, então em vez de ficar me questionando se eu tinha talento ou não, só comecei a escrever. Eu queria sentir isso pelo menos uma vez na vida” – Hwang Bo-reum, Bem-vindos à Livraria Hyunam-dong A ideia da livraria surge como uma forma de

Entrevista com o sociólogo Renato Ortiz


Samira Feldman Marzochi entrevistou o sociólogo e antropólogo Renato Ortiz para a Comunidade Virtual de Antropologia. Entre os assuntos levantados na entrevista estão o começo da carreira em ciências sociais, mestres de referência, cultura, modernidade e mundialização.

Renato Ortiz. Foto: Jornal da Unicamp.
O sociólogo comentou durante a entrevista que o conceito de cultura de massas pode estar com os dias contados, pois o mesmo indicava a idéia de homogeneização. "Certamente existe hegemonia cultural, relações de poder, mas sabemos que hegemonia não é sinônimo de homogeneização. O mundo é assimétrico, desigual, injusto, mas heterogêneo", argumenta.

Renato Ortiz também explica porque utilizou o conceito de "mundialização" ao invés de "globalização". Segundo o sociólogo, a globalização indicava ideia de unicidade, porém para ele existe uma diversidade, distinção no seu interior.  "Para mim não existe, nem existirá uma cultura global, mas sim um processo de mundialização da cultura, que na sua amplitude planetária e na sua diversidade, articula-se ao movimento de globalização da técnica e da economia", acredita.

Confira a entrevista na íntegra: http://www.antropologia.com.br/entr/entr10.htm

Comentários

Mais lidas da semana