Pular para o conteúdo principal

Destaques

Revolutionary Love: Série coreana de drama explora o abismo que divide as classes sociais

Embora muitos dramas coreanos pequem na representatividade de diversidade racial e deem pouquíssimo espaço para estrangeiros e imigrantes, a série Revolutionary Love (2017) da tvN e no Brasil disponível temporariamente pela Netflix , acaba indo além dos elementos de comédia e romance, mostrando o drama das diferenças de classes sociais , os preconceitos e a possibilidade de imersão nesse mundo desconhecido pelo filho do dono de um dos maiores conglomerados de empresas da Coreia do Sul . A ingenuidade e a ignorância da realidade das classes trabalhadoras tornam o protagonista um tanto embaraçoso, lembrando de forma vaga a jornada de Buda quando conheceu a realidade fora do palácio e foi confrontado com a fome, a doença, a pobreza e a morte. Longe de ser uma série com alguma alegoria espiritual, mas do ponto de vista do comportamento é interessante acompanhar como Byun Hyuk (Choi Si-won) se torna mais empático e humanizado quando seu caminho cruza com o de Baek Joon (Kang So-ra) . E

Palestra de Jornalismo Rural com Edevaldo Nascimento


Texto: Ben Oliveira

O jornalista Edevaldo Nascimento da TV Morena ministrou uma palestra sobre Jornalismo Rural na manhã desta sexta-feira, 9 de novembro de 2012, durante o último dia do evento PropUP - Eleve suas ideias, no auditório da biblioteca da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), em Campo Grande (MS).

Desafios do Jornalismo Rural foram abordados por Edevaldo
Nascimento durante palestra na UCDB. Foto: Hygor Benevides.
Edevaldo Nascimento compartilhou algumas informações sobre o meio rural de Mato Grosso do Sul, como por exemplo, nos anos de 1980 e 1990, o estado chegou a ter 25 milhões de cabeças de bois e atualmente possui 20 milhões e 500 mil animais.

O jornalista também falou sobre as culturas de milho de MS, o milho verão que foi a principal safra do estado e perdeu espaço para a soja, por conta da produtividade, e o milho safrinha. "O estado teve uma queda de produção de soja por conta da estiagem no sul do Mato Grosso do Sul e este ano, a produção do milho ultrapassou a de soja", acrescenta.

Segundo Edevaldo Nascimento, o jornalismo rural é vasto e possui divisões internas e especializadas. O palestrante explicou que esta especialização do jornalista é necessária, pois o produtor de hoje está cada vez mais antenado e querendo mostrar os seus produtos para obterem algum retorno.

Mais do que contar histórias, função do jornalista, para Edevaldo Nascimento, o profissional precisa saber ouvir, entender, estudar e conhecer o público-alvo, pesquisando, por exemplo, o que o produtor quer, o que é importante para ele e entender a sazonalidade do mercado. Segundo o palestrante, no jornalismo rural o produtor é visto como o herói da história. "É ele quem acorda cedo para plantar, colher, comercializar e renovar o clico da vida no campo", justifica.

Ainda de acordo com Edevaldo Nascimento, o jornalista precisa estar preparado para fazer qualquer tipo de reportagem.  "Se você não ler, você não vai saber escrever. E não é só escrever para o seu público, mas saber escrever para um todo", alerta. Se o jornalista não entende o que o entrevistado está dizendo, não tem como ele transmitir as informações. Apesar de cada jornalista ter o seu estilo próprio, o profissional deve saber adequar de acordo com o produto em que está escrevendo e entender a linguagem do campo, no caso do jornalismo rural.

"O agronegócio é importante para a economia mundial, para a nossa economia... O mundo precisa de alimento, energia, combustível, vestiário, habitação... o Agronegócio está diretamente ligado as nossas necessidades diárias", o jornalista explicou.

Engana-se quem acha que produção e produtividade significam a mesma coisa. Edevaldo Nascimento argumentou que o conceito de produção está relacionado ao que rendeu no total de uma propriedade, município, estado ou país, e o de produtividade voltado ao rendimento por hectare.

Organizado pelo curso de Publicidade e Propaganda da UCDB e pela Agência Experimental Mais Comunicação, durante os três dias de eventos fizeram parte da programação palestras e oficinas sobre diferentes temas relacionados à comunicação, jornalismo, publicidade e marketing.

Comentários

Mais lidas da semana