Pular para o conteúdo principal

Destaques

Espectro Autista: Diagnóstico de Adultos com Síndrome de Asperger

Levando em conta que há pouca informação sobre o assunto no YouTube, decidi gravar um vídeo com algumas questões relacionadas ao diagnóstico de adultos com Síndrome de Asperger (espectro autista) no Brasil.


Assista ao vídeo Espectro Autista: Diagnóstico de Adultos com Síndrome de Asperger:


Para quem não gosta de assistir vídeos e prefere conteúdo escrito, eu vou abordar abaixo um pouco do que foi discutido no vídeo.

Adultos no espectro autista de vários países têm dificuldades com o acesso aos serviços. Quando falamos de autismo, ainda há uma visão muito centrada nas crianças; aos poucos, estão dando mais destaque para os adolescentes, mas quando se tratam de adultos, ainda não se discute tanto o assunto e existem vários problemas que são abafados.

Ter um diagnóstico de autismo/Síndrome de Asperger na vida adulta ainda é considerado um privilégio em vários países, especialmente no Brasil. Isso acontece por uma série de motivos, entre eles a falta de profissionais capacitados e a distri…

Artigo aborda a necessidade de investimento na educação

O Informativo do Tribunal de Contas do Estado de Mato Grosso do Sul, a publicação impressa Tribunal em Pauta divulgou na edição de setembro de 2012 um artigo sobre Controle Social da Educação, assinado pelo professor da UFPE, Mozart Neves Ramos.

Mozart Neves Ramos também é membro do Conselho de Governança do Todos Pela Educação e do Conselho Nacional de Educação. No artigo, o professor explica a necessidade de se investir mais na educação pública do Brasil e fala sobre uma nova lei que regulamenta o novo Plano Nacional de Educação que deve elevar o investimento no setor a 10% do PIB (Produto Interno Bruto), cerca de R$ 150 bilhões a mais do que hoje é investido na educação pública.

O articulista comenta que segundo números apresentados pelo Ministério da Educação (MEC), um aluno da educação básica custa ao país, por ano, cerca de R$ 3.500. Mozart argumenta que este número é menos do que o investido em países, como México, Chile e da União Européia. "Por isso, é justa a luta por mais recursos na educação básica", justifica Mozart Neves Ramos.

Ainda para Mozart, mesmo que alguns lugares recebam recursos insuficientes, é preciso garantir que os mesmos cheguem à escola sem serem desviados, prejudicando as salas de aula, alunos pela falta de materiais e merenda e o transporte escolar.

O professor elogiou o trabalho dos Tribunais de Conta de Mato Grosso do Sul e de Pernambuco e ressaltou que  esses esforços garantem um salto de qualidade da educação. "É bom lembrar que investir corretamente o dinheiro público não é mérito, é dever. Merito é investir com eficiência, eficácia e efetividade", conclui.

Comentários

Mais lidas da semana