Pular para o conteúdo principal

Destaques

Autismo: Entre fofocas e intrigas

Aviso aos bonitos e bonitas que sempre jogam meu nome e dos colegas nos grupos de Facebook e WhatsApp: alguém de vocês sempre solta algo e de um jeito ou de outro, chega até mim.


Minha dica é: quer falar mal? Fala à vontade. Se quiser, eu falo junto. Não tenho vergonha de fazer autocrítica, aliás, recomendo a todos.

Agora, se me difamar e/ou queimar minha reputação, o bicho pega.

Nesta página, não trabalho com indiretas. Só com diretas mesmo.

Já disse que nem todo autista é bonzinho, né? 😈

Dica para os anjinhos e neurotípicos: Arranjem hobbies e outros hiperfocos, ocupem a cabeça com outras coisas que não sejam só esse mundinho de intrigas do autismo.

Um grande filósofo pós-moderno, Benstein Oliveira disse que a fofoca viaja à velocidade da luz e que ela vem de todos cantos e cores do autismo. Nem WhatsApp eu uso, mas as conversas de lá sempre chegam aqui. Por que será, gente?

Formado em Harvard na arte das fofocas chegarem até mim. Parece que sou ímã para embuste.


Para os trolls que…

Resenha A Carícia Essencial - Roberto Shinyashiki


Texto: Ben Oliveira

Mais do que mudar um instante, um abraço pode mudar uma vida. Escrito pelo psiquiatra brasileiro Roberto Shinyashiki,  A Carícia Essencial - Uma Psicologia do Afeto é um livro que aborda a importância dos estímulos para o desenvolvimento do ser humano.

"Só sabemos fazer o que foi feito conosco", o psiquiatra José Ângelo Gaiarsa comenta no prefácio do livro sobre a maneira que tratamos os outros ser um reflexo de como fomos tratados. Para o psiquiatra, não há como escapar deste sistema e ou as pessoas melhoram, ou o mundo pode acabar.

Segundo Shinyashiki, a carícia não é só o toque, mas um estímulo, uma unidade de reconhecimento humano. O autor argumenta que apesar do toque físico ser considerada a carícia mais potente, ela se transforma com os passar dos anos. "Começa no nascimento com o toque físico. Depois passa para palavras, olhares, gestos e aceitação", explica o psiquiatra.

Shinyashiki ensina que os seres humanos privados de toques na infância podem apresentar um quadro de retardo mental, tornando-se fechados no próprio mundo e até mesmo tornarem-se psicóticos. "Nenhuma criança (ou adulto) aguenta a indiferença dos pais! Um beijo é melhor que um tapa. Mas, um tapa é melhor do que a indiferença", justifica o psiquiatra.

Através do livro é possível entender melhor sobre o comportamento humano e entender determinadas situações, como a de pessoas que tentam chamar a atenção tanto de forma positiva quanto negativa. Os indivíduos tentam ser os melhores ou piores em diversas áreas, tudo isto para obter a atenção necessária de seus pais e outras pessoas. Entre as formas de obter atenção pela manipulação estão a culpa, ameaça, suborno e indiferença.

Ainda de acordo com o autor, é por isto que alguns adultos se comportam como crianças. Eles trazem na memória e tentam reproduzir o que acontecia quando eram mais novos e obtinham algum reconhecimento.

Você tem fome de que? As carícias, toques e palavras são alimentos para o bem-estar das pessoas. E nos dias atuais, as pessoas valorizam cada vez mais suas necessidades por trabalho, dinheiro e objetos de consumo, e esqueceram-se de elementos fundamentais: relacionamentos e sentimentos.

Aliás, o psiquiatra Roberto Shinyashiki chama a atenção para a maneira que transformaram o amor em objeto de troca. Todas essas crenças trazidas da infância afetam a maneira que o adulto se relaciona, cometendo sempre os mesmos erros e acertos.

"As pessoas tendem a manter um padrão de carícias, dando e pedindo determinados tipos de carícias, de determinadas maneiras", este trecho escrito por Shiyashiki define a tendência do que as pessoas esperam dos outros. O autor ainda critica o comodismo e o medo de arriscar e a necessidade do outro pedir por mudanças e novas carícias, dando como exemplo um casamento em que todo ano o marido dá o mesmo presente, caindo no óbvio e perdendo a potência da sua atitude. Ao dar uma carícia inesperada, o indivíduo pode obter uma reação diferente.

O psiquiatra reforça a necessidade de ter humildade e consciência para se transformar. Roberto Shinyashiki explica que muitas das mensagens repetitivas recebidas quando criança são internalizadas moldando e limitando a personalidade da pessoa. Estas experiências nos fazem também a transformar as carícias negativas em positivas e vice-versa.

Família, trabalho, amigos e parceiros estão entre os grupos em que as pessoas buscam carícias. O autor ressalta a importância de se buscar em vários grupos, ao invés de se focar somente em, como muitas pessoas fazem em relação ao trabalho, pois quando houver algum problema neste círculo social, a pessoa pode sofrer com o desequilíbrio de carícia. Evitar as carícias negativas e se cercar de pessoas positivas também é recomendado pelo psiquiatra.

O autor faz uma analogia entre fome e a necessidade de carícia. Segundo Shinyashiki existem quatro estágios: a fome natural, o desespero por comida, a indiferença ao se acostumar e a rejeição. Essa privação faz com que o indivíduo seja insaciável de carência (a pessoa sempre quer mais), indiferente ou intocável.

Considerei a leitura do livro importante para o meu auto-conhecimento e também para aprender mais sobre as pessoas com quem convivi e convivo diariamente, como familiares, amigos, colegas e parceiros, portanto a recomendo aos interessados.

Finalizo o texto com um trecho do livro A Carícia Essencial - Uma Psicologia do Afeto que acredito ser importante: "Cada pessoa tem um certo tipo de necessidade e cada um tem seu próprio quadro de referências que é a sua maneira de ver o mundo. Estar atento a isso é valioso no contato com as pessoas, é o verdadeiro conhecimento do outro ser humano".

Comentários

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana