Pular para o conteúdo principal

Destaques

Para Toda a Eternidade: Livro explora rituais funerários diversos

Entre a naturalidade e o espanto, o tradicional e o moderno, o ocidental e o oriental, Caitlin Doughty transmite ao leitor histórias de suas visitas a espaços e profissionais envolvidos com o universo mortuário. Uma das obras pedidas por quem já tinha lido Confissões do Crematório, o novo livro foi publicado no Brasil pela editora DarkSide Books, em junho de 2019, com tradução de Regiane Winarski e ilustrações de Landis Blair.


Compre o livro Para Toda a Eternidade (Caitlin Doughty): https://amzn.to/2R2FwqN

“Eu passei a acreditar que os méritos de um costume relacionados à morte não são baseados em matemática [...] mas em emoções, numa crença na nobreza única da própria cultura da pessoa. Isso quer dizer que consideramos os rituais de morte selvagens apenas quando eles não são como os nossos” – Caitlin Doughty, Para Toda a Eternidade
Dá para ler tranquilamente Para Toda a Eternidade sem ter lido Confissões do Crematório, mas acredito que as duas leituras são complementares. Enquanto na p…

Resenha O Mapa do Tempo - Félix J Palma


Texto: Ben Oliveira

O Mapa do Tempo é o nome do livro escrito por Félix J. Palma, ganhador como Melhor Romance do Prêmio Ateneo de Sevilla em 2008 e publicado pela Editora Intrínseca em 2010. De maneira bem estruturada e contextualizada, o autor aborda as viagens temporais, tanto para o passado quanto para o futuro, e deixa o leitor tão intrigado quanto os seus personagens.

Félix J. Palma demonstra o domínio de diferentes escritores e de suas obras literárias por meio de suas referências e ao tornar um dos seus protagonistas o escritor britânico Herbert George Wells, conhecido como H.G. Wells, autor de romances científicos como A Máquina do Tempo, O Homem Invisível e A Guerra dos Mundos, livros citados pelo narrador.

A boa ficção é aquela que faz o leitor não só entrar dentro da história, como também questionar sua veracidade. O autor utiliza-se da metalinguagem, na qual dentro de uma história são contadas outras, como se o narrador tivesse contando um livro dentro de outro e os diferentes núcleos narrativos se encontram e convergem em determinados momentos da história.

Ao longa da narração é possível aprender mais sobre o processo criativo dos escritores e como dito acima, por meio da metalinguagem, Félix J. Palma utilizou a literatura para falar sobre literatura de forma que não fugisse das histórias e entediasse o leitor. O jogo entre ilusão e realidade deixa o romance envolvente e prende quem está lendo para alimentar sua curiosidade.

Transportar no tempo é algo do futuro ou já existe? Félix mostra que por meio da história é possível viajar pelas malhas temporais por uma das principais máquinas do tempo já criadas, os livros. À medida que os personagens descobrem outras épocas, o leitor está acompanhando suas aventuras.

Dividido em três partes, o livro em um primeiro momento conta a história de um jovem rico que se apaixonou por uma prostituta, algo chocante para a época, sua relação com Jack, O Estripador, e a tentativa de voltar ao passado; na segunda parte o leitor é convidado a fazer uma viagem para o futuro (2000) por meio de uma empresa chamada Viagens Temporais, lembrando que a história se passa em 1895. Uma das personagens da história é Claire, uma jovem que não sente como se pertencesse à sua época e põe suas esperanças no futuro; na última parte, o leitor tenta distinguir o que é passado ou futuro, alucinação ou vivido e se a viagem do tempo realmente existe. Além de Wells, os escritores Bram Stoker (Drácula) e Henry James (As bostonianas e Os papéis de Aspern).

O Mapa do Tempo é uma viagem para Londres (Inglaterra) em diferentes períodos e personalidades marcantes, como Júlio Verne, O Homem Elefante, além dos citados no texto, e acontecimentos que se evitados poderiam mudar o destino do país e do mundo. A obra ressalta o poder da literatura na imaginação, fantasia e viagem temporal.

Comentários

Mais lidas da semana