Pular para o conteúdo principal

Destaques

Sobre rabiscos e telas brancas

A tela branca pode ser um convite à explosão criativa ou uma tortura ao artista que sente seu espírito definhando diante da pesada realidade. Em tempos de crise e ódio, a arte fica esquecida e é vista como desimportante; ironicamente, é quando mais precisamos dela, de algo que nos faça sentir vivo e toque as partes atordoadas.


O som dos dedos se movendo pelo teclado era como fantasmas de uma vida distante. É incrível perceber quantas vezes nós deixamos algumas partes nossas morrerem ao longo de nossas existências; as máscaras, antes tão confortáveis, agora incomodam e não nos servem mais. Leva tempo até ficarmos satisfeitos e ajustados à nova realidade. Viver é admitir que sabemos pouco sobre nós mesmos e há sempre algo novo que pode nos transformar, seja para o bem ou para o mal.

O artista encara a tinta respingando pela tela. Para o espectador sem intimidade, nada faz sentido, a desconexão de ideias é tormentosa; para ele, o lembrete de que sua arte nunca o abandonaria. Como poderia…

Resenha O Mapa do Tempo - Félix J Palma


Texto: Ben Oliveira

O Mapa do Tempo é o nome do livro escrito por Félix J. Palma, ganhador como Melhor Romance do Prêmio Ateneo de Sevilla em 2008 e publicado pela Editora Intrínseca em 2010. De maneira bem estruturada e contextualizada, o autor aborda as viagens temporais, tanto para o passado quanto para o futuro, e deixa o leitor tão intrigado quanto os seus personagens.

Félix J. Palma demonstra o domínio de diferentes escritores e de suas obras literárias por meio de suas referências e ao tornar um dos seus protagonistas o escritor britânico Herbert George Wells, conhecido como H.G. Wells, autor de romances científicos como A Máquina do Tempo, O Homem Invisível e A Guerra dos Mundos, livros citados pelo narrador.

A boa ficção é aquela que faz o leitor não só entrar dentro da história, como também questionar sua veracidade. O autor utiliza-se da metalinguagem, na qual dentro de uma história são contadas outras, como se o narrador tivesse contando um livro dentro de outro e os diferentes núcleos narrativos se encontram e convergem em determinados momentos da história.

Ao longa da narração é possível aprender mais sobre o processo criativo dos escritores e como dito acima, por meio da metalinguagem, Félix J. Palma utilizou a literatura para falar sobre literatura de forma que não fugisse das histórias e entediasse o leitor. O jogo entre ilusão e realidade deixa o romance envolvente e prende quem está lendo para alimentar sua curiosidade.

Transportar no tempo é algo do futuro ou já existe? Félix mostra que por meio da história é possível viajar pelas malhas temporais por uma das principais máquinas do tempo já criadas, os livros. À medida que os personagens descobrem outras épocas, o leitor está acompanhando suas aventuras.

Dividido em três partes, o livro em um primeiro momento conta a história de um jovem rico que se apaixonou por uma prostituta, algo chocante para a época, sua relação com Jack, O Estripador, e a tentativa de voltar ao passado; na segunda parte o leitor é convidado a fazer uma viagem para o futuro (2000) por meio de uma empresa chamada Viagens Temporais, lembrando que a história se passa em 1895. Uma das personagens da história é Claire, uma jovem que não sente como se pertencesse à sua época e põe suas esperanças no futuro; na última parte, o leitor tenta distinguir o que é passado ou futuro, alucinação ou vivido e se a viagem do tempo realmente existe. Além de Wells, os escritores Bram Stoker (Drácula) e Henry James (As bostonianas e Os papéis de Aspern).

O Mapa do Tempo é uma viagem para Londres (Inglaterra) em diferentes períodos e personalidades marcantes, como Júlio Verne, O Homem Elefante, além dos citados no texto, e acontecimentos que se evitados poderiam mudar o destino do país e do mundo. A obra ressalta o poder da literatura na imaginação, fantasia e viagem temporal.

Comentários

Mais lidas da semana