Pular para o conteúdo principal

Destaques

Resenha: Ed e Lorraine Warren: Vidas Eternas – Robert Curran e Jack & Janet Smurl

Entre o ceticismo e a curiosidade, as histórias de Ed e Lorraine Warren conquistaram pessoas de vários países graças às adaptações para filmes de terror inspiradas em casos investigados pelo casal de investigadores paranormais. Levando em conta o interesse dos leitores, a editora DarkSide Books publicou o livro Ed e Lorraine Warren:Vidas Eternas, escrito por Robert Curran que conta a experiência vivida por Jack e Janet Smurl. A obra foi lançada em 2019, com tradução de Eduardo Alves.


Compre o livro Vidas Eternas: https://amzn.to/2nwUw5A

Histórias como a da família Smurl, ainda que sejam questionáveis sobre o que teria realmente acontecido, quais partes foram aumentadas e/ou inventadas pela família, pelo escritor e/ou pelos próprios investigadores paranormais, deixam um gosto de nostalgia e também nos fazem pensar no sucesso de adaptações com temáticas semelhantes para o cinema.

A humanidade sempre tenta explicar o que não consegue entender. Divididos entre ficar em negação e se acostum…

O Teatro dos Relacionamentos


Texto: Ben Oliveira

Foi numa madrugada de insônia onde as palavras e pensamentos se agitaram tanto dentro do seu estômago que a única reação esperada era uma só: decidiu vomitar um texto e com ele, suas mágoas. Trancado dentro do seu quarto e irritado com os barulhos externos, ele não conseguia parar de pensar no Teatro dos Relacionamentos.

Apreciava a arte teatral, como um daqueles espectadores que sentam na cadeira e não conseguem tirar os olhos do espetáculo por sequer um minuto. Com a mão apoiada no queixo, o rapaz fazia diferentes análises sobre os personagens, o enredo, a trilha sonora e todos os outros elementos que davam vida para aquela história. Não tinha a menor aptidão para atuar. Ele gostava mesmo era de assistir.

O que ele se sentia em relação ao teatro também era aplicado em sua vida pessoal. Nunca tentou muito agradar os outros, vestindo alguma máscara que não te pertencia. Talvez alguma vez em um passado tão distante que ele já esqueceu, mas preferia lidar com a solidão a precisar ter que atuar. Não tinha vocação para fantoche. O único momento em que deixou se levar pelas manipulações como um boneco, perdeu o resto de esperança, amor próprio e vontade de viver que carregava dentro de si.

Talvez por não precisar ser alguém que ele não era, este era o preço que carregaria até o fim de sua existência, ter um número limitado de pessoas ao seu redor. Ele sempre foi contra a quantidade, preferindo amizades sinceras, a aquelas onde é interesse é expressamente nítido. Então, deitado na cama e vítima daquela invasão sonora, as palavras reagiram como anticorpos, tentando expulsar aqueles elementos estranhos do seu organismo.

As pessoas tem uma necessidade quase doentia de se comparar umas as outras. Com ele não era diferente. Visto como frágil, antissocial, solitário, o jovem não passava de uma sombra em dia nublado. Não importava o que os outros pensavam, ele buscava ser feliz com o pouco que tinha.

Era impossível não pensar nas pessoas que aparentavam ter muitos amigos, quando, na verdade, não passavam de meros colegas. A ilusão da popularidade. Pensava-se que quanto mais pessoas alguém conhecia, mais feliz esta pessoa seria. Puro engano. O objeto de sua constante comparação não passava de alguém desesperado por atenção e afeto, incapaz de enxergar a mentira que vivia. Neste momento você descobre que por trás de tanta simpatia e facilidade de fazer novos amigos esconde-se a insegurança e o medo de ficar sozinho.

Parado em frente ao espelho, ele observava os seus olhos irritados e vermelhos, o cabelo despenteado e o rosto apático. Cansado, o jovem deixou os devaneios para os sonhos e finalmente conseguiu adormecer. Era feliz com sua aparente infelicidade. Ele não precisava receber os créditos pelo seu personagem, gostava de ser como era, um brinquedo torto. Deixou o teatro para aquelas que precisavam alimentar os seus egos. O escuro e o silêncio que muitos temiam, para ele, era o paraíso.

Comentários

  1. Diria o sábio poeta: "A pior solidão é aquela a qual você está rodeado de pessoas".

    Carência, conveniência e ostentação de modos faz com que muitos se submetam a colocar e recolocar suas máscaras e vivenciar o irreal ou superficial, e o pior disso acreditar que o fantasioso prevaleça e torne-se duradouro.

    Ben Hur envista mais e mais nesse jogo de ambiguidade, você sabe fazer!!!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana