Pular para o conteúdo principal

Destaques

Happy Old Year: Filme explora a linha tênue entre o desapego e a nostalgia

O filme tailandês Happy Old Year , de 2019, nos faz pensar sobre as relações que construímos com as coisas que guardamos ao longo da vida. Com direção e roteiro de Nawapol Thamrongrattanarit, a obra está disponível na Netflix. Chutimon Chuengcharoensukying interpreta Jean, uma mulher que deseja fazer um escritório em sua casa, mas se dá conta de que há uma pilha de objetos inutilizados pela casa. Interessada e inspirada pelo minimalismo, se dependesse só dela, ela colocaria tudo em sacos de lixo e jogaria fora, o que ela descreve como buracos negros, porém, à medida que ela coloca o seu plano em ação, Jean percebe que não será tão fácil como imaginava. Com a resistência da família a mudar, Jean encara de frente sua missão, doa em quem doer. O que deveria ser fácil e prático para ela, cuja necessidade é vista até mesmo como egoísmo, acaba se desdobrando em várias situações, fases e etapas conforme ela mergulha nas histórias, memórias e emoções que estão vinculadas aos objetos, especialm

Resenha A Arte da Ficção - David Lodge


Texto: Ben Oliveira

A Arte da Ficção é um livro que reúne uma coletânea de artigos publicados por David Lodge, nas páginas literárias do Independent on Sunday e  Washington Post. Traduzido por Guilherme da Silva Braga e publicado no Brasil pela editora L&PM Pocket, em 2011.

The Art of Fiction, nome da coluna semanal transformada em livro homônimo, traz trechos de romances e contos, clássicos ou modernos, de autores ingleses e americanos, utilizados por Lodge para exemplificar características da narrativa de ficção.

O livro é bastante didático e cada capítulo aborda um elemento diferente das narrativas. Com sua experiência como professor e escritor, David Lodge consegue compartilhar o seu conhecimento sobre os romances e ensina o leitor novas possibilidades de leitura e interpretação, além de auxiliar quem pretende mergulhar no mundo da escrita.

Lodge aborda desde o começo até o final do texto narrativo, passando por diversos gêneros, técnicas, efeitos e elementos, como o efeito de breaking frame (quebra de cena), suspense,  pontos de vista, paralelismo, mistério, nomes, fluxo de consciência, estranhamento, monólogo interior, ambientação, personagens, surpresa e manipulação temporal.

O autor também caracteriza e contextualiza alguns romances, como o romance cômico, romance experimental, romance epistolar, narrativa superficial,  realismo mágico, romance histórico, romance surrealista e romance de não ficção.

Entre os escritores citados no livro e suas obras estão: Henry James, Jane Austen, Charles Dickens, T. S. Eliot, Graham Greene, James Joyce, Vladimir Nabokov, George Orwell, Tom Wolfe e J. D. Salinger.

Mesmo que por meio de alguns trechos e passagens, é impossível não viajar em muitas histórias lendo este livro. Melhor do que entrar em diferentes universos, através dos artigos de Lodge, o leitor consegue captar o sentido das palavras e as intenções dos escritores.

Depois de elucidar múltiplas questões sobre a escrita, estilo e compreensão, David Lodge finaliza o livro explicando que é importante não tomar as decisões isoladas sobre aspectos e componentes do romance, pois elas podem se afetar entre si.

Comentários

Mais lidas da semana