Pular para o conteúdo principal

Destaques

Nobody Speak: Documentário questiona frágil liberdade de imprensa contra interesses de bilionários

Nobody Speak: Trials of the Free Press é um documentário um tanto polêmico e controverso sobre a liberdade de imprensa, liberdade de expressão e como pessoas poderosas e ricas podem silenciar veículos de comunicação . O filme documental foi lançado em 2017, com direção do cinegrafista norte-americano Brian Knappenberger , com produção da First Look Media e distribuição pela Netflix . Dois casos bem diferentes são discutidos no documentário Nobody Speak . Enquanto no caso da Gawker, os profissionais envolvidos tentam vender a ideia de que publicar um vídeo íntimo de uma personalidade norte-americana se tratava de um tema de interesse público, eu acredito que o vazamento dos vídeos sexuais do famoso só reforçam a importância de traçar melhor a questão ética no jornalismo online, tão focado nos cliques instantâneos que se esquecem que por trás de cada notícia existem seres humanos, independente do nível de fama. Para não estragar a surpresa e os detalhes, não vou comentar muito sobre os

Resenha A Arte da Ficção - David Lodge


Texto: Ben Oliveira

A Arte da Ficção é um livro que reúne uma coletânea de artigos publicados por David Lodge, nas páginas literárias do Independent on Sunday e  Washington Post. Traduzido por Guilherme da Silva Braga e publicado no Brasil pela editora L&PM Pocket, em 2011.

The Art of Fiction, nome da coluna semanal transformada em livro homônimo, traz trechos de romances e contos, clássicos ou modernos, de autores ingleses e americanos, utilizados por Lodge para exemplificar características da narrativa de ficção.

O livro é bastante didático e cada capítulo aborda um elemento diferente das narrativas. Com sua experiência como professor e escritor, David Lodge consegue compartilhar o seu conhecimento sobre os romances e ensina o leitor novas possibilidades de leitura e interpretação, além de auxiliar quem pretende mergulhar no mundo da escrita.

Lodge aborda desde o começo até o final do texto narrativo, passando por diversos gêneros, técnicas, efeitos e elementos, como o efeito de breaking frame (quebra de cena), suspense,  pontos de vista, paralelismo, mistério, nomes, fluxo de consciência, estranhamento, monólogo interior, ambientação, personagens, surpresa e manipulação temporal.

O autor também caracteriza e contextualiza alguns romances, como o romance cômico, romance experimental, romance epistolar, narrativa superficial,  realismo mágico, romance histórico, romance surrealista e romance de não ficção.

Entre os escritores citados no livro e suas obras estão: Henry James, Jane Austen, Charles Dickens, T. S. Eliot, Graham Greene, James Joyce, Vladimir Nabokov, George Orwell, Tom Wolfe e J. D. Salinger.

Mesmo que por meio de alguns trechos e passagens, é impossível não viajar em muitas histórias lendo este livro. Melhor do que entrar em diferentes universos, através dos artigos de Lodge, o leitor consegue captar o sentido das palavras e as intenções dos escritores.

Depois de elucidar múltiplas questões sobre a escrita, estilo e compreensão, David Lodge finaliza o livro explicando que é importante não tomar as decisões isoladas sobre aspectos e componentes do romance, pois elas podem se afetar entre si.

Comentários

Mais lidas da semana