Pular para o conteúdo principal

Destaques

Sobre rabiscos e telas brancas

A tela branca pode ser um convite à explosão criativa ou uma tortura ao artista que sente seu espírito definhando diante da pesada realidade. Em tempos de crise e ódio, a arte fica esquecida e é vista como desimportante; ironicamente, é quando mais precisamos dela, de algo que nos faça sentir vivo e toque as partes atordoadas.


O som dos dedos se movendo pelo teclado era como fantasmas de uma vida distante. É incrível perceber quantas vezes nós deixamos algumas partes nossas morrerem ao longo de nossas existências; as máscaras, antes tão confortáveis, agora incomodam e não nos servem mais. Leva tempo até ficarmos satisfeitos e ajustados à nova realidade. Viver é admitir que sabemos pouco sobre nós mesmos e há sempre algo novo que pode nos transformar, seja para o bem ou para o mal.

O artista encara a tinta respingando pela tela. Para o espectador sem intimidade, nada faz sentido, a desconexão de ideias é tormentosa; para ele, o lembrete de que sua arte nunca o abandonaria. Como poderia…

Resenha A Arte da Ficção - David Lodge


Texto: Ben Oliveira

A Arte da Ficção é um livro que reúne uma coletânea de artigos publicados por David Lodge, nas páginas literárias do Independent on Sunday e  Washington Post. Traduzido por Guilherme da Silva Braga e publicado no Brasil pela editora L&PM Pocket, em 2011.

The Art of Fiction, nome da coluna semanal transformada em livro homônimo, traz trechos de romances e contos, clássicos ou modernos, de autores ingleses e americanos, utilizados por Lodge para exemplificar características da narrativa de ficção.

O livro é bastante didático e cada capítulo aborda um elemento diferente das narrativas. Com sua experiência como professor e escritor, David Lodge consegue compartilhar o seu conhecimento sobre os romances e ensina o leitor novas possibilidades de leitura e interpretação, além de auxiliar quem pretende mergulhar no mundo da escrita.

Lodge aborda desde o começo até o final do texto narrativo, passando por diversos gêneros, técnicas, efeitos e elementos, como o efeito de breaking frame (quebra de cena), suspense,  pontos de vista, paralelismo, mistério, nomes, fluxo de consciência, estranhamento, monólogo interior, ambientação, personagens, surpresa e manipulação temporal.

O autor também caracteriza e contextualiza alguns romances, como o romance cômico, romance experimental, romance epistolar, narrativa superficial,  realismo mágico, romance histórico, romance surrealista e romance de não ficção.

Entre os escritores citados no livro e suas obras estão: Henry James, Jane Austen, Charles Dickens, T. S. Eliot, Graham Greene, James Joyce, Vladimir Nabokov, George Orwell, Tom Wolfe e J. D. Salinger.

Mesmo que por meio de alguns trechos e passagens, é impossível não viajar em muitas histórias lendo este livro. Melhor do que entrar em diferentes universos, através dos artigos de Lodge, o leitor consegue captar o sentido das palavras e as intenções dos escritores.

Depois de elucidar múltiplas questões sobre a escrita, estilo e compreensão, David Lodge finaliza o livro explicando que é importante não tomar as decisões isoladas sobre aspectos e componentes do romance, pois elas podem se afetar entre si.

Comentários

Mais lidas da semana