Pular para o conteúdo principal

Destaques

Murder By The Coast: Documentário espanhol da Netflix sobre casos de jovens assassinadas traz dilemas éticos

Murder By The Coast (Homicídio na Costa do Sol/El caso Wanninkhof - Carabantes) é um ótimo documentário de crimes para quem deseja entender os impactos do julgamento antecipado pela imprensa sobre casos mal investigados, influenciando a opinião pública, quando só existem indícios, mas nenhuma prova. Lançado pela Netflix em 2021, o filme espanhol foi dirigido por Tània Balló e roteirizado por Gonzalo Berger . Em mais de 20 anos, muita coisa mudou no mundo. Mas há outras que ainda servem como ótimo exemplo de erros e acertos, especialmente no que diz respeito aos casos criminais, opiniões públicas, preconceitos e faltas de evidências. O documentário traz o caso da adolescente Rocío Wanninkhof que foi assassinada em 1999 e na ansiedade para encontrar um culpado, diante da falta de informações concretas, tudo toma um rumo que se fossem contar, poderiam jurar que se trata de um enredo de ficção. Os depoimentos de profissionais envolvidos ou que estudaram o caso só enriquecem o documentári

Resenha: A Fera - Alex Flinn


Escrito por Alex Flinn e publicado em 2011 no Brasil, pela Editora Galera Record, A Fera é uma releitura do conto de fadas clássico que inspirou diferentes versões ao longo dos tempos. A narrativa se passa nos dias atuais e conta a história de um menino enfeitiçado que se transformou em uma criatura de pelos e garras e o que ele precisa fazer para voltar ao normal.

Apesar de fantasiosa, o enredo consegue convencer o leitor de que esta seria uma história possível de acontecer – um dos elementos fundamentais de uma boa obra literária. Todavia, ao adaptar e reinventar a Bela e a Fera para o século XXI, a escritora exagerou ao utilizar o recurso de um bate-papo, para mostrar a reunião entre diferentes personagens enfeitiçados e transformados em outros seres, tornando o fato difícil de acreditar.

Para quem já leu, assistiu ou ouviu o conto da Bela e a Fera, a narrativa não deve surpreender. O que mais me agrada neste livro são a possível identificação entre os personagens, suas histórias e os leitores. Ao abordar amores impossíveis, as pessoas acabam torcendo para que os protagonistas fiquem juntos ao final, principalmente os adolescentes.

Kyle Kingson é um dos jovens mais populares do colégio. Filho do apresentador de um telejornal, desde pequeno ele foi ensinado sobre a importância da aparência. Após irritar uma bruxa, o rapaz é enfeitiçado e se transforma numa fera. Ele descobre que somente ao dar um beijo de amor poderá voltar ao normal.

O menino que sempre viveu em um mundo de plástico, se vê preso em uma situação e acredita que nunca conseguirá quebrar o feitiço. Desesperado, ele pede para a bruxa transformá-lo em humano novamente, mas ela comenta que não pode fazer nada.

Assim como na vida, quando, às vezes, confrontamos nossos próprios preconceitos e verdades, Kyle precisa ignorar o que sempre valorizou: as aparências físicas e identidades sociais. Após se transformar em uma fera, ele percebe que a sua vida toda foi baseada em mentiras e valores vazios.  Trancado em uma casa, Kyle convive com a empregada e um professor cego. O pai do rapaz que já não o dava muita atenção, paga os funcionários e as despesas e abandona o filho naquela mansão.

Ao longo do livro, o leitor acompanha o desenvolvimento do personagem, aprendendo a lidar com as diferenças e perceber a beleza, a amizade e o amor onde nunca esperava encontrar antigamente.

Em tempos onde as pessoas são valorizadas somente pelo que aparentam ser, A Fera traz uma boa reflexão. Kyle nunca imaginou que isto pudesse acontecer, mas se tivesse sido uma boa pessoa desde o começo, o rapaz não precisaria aprender.

A leitura é leve e flui. A obra está dividida em várias partes e capítulos. Um bom livro para quem gosta de comédias românticas e contos de fadas – o amor e a magia, ingredientes que parecem estar cada vez mais em falta na vida das pessoas.

Comentários

Mais lidas da semana