Pular para o conteúdo principal

Destaques

Para Toda a Eternidade: Livro explora rituais funerários diversos

Entre a naturalidade e o espanto, o tradicional e o moderno, o ocidental e o oriental, Caitlin Doughty transmite ao leitor histórias de suas visitas a espaços e profissionais envolvidos com o universo mortuário. Uma das obras pedidas por quem já tinha lido Confissões do Crematório, o novo livro foi publicado no Brasil pela editora DarkSide Books, em junho de 2019, com tradução de Regiane Winarski e ilustrações de Landis Blair.


Compre o livro Para Toda a Eternidade (Caitlin Doughty): https://amzn.to/2R2FwqN

“Eu passei a acreditar que os méritos de um costume relacionados à morte não são baseados em matemática [...] mas em emoções, numa crença na nobreza única da própria cultura da pessoa. Isso quer dizer que consideramos os rituais de morte selvagens apenas quando eles não são como os nossos” – Caitlin Doughty, Para Toda a Eternidade
Dá para ler tranquilamente Para Toda a Eternidade sem ter lido Confissões do Crematório, mas acredito que as duas leituras são complementares. Enquanto na p…

Resenha: A Fera - Alex Flinn


Escrito por Alex Flinn e publicado em 2011 no Brasil, pela Editora Galera Record, A Fera é uma releitura do conto de fadas clássico que inspirou diferentes versões ao longo dos tempos. A narrativa se passa nos dias atuais e conta a história de um menino enfeitiçado que se transformou em uma criatura de pelos e garras e o que ele precisa fazer para voltar ao normal.

Apesar de fantasiosa, o enredo consegue convencer o leitor de que esta seria uma história possível de acontecer – um dos elementos fundamentais de uma boa obra literária. Todavia, ao adaptar e reinventar a Bela e a Fera para o século XXI, a escritora exagerou ao utilizar o recurso de um bate-papo, para mostrar a reunião entre diferentes personagens enfeitiçados e transformados em outros seres, tornando o fato difícil de acreditar.

Para quem já leu, assistiu ou ouviu o conto da Bela e a Fera, a narrativa não deve surpreender. O que mais me agrada neste livro são a possível identificação entre os personagens, suas histórias e os leitores. Ao abordar amores impossíveis, as pessoas acabam torcendo para que os protagonistas fiquem juntos ao final, principalmente os adolescentes.

Kyle Kingson é um dos jovens mais populares do colégio. Filho do apresentador de um telejornal, desde pequeno ele foi ensinado sobre a importância da aparência. Após irritar uma bruxa, o rapaz é enfeitiçado e se transforma numa fera. Ele descobre que somente ao dar um beijo de amor poderá voltar ao normal.

O menino que sempre viveu em um mundo de plástico, se vê preso em uma situação e acredita que nunca conseguirá quebrar o feitiço. Desesperado, ele pede para a bruxa transformá-lo em humano novamente, mas ela comenta que não pode fazer nada.

Assim como na vida, quando, às vezes, confrontamos nossos próprios preconceitos e verdades, Kyle precisa ignorar o que sempre valorizou: as aparências físicas e identidades sociais. Após se transformar em uma fera, ele percebe que a sua vida toda foi baseada em mentiras e valores vazios.  Trancado em uma casa, Kyle convive com a empregada e um professor cego. O pai do rapaz que já não o dava muita atenção, paga os funcionários e as despesas e abandona o filho naquela mansão.

Ao longo do livro, o leitor acompanha o desenvolvimento do personagem, aprendendo a lidar com as diferenças e perceber a beleza, a amizade e o amor onde nunca esperava encontrar antigamente.

Em tempos onde as pessoas são valorizadas somente pelo que aparentam ser, A Fera traz uma boa reflexão. Kyle nunca imaginou que isto pudesse acontecer, mas se tivesse sido uma boa pessoa desde o começo, o rapaz não precisaria aprender.

A leitura é leve e flui. A obra está dividida em várias partes e capítulos. Um bom livro para quem gosta de comédias românticas e contos de fadas – o amor e a magia, ingredientes que parecem estar cada vez mais em falta na vida das pessoas.

Comentários

Mais lidas da semana