Pular para o conteúdo principal

Destaques

Para Toda a Eternidade: Livro explora rituais funerários diversos

Entre a naturalidade e o espanto, o tradicional e o moderno, o ocidental e o oriental, Caitlin Doughty transmite ao leitor histórias de suas visitas a espaços e profissionais envolvidos com o universo mortuário. Uma das obras pedidas por quem já tinha lido Confissões do Crematório, o novo livro foi publicado no Brasil pela editora DarkSide Books, em junho de 2019, com tradução de Regiane Winarski e ilustrações de Landis Blair.


Compre o livro Para Toda a Eternidade (Caitlin Doughty): https://amzn.to/2R2FwqN

“Eu passei a acreditar que os méritos de um costume relacionados à morte não são baseados em matemática [...] mas em emoções, numa crença na nobreza única da própria cultura da pessoa. Isso quer dizer que consideramos os rituais de morte selvagens apenas quando eles não são como os nossos” – Caitlin Doughty, Para Toda a Eternidade
Dá para ler tranquilamente Para Toda a Eternidade sem ter lido Confissões do Crematório, mas acredito que as duas leituras são complementares. Enquanto na p…

Resenha: O Natal de Poirot - Agatha Christie

Texto: Ben Oliveira

Romance policial escrito por Agatha Christie, publicado pela editora Nova Fronteira, O Natal de Poirot conta a história de um velho rico assassinado dentro de sua própria casa durante a véspera do Natal. Os principais suspeitos do crime são os filhos do homem, suas esposas, a neta, o filho de um amigo dele e os funcionários.
Capa do livro O Natal de Poirot –
Agatha Christie. 

Nesta história de Agatha Christie o leitor é convidado a entrar numa casa onde a convivência pacífica não passa de mera formalidade e cada um dos personagens guarda seus próprios segredos, demônios e temores.

Assassinado, Simeon Lee é um homem de gênio forte e suas atitudes semeiam a discórdia entre todos, além de guardar diamantes brutos em segredo. Entre as hipóteses da investigação estão o roubo e / ou o homicídio.

As características do crime indicam que a pessoa estava com raiva do velho quando o assassinou, por causa da enorme quantidade de sangue espalhado pelo quarto.

O detetive Hercule Poirot – um dos principais protagonistas criado por Agatha Christie – também está presente no enredo. Ele está na cidade e auxilia o inspetor a resolver o caso.

Assim como foi dito na resenha de Cai o Pano sobre a história da escritora ser um bom exercício para a mente, o leitor mais atento consegue perceber quem é o suspeito mais provável ao longa da obra.

Os romances policiais de Agatha Christie são como labirintos – quando a luz da verdade parece estar próxima de ser revelada, o leitor é surpreendido por diversas coincidências e acasos.

Agatha Christie comenta no prefácio que esta história foi escrita para suprir as vontades do cunhado de uma história com “um assassinato dos bons, violento e cheio de sangue”.

Por mais que os testemunhos dos suspeitos sejam confusos e o morto foi encontrado em um quarto trancado do lado de dentro, este livro, sem sombra de dúvidas, traz um assassinato em que a vítima é tão egocêntrica e maquiavélica que qualquer pessoa poderia ser o responsável pela sua morte, independente do grau de parentesco e proximidade, tornando uma tarefa árdua, mas não impossível para o detetive Hercule Poirot desvendar.

Comentários

Mais lidas da semana