Pular para o conteúdo principal

Destaques

Criminologia, Jessica Jones e Mulher-Maravilha: Ficar do lado do agressor é sinal de perigo à sociedade – Ben Oliveira

Que dia lindo para servir Karma Coletivo para Diana, Lilith e Nêmesis ao mesmo tempo:  Resistam julgar as pessoas pela aparência. Meus 2 ex-namorados manipuladores se faziam de vítimas e todo mundo ficava ao lado deles e como eu sou porra louca, como Jessica Jones e Malévola, era injustiçado entre quatro paredes e julgado por todos ao redor. Como sou uma vaca, só há duas pessoas com a qual me importo no mundo, minhas duas chamas gêmeas, o resto é indiferente. Ainda assim... Vocês criam cada distorção cognitiva que só por Deus... É muita falta de terapia, autoconsciência, reflexão e bom senso.  Foi você que tava dentro do carro capotado? Foi você que quase morreu? Foi você que teve que recomeçar várias vezes na vida? Foi você que saiu como vilão quando a pessoa era tóxica pra cacete? Não foi. Então, boca fechada, sempre. Opinião só se dá quando é pedida. Sem falar os DELUSIONAIS que ficaram comentando: Que pena, achei que vocês iam casar. Quem quiser casar com ele, passo até o perfil KK

Resenha: O Natal de Poirot - Agatha Christie

Texto: Ben Oliveira

Romance policial escrito por Agatha Christie, publicado pela editora Nova Fronteira, O Natal de Poirot conta a história de um velho rico assassinado dentro de sua própria casa durante a véspera do Natal. Os principais suspeitos do crime são os filhos do homem, suas esposas, a neta, o filho de um amigo dele e os funcionários.
Capa do livro O Natal de Poirot –
Agatha Christie. 

Nesta história de Agatha Christie o leitor é convidado a entrar numa casa onde a convivência pacífica não passa de mera formalidade e cada um dos personagens guarda seus próprios segredos, demônios e temores.

Assassinado, Simeon Lee é um homem de gênio forte e suas atitudes semeiam a discórdia entre todos, além de guardar diamantes brutos em segredo. Entre as hipóteses da investigação estão o roubo e / ou o homicídio.

As características do crime indicam que a pessoa estava com raiva do velho quando o assassinou, por causa da enorme quantidade de sangue espalhado pelo quarto.

O detetive Hercule Poirot – um dos principais protagonistas criado por Agatha Christie – também está presente no enredo. Ele está na cidade e auxilia o inspetor a resolver o caso.

Assim como foi dito na resenha de Cai o Pano sobre a história da escritora ser um bom exercício para a mente, o leitor mais atento consegue perceber quem é o suspeito mais provável ao longa da obra.

Os romances policiais de Agatha Christie são como labirintos – quando a luz da verdade parece estar próxima de ser revelada, o leitor é surpreendido por diversas coincidências e acasos.

Agatha Christie comenta no prefácio que esta história foi escrita para suprir as vontades do cunhado de uma história com “um assassinato dos bons, violento e cheio de sangue”.

Por mais que os testemunhos dos suspeitos sejam confusos e o morto foi encontrado em um quarto trancado do lado de dentro, este livro, sem sombra de dúvidas, traz um assassinato em que a vítima é tão egocêntrica e maquiavélica que qualquer pessoa poderia ser o responsável pela sua morte, independente do grau de parentesco e proximidade, tornando uma tarefa árdua, mas não impossível para o detetive Hercule Poirot desvendar.

Comentários

Mais lidas da semana