Pular para o conteúdo principal

Destaques

Autismo: Entre fofocas e intrigas

Aviso aos bonitos e bonitas que sempre jogam meu nome e dos colegas nos grupos de Facebook e WhatsApp: alguém de vocês sempre solta algo e de um jeito ou de outro, chega até mim.


Minha dica é: quer falar mal? Fala à vontade. Se quiser, eu falo junto. Não tenho vergonha de fazer autocrítica, aliás, recomendo a todos.

Agora, se me difamar e/ou queimar minha reputação, o bicho pega.

Nesta página, não trabalho com indiretas. Só com diretas mesmo.

Já disse que nem todo autista é bonzinho, né? 😈

Dica para os anjinhos e neurotípicos: Arranjem hobbies e outros hiperfocos, ocupem a cabeça com outras coisas que não sejam só esse mundinho de intrigas do autismo.

Um grande filósofo pós-moderno, Benstein Oliveira disse que a fofoca viaja à velocidade da luz e que ela vem de todos cantos e cores do autismo. Nem WhatsApp eu uso, mas as conversas de lá sempre chegam aqui. Por que será, gente?

Formado em Harvard na arte das fofocas chegarem até mim. Parece que sou ímã para embuste.


Para os trolls que…

Resenha: O Natal de Poirot - Agatha Christie

Texto: Ben Oliveira

Romance policial escrito por Agatha Christie, publicado pela editora Nova Fronteira, O Natal de Poirot conta a história de um velho rico assassinado dentro de sua própria casa durante a véspera do Natal. Os principais suspeitos do crime são os filhos do homem, suas esposas, a neta, o filho de um amigo dele e os funcionários.
Capa do livro O Natal de Poirot –
Agatha Christie. 

Nesta história de Agatha Christie o leitor é convidado a entrar numa casa onde a convivência pacífica não passa de mera formalidade e cada um dos personagens guarda seus próprios segredos, demônios e temores.

Assassinado, Simeon Lee é um homem de gênio forte e suas atitudes semeiam a discórdia entre todos, além de guardar diamantes brutos em segredo. Entre as hipóteses da investigação estão o roubo e / ou o homicídio.

As características do crime indicam que a pessoa estava com raiva do velho quando o assassinou, por causa da enorme quantidade de sangue espalhado pelo quarto.

O detetive Hercule Poirot – um dos principais protagonistas criado por Agatha Christie – também está presente no enredo. Ele está na cidade e auxilia o inspetor a resolver o caso.

Assim como foi dito na resenha de Cai o Pano sobre a história da escritora ser um bom exercício para a mente, o leitor mais atento consegue perceber quem é o suspeito mais provável ao longa da obra.

Os romances policiais de Agatha Christie são como labirintos – quando a luz da verdade parece estar próxima de ser revelada, o leitor é surpreendido por diversas coincidências e acasos.

Agatha Christie comenta no prefácio que esta história foi escrita para suprir as vontades do cunhado de uma história com “um assassinato dos bons, violento e cheio de sangue”.

Por mais que os testemunhos dos suspeitos sejam confusos e o morto foi encontrado em um quarto trancado do lado de dentro, este livro, sem sombra de dúvidas, traz um assassinato em que a vítima é tão egocêntrica e maquiavélica que qualquer pessoa poderia ser o responsável pela sua morte, independente do grau de parentesco e proximidade, tornando uma tarefa árdua, mas não impossível para o detetive Hercule Poirot desvendar.

Comentários

Mais lidas da semana