Pular para o conteúdo principal

Destaques

Sobre rabiscos e telas brancas

A tela branca pode ser um convite à explosão criativa ou uma tortura ao artista que sente seu espírito definhando diante da pesada realidade. Em tempos de crise e ódio, a arte fica esquecida e é vista como desimportante; ironicamente, é quando mais precisamos dela, de algo que nos faça sentir vivo e toque as partes atordoadas.


O som dos dedos se movendo pelo teclado era como fantasmas de uma vida distante. É incrível perceber quantas vezes nós deixamos algumas partes nossas morrerem ao longo de nossas existências; as máscaras, antes tão confortáveis, agora incomodam e não nos servem mais. Leva tempo até ficarmos satisfeitos e ajustados à nova realidade. Viver é admitir que sabemos pouco sobre nós mesmos e há sempre algo novo que pode nos transformar, seja para o bem ou para o mal.

O artista encara a tinta respingando pela tela. Para o espectador sem intimidade, nada faz sentido, a desconexão de ideias é tormentosa; para ele, o lembrete de que sua arte nunca o abandonaria. Como poderia…

Banheiros que te quero bem - Julio Mesquita


O meu gosto por banheiro já vem de longa data, talvez até antes de ter nítida consciência de suas verdadeiras funções. Lembro-me dos mais belos que conheci em viagens por Portugal, pelo Chile, Argentina e Bolívia. Além claro dos mais feios e fétidos.

Logo que inauguraram os banheiros públicos automáticos, corri para vê-los e, sem demasiada espontaneidade, também usá-los, isso apenas algumas vezes.

Gosto dos banheiros das bibliotecas, são quietos, cultos, inteligentes e introvertidos. Os dos shoppings são legais, mas o barulho, os dizeres a caneta, o vassourão do faxineiro e todo aquele entra e sai, são os pontos fracos desse santuário. Os da minha faculdade são curiosíssimos. Acho que por ter um público muito uniforme, tanto na idade quanto nos objetivos, denotam peculiaridades bem mais agradáveis de ouvir e observar. É a porta batendo, gargalhadas e gritarias, o som das descargas repetidas vezes, o jorrar das inúmeras torneiras, as misturas de vozes, o toque irritante dos celulares, o grafiteiro gozador que pichou: “Peguei a mais gostosa desse semestre”, além do espelho tridimensional, o qual revela os mais estranhos rostos do futuro.

Todo esse cenário, com seus coadjuvantes, faz de mim espectador protagonista do cotidiano louco, que mistura gente fina com gente grossa, isso no sentido literal da palavra, a fim de dar sentido as emoções que sinto ao viver toda esta experiência. Quando menos se espera, volta o faxineiro com um olhar mal-humorado, meio desconfiado e arrastando aquele pano que mais parece uma bruxa, cuidando sempre da retaguarda, prevenindo-se de algum descuidado.

Adoro banheiro fresco, fresco que eu digo é de frescura mesmo. Esses que você entra e não sabe onde apertar, e acaba descobrindo que não há contato das mãos, só dos pés, pura frescura de alguém bem preocupado com a higiene.

É óbvio que nem todo banheiro é um primor de limpeza, de odor e boas freqüências. Acreditem que, um dia desses, fui até lá em uma igreja católica cumprir com minha obrigação física. Depois do ato consumado, apertei a válvula e saiu água por todos os lados. A vontade que eu tinha era de imediato, sair correndo com a calça até os joelhos por entre a igreja. Mas contive-me e fiquei com a calça nos joelhos no corredor mesmo.

É bom que se cuide bem do banheiro, senão um dia, ele pode se vingar de você ou dos seus convidados.

*Julio Mesquita é publicitário e escritor. Site: www.juliomesquitaescritor.com / E-mail:mesquita.julio@uol.com.br

Comentários

Mais lidas da semana