Pular para o conteúdo principal

Destaques

Resenha: Algum Dia — David Levithan

Pode o corpo alterar nossa percepção sobre a vida e o amor? E o que acontece quando todo dia mudamos de corpo e ainda assim tentamos manter um relacionamento? Em Algum Dia, do David Levithan, o leitor é levado a conhecer o desfecho da trilogia que encantou pessoas do mundo todo. No Brasil, a obra foi publicada pela Editora Galera Record, em 2020.

Compre o livro Algum Dia (David Levithan): https://amzn.to/3ifWxuE
Algum Dia foi um dos livros mais esperados por muitos leitores, entre eles: eu. Fui com muita expectativa na leitura. Não é que não tenha gostado do romance, mas senti falta de mais envolvimento entre os dois personagens principais. David Levithan nos deixa instigado por mais momentos entre Rhiannon e A, mas a narrativa acaba dando mais destaque para a condição do personagem sem corpo fixo.
"Agora eu sei: o amor não é tão simples. O amor nunca é sobre você dizer a si mesmo que deve fazer alguma coisa e então fazer. Nunca é sobre alguém te dizer que você deve fazer e por isso…

Frio, cama e zona de conforto

A manhã estava fria. Minhas mãos estavam doendo, o rosto ardia por causa dos ventos gelados e tudo o que eu desejava era continuar em casa, na minha cama, dormindo embaixo dos cobertores.

Acordei atrasado naquele dia. Tomei um banho quente. O problema dos dias congelantes não era entrar na água, já que os jatos tendem a ficar tão aquecidos a ponto de queimar a minha pele. No momento em que desliguei o chuveiro, abri a porta e senti o contraste da temperatura. Frio e calor lutavam para ver quem levava a melhor.

Após poucos minutos, o meu corpo estava tão gelado, que é como se eu tivesse passando por um daqueles corredores refrigerados do mercado, sentindo o frio percorrer minha espinha. Vesti minhas roupas, coloquei uma blusa e um casaco, e mesmo assim continuava sofrendo com aquela temperatura baixa.

Entrei no carro. O céu estava cinzento e o sol tímido tinha tirado um dia de folga, quem sabe ficando deitado na sua própria cama, até que tivesse coragem o suficiente para dar as caras novamente. Os motoristas dirigiam loucamente, como se estivessem tentando fugir do frio. Liguei o aquecedor e ouvi as músicas que tocavam no rádio. Os minutos passavam devagar, como se o tempo estivesse com preguiça de passar.

Novamente, quando eu finalmente estava confortável, acostumado com as ondas de calor, a vida estava jogando seu balde de água fria em mim. Estava na hora de assistir a aula.

Fora do automóvel, senti vontade de correr, numa tentativa frustrada de aquecer o meu corpo. Não importava o quanto eu andasse, os ventos cortavam minha pele. Os corredores da universidade estavam cheios de pessoas e mesmo aqueles que amavam dias frios, estavam implorando por um lugar quente para se abrigarem.

Meu estômago roncava, desejando qualquer comida quente, ajudando a enfrentar aquela manhã. Sai da sala de aula, desci as escadas com pressa e aguardei na fila da lanchonete pela minha vez. Quanto mais eu tremia, mais fome eu sentia.

Matei a minha vontade. Comprei um salgado e um chocolate quente. Enquanto o primeiro estava delicioso, a bebida não estava tão quente como o seu nome indica, sua consistência não estava das melhores e o leite estava cheio de nata. Engoli o líquido como se fosse um remédio e não pude deixar de pensar em como nem sempre podemos ter tudo exatamente do jeito que desejamos, e, às vezes, precisamos nos contentar e demonstrar um pouco de gratidão, pois as coisas poderiam ser piores.

Cheguei a minha casa, louco pelo meu prêmio: a minha cama. Voltei para baixo das minhas cobertas e em poucos minutos apaguei. Não tinha outro lugar onde eu preferia estar. Minha única certeza era a de que como tudo na vida, em breve eu teria que sair da minha zona de conforto novamente.

Comentários

Mais lidas da semana