Pular para o conteúdo principal

Destaques

Antraz: Documentário da Netflix revela investigações feitas pelo FBI durante anos

Um pouco após os atentados terroristas contra as torres gêmeas, em Nova Iorque, Estados Unidos, no 11 de setembro de 2001, uma ameaça de antraz colocou as autoridades, como o FBI em alerta, e espalhou pânico nos norte-americanos devido à facilidade de se espalhar sem as pessoas saberem.  Dirigido e roteirizado por Dan Krauss e produzido pela Netflix e pela BBC, 21 anos após o ataque e o primeiro caso de circulação do antraz, o documentário Antraz: EUA Sob Ataque (The Anthrax Attacks) leva o telespectador para as investigações do FBI que duraram anos. O que a princípio foi alvo de muita pressão para a solução do caso, principalmente pelo medo dos norte-americanos do esporo da bactéria continuar se espalhando pelas cartas e fazendo mais pessoas adoecerem e/ou morrerem, logo foi caindo no esquecimento conforme as investigações desenrolavam fora dos holofotes.  Com a proximidade do caso do ataque às torres gêmeas, à primeira vista, o pânico generalizado fez com quem os norte-americanos

Resenha: Palavras Envenenadas - Maite Carranza

Uma adolescente desapareceu há quatro anos e ninguém sabe o que aconteceu com ela. Após o incidente, a polícia já não está mais investigando o caso e todos pensam que a garota foi assassinada. Esta é a trama do livro Palavras Envenenadas, escrito por Maite Carranza, publicado pela editora Novo Conceito, em 2011.

O thriller conta a história de Barbara Molina e de como o seu desaparecimento afetou toda a família. A mãe da jovem está sempre letárgica, os irmãos mais novos sempre calados e somente o pai parece ter continuado com energia para insistir nas investigações policiais e intimidação dos suspeitos.

O subinspetor Salvador Lozano está prestes a se aposentar e decide avisar à família da jovem que não há mais nada que a polícia possa fazer. O caso será arquivado. Só de imaginar o mistério sem solução e o sofrimento da família, o velho fica desiludido. Antes de entregar o cargo, ele decide passar todas as informações e suspeitas de caso para o novo subinspetor. Mesmo sem ter esperanças de que o jovem profissional fosse continuar investigando após sua aposentadoria, o homem faz a parte dele.

O livro traz a narração segundo os pontos de vista de diferentes personagens. São eles: Barbara Molina, a jovem desaparecida; Nuria Solís, a mãe da garota; Salvador Lozano, o subinspetor responsável pelo caso e Eva Carrasco, a melhor amiga de Barbara.

A narrativa é envolvente, fazendo o leitor se perguntar junto com os personagens o que terá acontecido a Barbara Molina, com um final surpreendente, deixando sem ar até as últimas linhas.

Somente quando os personagens sabem o que está acontecendo, o leitor é presenteado com a verdade. No começo do livro já é possível saber que Barbara Molina ainda está viva. As questões levantadas por quem está lendo e que são resolvidas ao longo da leitura são: onde ela está? Quem está mantendo a menina encarcerada? Essas possibilidades só aparecem quando Barbara consegue ligar para a sua mulher amiga, Eva.

Com a revelação de Eva, a vida de Barbara está em perigo e os envolvidos precisam correr para salvá-la a tempo. Entre tantas mentiras que só atrapalharam as investigações, intencionalmente ou não, o real culpado, como em toda boa história de suspense e detetive, é quem ninguém esperava.

Palavras Envenenadas, como o próprio título lembra, mostra como as atitudes podem destruir a vida de todos ao seu redor, sem que ninguém perceba.

O clímax do livro é pesado. Algumas histórias chocantes de sequestre e cárcere privado vistas na mídia são parecidas com a trama. Ao reviver os minutos da jovem e saber alguns detalhes de sua reclusão, o leitor pode sentir desconforto, angustia e nojo, até o momento em que o problema se resolve.

Escrito com precisão, o livro ficou marcado na minha cabeça por alguns dias. Imagino quantas outras garotas já lidaram com estas agressões do corpo e da alma. Barbara Molina é só uma entre tantas jovens que tiveram suas vidas corrompidas, violadas e nunca dormirão em paz novamente.

Ao terminar de ler Palavras Envenenadas, fiquei chocado. Não quis acreditar como algumas pessoas realmente fazem de tudo para saciarem suas vontades egoístas e doentias, sem pesarem as consequências.

Mais do que um grito de socorro de uma jovem desaparecida, é como se a narrativa transmitisse uma mensagem para quem está lendo, avisando que a história poderia acontecer com qualquer um. Nem sempre o agressor é alguém desconhecido, às vezes, é quem está perto o suficiente para conhecer mais do que você pensa sobre a sua vida.

O poder da literatura de nos transportar para outros ambientes e realidades é ótimo quando se tratam de livros de fantasia e ficção científica, porém quando se aproxima da realidade, pode trazer mal estar. Engoli palavras envenenadas, literalmente, até saber como a história acabaria.

Ao concluir, tive vontade de ler outros livros do mesmo assunto, desta vez com os relatos verdadeiros de mulheres que passaram anos trancadas em seus cativeiros, forçadas a fazerem o que não tinham vontade, tão traumatizadas que enxergaram seus sequestradores como boas pessoas. Horripilante!

Comentários

  1. Respostas
    1. Olá, anônimo!
      Esse livro é muito bom. O clímax dele é destruidor. Achei bem pesado.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana