Pular para o conteúdo principal

Destaques

Subdiagnóstico de autismo, números e incoerências

O brasileiro é muito individualista. Ao mesmo tempo que vejo pessoas reclamando que os números do Censo vão dar abaixo por causa dos subdiagnósticos de autismo, já vi muita gente acusando pessoas com laudo fingirem que eram autistas.


Como explicar a volatilidade? Nem tento entender o que se passa na mente do brasileiro.

Os discursos são sempre contraditórios. Por causa de polarização, todo mundo sai perdendo.

Já vi até gente dizendo que o laudo é só um papel. Se é só um papel, a pessoa, então, não precisa de um diagnóstico? Logo, por que ser contabilizada? Sejam mais coerentes nos discursos.

Incoerências dos brasileiros sobre subdiagnósticos:

– Já vi gente acusando autista de fingir, mesmo a pessoa tendo laudo;

– Já vi gente se posicionando contra diagnóstico precoce, achando que seria ruim, desconhecendo a questão da plasticidade cerebral;

– Já vi gente dizendo que autismo nem deveria ter CID;

– Já vi gente dizendo que o outro não é autista, só porque sabe argumentar e é diferente do …

Ilha das Flores – Curta-metragem brasileiro sobre os contrastes sociais

Ilha das Flores é um documentário sobre os contrastes das classes sociais por causa da economia e como a comida descartada por uns pode ser o alimento de outros. Apesar do nome sugerir um lugar lindo, exótico e ecológico, o espectador vê imagens de um depósito de frutas e verduras inutilizadas que algumas mulheres e crianças carentes coletam para se alimentarem.

Curta-Metragem Ilha das FloresTudo começa com a história de um plantador de tomates e como esse fruto vai parar no supermercado, gerando lucro para o homem. Depois disso o tomate é comercializado para uma revendedora de perfumes que o leva para sua casa e prepara uma refeição com eles. No entanto, um dos produtos está estragado, sendo levado para o lixão e reaproveitado por um fazendeiro na nutrição de seus porcos. Os mesmos tomates (alimentos) rejeitados pela mulher e pelos porcos é fonte de sobrevivência de famílias pobres.

O documentário é uma crítica ao consumo e ao desperdício, mostrando que muitas das coisas desperdiçadas por nós podem ser usadas para quem precisa e não tem condições de compra-las. As imagens e a narrativa do curta-metragem Ilha das Flores revelam o que muitos fazem questão de não enxergar ou se importar, como sobrevive em condições deploráveis a população que mora em lugares isolados (próximos aos lixões) e não possuem emprego ou condições financeiras para ter qualidade de vida.

O documentarista dialogo com o espectador através da repetição constante do que já foi contado, de maneira ácida. Além de trazer informações científicas que podem contribuir para a construção do conhecimento, o documentário leva a reflexão sobre um assunto tão importante e indiferente à sociedade capitalista. O dinheiro utilizado para o consumo desenfreado de tecnologias e outros produtos com um um curto prazo de valida é o mesmo que faz falta para quem não tem um real no bolso para sobreviver.

Mais do que explorar a realidade de mulheres que catam alimentos estragados para suas famílias, a pobreza sem maquiagem e o contraste com o mundo globalizado abordados no filme Ilha das Flores chama a atenção para a necessidade de assistência para essas pessoas.

Sobre o documentário Ilha das Flores – escrito e dirigido por Jorge Furtado, em 1989, o curta-metragem brasileiro ganhou diversos prêmios de cinema. O elenco conta com a participação de Júlia Barth, Paulo José e Ciça Reckziegel.

Assista ao documentário completo Ilha das Flores, de Jorge Furtado

Comentários

Mais lidas da semana