Pular para o conteúdo principal

Destaques

Sobre rabiscos e telas brancas

A tela branca pode ser um convite à explosão criativa ou uma tortura ao artista que sente seu espírito definhando diante da pesada realidade. Em tempos de crise e ódio, a arte fica esquecida e é vista como desimportante; ironicamente, é quando mais precisamos dela, de algo que nos faça sentir vivo e toque as partes atordoadas.


O som dos dedos se movendo pelo teclado era como fantasmas de uma vida distante. É incrível perceber quantas vezes nós deixamos algumas partes nossas morrerem ao longo de nossas existências; as máscaras, antes tão confortáveis, agora incomodam e não nos servem mais. Leva tempo até ficarmos satisfeitos e ajustados à nova realidade. Viver é admitir que sabemos pouco sobre nós mesmos e há sempre algo novo que pode nos transformar, seja para o bem ou para o mal.

O artista encara a tinta respingando pela tela. Para o espectador sem intimidade, nada faz sentido, a desconexão de ideias é tormentosa; para ele, o lembrete de que sua arte nunca o abandonaria. Como poderia…

Ilha das Flores – Curta-metragem brasileiro sobre os contrastes sociais

Ilha das Flores é um documentário sobre os contrastes das classes sociais por causa da economia e como a comida descartada por uns pode ser o alimento de outros. Apesar do nome sugerir um lugar lindo, exótico e ecológico, o espectador vê imagens de um depósito de frutas e verduras inutilizadas que algumas mulheres e crianças carentes coletam para se alimentarem.

Curta-Metragem Ilha das FloresTudo começa com a história de um plantador de tomates e como esse fruto vai parar no supermercado, gerando lucro para o homem. Depois disso o tomate é comercializado para uma revendedora de perfumes que o leva para sua casa e prepara uma refeição com eles. No entanto, um dos produtos está estragado, sendo levado para o lixão e reaproveitado por um fazendeiro na nutrição de seus porcos. Os mesmos tomates (alimentos) rejeitados pela mulher e pelos porcos é fonte de sobrevivência de famílias pobres.

O documentário é uma crítica ao consumo e ao desperdício, mostrando que muitas das coisas desperdiçadas por nós podem ser usadas para quem precisa e não tem condições de compra-las. As imagens e a narrativa do curta-metragem Ilha das Flores revelam o que muitos fazem questão de não enxergar ou se importar, como sobrevive em condições deploráveis a população que mora em lugares isolados (próximos aos lixões) e não possuem emprego ou condições financeiras para ter qualidade de vida.

O documentarista dialogo com o espectador através da repetição constante do que já foi contado, de maneira ácida. Além de trazer informações científicas que podem contribuir para a construção do conhecimento, o documentário leva a reflexão sobre um assunto tão importante e indiferente à sociedade capitalista. O dinheiro utilizado para o consumo desenfreado de tecnologias e outros produtos com um um curto prazo de valida é o mesmo que faz falta para quem não tem um real no bolso para sobreviver.

Mais do que explorar a realidade de mulheres que catam alimentos estragados para suas famílias, a pobreza sem maquiagem e o contraste com o mundo globalizado abordados no filme Ilha das Flores chama a atenção para a necessidade de assistência para essas pessoas.

Sobre o documentário Ilha das Flores – escrito e dirigido por Jorge Furtado, em 1989, o curta-metragem brasileiro ganhou diversos prêmios de cinema. O elenco conta com a participação de Júlia Barth, Paulo José e Ciça Reckziegel.

Assista ao documentário completo Ilha das Flores, de Jorge Furtado

Comentários

Mais lidas da semana