Pular para o conteúdo principal

Destaques

Sobre rabiscos e telas brancas

A tela branca pode ser um convite à explosão criativa ou uma tortura ao artista que sente seu espírito definhando diante da pesada realidade. Em tempos de crise e ódio, a arte fica esquecida e é vista como desimportante; ironicamente, é quando mais precisamos dela, de algo que nos faça sentir vivo e toque as partes atordoadas.


O som dos dedos se movendo pelo teclado era como fantasmas de uma vida distante. É incrível perceber quantas vezes nós deixamos algumas partes nossas morrerem ao longo de nossas existências; as máscaras, antes tão confortáveis, agora incomodam e não nos servem mais. Leva tempo até ficarmos satisfeitos e ajustados à nova realidade. Viver é admitir que sabemos pouco sobre nós mesmos e há sempre algo novo que pode nos transformar, seja para o bem ou para o mal.

O artista encara a tinta respingando pela tela. Para o espectador sem intimidade, nada faz sentido, a desconexão de ideias é tormentosa; para ele, o lembrete de que sua arte nunca o abandonaria. Como poderia…

Eu Vi o Sol Brilhar em Toda Sua Glória será apresentado em Campo Grande (MS)

O espetáculo Eu Vi o Sol Brilhar em Toda Sua Glória, de São Paulo, irá ser apresentado nesta quarta-feira, 11 de setembro, às 20h30, em Campo Grande (MS), no Teatro Aracy Balabanian do Centro Cultural José Octávio Guizzo. A peça faz parte da I Mostra de Teatro Ofit Cena Contemporânea.

Espetáculo Eu Vi o Sol Brilhar em Toda Sua Glória. Foto: Divulgação

Com duração de 50 minutos e classificação a partir de 14 anos, o espetáculo foi criado por João Paulo Lorenzon e inspirado no universo do escritor e poeta argentino Jorge Luis Borges. A equipe conta com co-direção de Karin da Hora e desenho de luz de Lúcia Chedieck.

Sinopse: Apoiado em imagens de contos e fragmentos da vida do escritor, o espetáculo foi construido em dois anos de pesquisa, desejando estabelecer um diálogo com o autor. Um diálogo reflexivo sobre a fronteira do real e do imaginário, da memória e do esquecimento, da eternidade e da finitude, para nos perguntar sobre as perdas que nos constituem. Memória: esta é a viagem a que se propõe o espetaculo. Memória: o ponto de partida ou de chegada ou os dois. E nela as transformações da imaginação e da realidade. Um homem vê o infinito atraves de um ponto de luz e nao consegue mais regressar em si. nao pode voltar à sua antiga vida porque nao consegue mais parar de ver e lembrar. Como é nao poder mais esquecer?

O espetáculo foi indicado a dois prêmios Shell – Melhor ator João Paulo Lorenzon e Melhor iluminação Lúcia Chedieck e convidado pelo Centro de Artes Cênicas da Funarte para participar do Ano do Brasil em Portugal, em Lisboa.

A Mostra de Teatro Ofit Cena Contemporânea está sendo promovida pela Associação Cultural Oficina de Interpretação Teatral (OFIT), com patrocínio do Fundo de Investimentos Culturais da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul.

Serviço – Ingressos serão vendidos a R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia). O Teatro Aracy Balabanian do Centro Cultural José Octávio Guizzo fica na Rua 26 de Agosto, 453, entre a 14 de Julho e a Calógeras. Recomenda-se chegar com meia hora de antecedência. Não será permitida a entrada após o início do espetáculo.

Confira a programação da I Mostra de Teatro Ofit Cena Contemporânea 

*Com informações da Fundação de Cultura de Mato Grosso do Sul

Comentários

Mais lidas da semana