Pular para o conteúdo principal

Destaques

Murder By The Coast: Documentário espanhol da Netflix sobre casos de jovens assassinadas traz dilemas éticos

Murder By The Coast (Homicídio na Costa do Sol/El caso Wanninkhof - Carabantes) é um ótimo documentário de crimes para quem deseja entender os impactos do julgamento antecipado pela imprensa sobre casos mal investigados, influenciando a opinião pública, quando só existem indícios, mas nenhuma prova. Lançado pela Netflix em 2021, o filme espanhol foi dirigido por Tània Balló e roteirizado por Gonzalo Berger . Em mais de 20 anos, muita coisa mudou no mundo. Mas há outras que ainda servem como ótimo exemplo de erros e acertos, especialmente no que diz respeito aos casos criminais, opiniões públicas, preconceitos e faltas de evidências. O documentário traz o caso da adolescente Rocío Wanninkhof que foi assassinada em 1999 e na ansiedade para encontrar um culpado, diante da falta de informações concretas, tudo toma um rumo que se fossem contar, poderiam jurar que se trata de um enredo de ficção. Os depoimentos de profissionais envolvidos ou que estudaram o caso só enriquecem o documentári

Resenha: O Herói – Flávio Kothe

Escrito por Flávio R. Kothe, o livro O Herói foi lançado em 1987, pela Editora Ática e é integrante da série Princípios. O autor faz uma análise sobre o herói em diferentes obras literárias mostrando sua relação com a ideologia do escritor, da época em que a história foi escrita e do sistema dominante.

Com apenas 96 páginas, a obra traz informações interessantes para quem deseja aprender mais sobre o herói, figura arquetípica das narrativas que percorre uma jornada, enfrenta problemas e passa por diversas situações ao longo das histórias. Segundo o crítico literário, o herói pode ser visto através de diferentes ângulos e é influenciado pelo sistema dominante. As transformações de um período podem afetar positivamente ou negativamente a maneira que as histórias são criadas e contadas, cabendo ao leitor fazer uma leitura crítica para entender essas consequências e mecanismos usados pelos governos, podendo relacionar até mesmo com as obras proibidas durante épocas de censura e ditadura, onde os artistas são violentados.

Desde histórias da mitologia, bíblicas até os clássicos da literatura e obras modernas, Flávio Kothe ensina ao leitor como entender o que o escritor desejou ao criar o personagem desta maneira. Da mesma forma que a televisão e os outros meios de comunicação podem influenciar as pessoas, aliená-las, manipulá-las, o autor conta que a literatura também pode fazer isto, disseminando as ideologias dominantes de quem produziu.

Flávio Kothe argumenta, por exemplo, que as histórias clássicas eram feitas para a alta sociedade, nas quais os heróis eram pessoas com problemas relacionados à classe social e um dos conflitos era o de ficar pobre, já os personagens pobres, geralmente, são pícaros, malandros, picaretas, mostrando a forma dominante de pensar na época.

Aprendendo um pouco sobre essa relação entre arte e ideologia, o leitor consegue analisar algumas obras e seus personagens. Existem narrativas em que o autor concorda com o sistema dominante (direita) e as que ele tenta abordar os problemas e falhas da sociedade em que vive, mesmo que de forma implícita (esquerda).

Grande parte das produções literárias não vai contra a corrente do pensamento, principalmente dos autores best-sellers dos dias atuais que escrevem para entreter as pessoas. Nas narrativas triviais, mesmo sem ler, ouvir, assistir ou contar a história, sabe-se que o herói vencerá seus problemas e terá um final feliz.

Com estes “Princípios”, como o próprio nome da série aponta, os leitores aprendem o básico sobre o assunto abordado e cabe a ele procurar mais informações. O conhecimento transmitido serve como uma introdução, não podendo ser menosprezado, mas também sendo necessário reconhecer os seus limites, até mesmo pela quantidade de páginas do livro.  Com uma linguagem acessível, é possível saber como o percurso do herói, a qualidade literária e a narrativa servem como mecanismos de persuasão ideológica.

Entre os assuntos abordados no livro estão: heróis clássicos, o herói épico, anti-herói épico, arte e ideologia, o herói trágico, heróis bíblicos, narrativas triviais e artísticas, heróis altos, heróis baixos e heróis da modernidade.

Sobre o autor – Flávio Kothe é doutor e livre-docente em Letras, professor universitário, tradutor e crítico literário. Publicou entre outros títulos Benjamin & Adorno: confrontos, Literatura e sistemas intersemióticos, Hermetismo e hermenêutica, Pássaro de papel e Para ler Benjamin.

Comentários

  1. Amigo, sabe onde posso encontrar esse livro para comprar?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi. O livro pode ser comprado através do Estante Virtual (em Sebos do Brasil).
      Abraços.

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana