Pular para o conteúdo principal

Destaques

Revolutionary Love: Série coreana de drama explora o abismo que divide as classes sociais

Embora muitos dramas coreanos pequem na representatividade de diversidade racial e deem pouquíssimo espaço para estrangeiros e imigrantes, a série Revolutionary Love (2017) da tvN e no Brasil disponível temporariamente pela Netflix , acaba indo além dos elementos de comédia e romance, mostrando o drama das diferenças de classes sociais , os preconceitos e a possibilidade de imersão nesse mundo desconhecido pelo filho do dono de um dos maiores conglomerados de empresas da Coreia do Sul . A ingenuidade e a ignorância da realidade das classes trabalhadoras tornam o protagonista um tanto embaraçoso, lembrando de forma vaga a jornada de Buda quando conheceu a realidade fora do palácio e foi confrontado com a fome, a doença, a pobreza e a morte. Longe de ser uma série com alguma alegoria espiritual, mas do ponto de vista do comportamento é interessante acompanhar como Byun Hyuk (Choi Si-won) se torna mais empático e humanizado quando seu caminho cruza com o de Baek Joon (Kang So-ra) . E

Tarja Editorial – Editora brasileira de Literatura Fantástica encerra as atividades

Ao entrar no site da Tarja Editorial, uma editora que publicava literatura fantástica, vi uma mensagem sobre o encerramento de suas atividades, avisando que os contatos poderiam ser feitos pela página do Facebook. Na Fan Page da editora, Richard Diegues publicou uma nota sobre o que aconteceu com a Tarja.

Mensagem na página principal da Tarja Editorial avisa
sobre o seu fechamento. Foto: Reprodução.
Segundo Richard Diegues, ele e o sócio Gianpaolo Celli produziam livros com baixo lucro de aproximadamente R$ 2 por exemplar vendido e, às vezes, tinham prejuízo. Se a editora conseguisse vender mil exemplares por mês, a Tarja se tornaria sustentável, no entanto, Diegues comenta que no Brasil, os livros nacionais de Ficção Científica e Fantasia não costumam vender tanto.

Além do fator financeiro, Richard Diegues argumentou que outro responsável pelo encerramento das atividades da Tarja Editorial foi sair do atual cenário da literatura fantástica com grandes obras, sem precisar publicar livros de ocasião e/ou de má qualidade.

Confira trecho: “Entre continuar dando murros em ponta de facas para manter nossos ideais, ou parar com os trabalhos antes de nos tornarmos decadentes, optamos por fechar a editora e manter o nome "Tarja" como sendo referência de pioneirismo nesse século, sendo lembrada por ter lançado o Steampunk e o Retrofuturismo no Brasil, a Literatura Queer, mantido publicações como o Anuário Brasileiro, o concurso FCdoB e o internacional Fantasporto, trazido para cá romances de autores como Jeff VanderMeer, China Miéville, Ekaterina Sédia e João Barreiros, além de ter publicado pela primeira vez mais de 100 autores com trabalhos fantásticos nesse período. Sim, saímos pela ribalta, mas com os holofotes nos seguindo”.

Acesse a página no Facebook da Tarja Editorial e leia a nota na íntegra sobre o fechamento da editora

Comentários

Mais lidas da semana