Pular para o conteúdo principal

Destaques

Antraz: Documentário da Netflix revela investigações feitas pelo FBI durante anos

Um pouco após os atentados terroristas contra as torres gêmeas, em Nova Iorque, Estados Unidos, no 11 de setembro de 2001, uma ameaça de antraz colocou as autoridades, como o FBI em alerta, e espalhou pânico nos norte-americanos devido à facilidade de se espalhar sem as pessoas saberem.  Dirigido e roteirizado por Dan Krauss e produzido pela Netflix e pela BBC, 21 anos após o ataque e o primeiro caso de circulação do antraz, o documentário Antraz: EUA Sob Ataque (The Anthrax Attacks) leva o telespectador para as investigações do FBI que duraram anos. O que a princípio foi alvo de muita pressão para a solução do caso, principalmente pelo medo dos norte-americanos do esporo da bactéria continuar se espalhando pelas cartas e fazendo mais pessoas adoecerem e/ou morrerem, logo foi caindo no esquecimento conforme as investigações desenrolavam fora dos holofotes.  Com a proximidade do caso do ataque às torres gêmeas, à primeira vista, o pânico generalizado fez com quem os norte-americanos

Apaixonado

Era véspera de ano novo quando Ricardo contou que estava apaixonado. Bernardo, o seu melhor amigo escutava com atenção. Os dois rapazes caminhavam pelo shopping lotado. Faltava uma hora para as lojas fecharem.

– Eu amei ele, Bernardo. Eu preciso dele. Você não está entendendo. – os olhos de Ricardo brilhavam de excitação.

– Eu entendo, Ricardo. Sei bem como você está se sentindo. Ele é realmente muito lindo. Até eu ia querê-lo se pudesse – Bernardo olhou para a aliança prateada no dedo.

Os vendedores abutres escutavam com atenção a conversa, curiosos para saberem mais sobre o que os jovens estavam falando.

– Não me lembro quando foi a última vez que eu fiquei assim. Meu peito chega a doer.

– Calma aí. Você está dizendo que foi amor à primeira vista? – Bernardo já tinha ouvido aquela conversa tantas vezes e ainda se surpreendia com a reação de Ricardo. Era hilário ver o amigo sofrendo de amores.

– Sim. Ele é tudo o que eu preciso no momento para ser feliz.

– Exagerado! – Bernardo balançou a cabeça de um lado para o outro.

– Eu estou falando sério, Bernardo. Você não acredita em mim?

– Você não vai morrer se não conseguir ele. Você sabe como essas paixões são. No começo você está louco de vontade para tê-lo, depois passa um tempo e você já não está tão interessado assim. É como um ciclo.

– Ele é tão gostoso, fofo e maravilhoso. É exatamente o meu número... – Ricardo fez uma cara de triste.

Uma senhora escutava a conversa e estava louca de vontade para saber quem era o rapaz que Ricardo tanto falava a respeito.

– Não se desespere. Se for para ser seu, será. – Bernardo tentou consolar Ricardo, como qualquer bom amigo faria com uma frase clichê.

“Está olhando o quê?”, pensava Ricardo enquanto se indignava com a indiscrição da mulher. De mau humor, Ricardo cruzou os braços e fez uma careta para a velha que escutava a conversa e não parava de encará-lo, até cair na real e sair de perto.

Bernardo levantou os ombros e sorriu. Era típico de Ricardo fazer aquilo.

– Você viu a cara dela? – os dois riam imaginando o que os outros pensariam ao ouvir a conversa.

Bernardo e Ricardo deram a volta pelo shopping, desceram e subiram as escadas e a paixão incontrolável persistia. Ricardo comprou uma camisa para se distrair, mas seus pensamentos não o deixavam em paz.

– Nossa, amigo. Olhando para você até fiquei com dó. Você está quase chorando! Relaxa um pouco.

– Vai dizer que você também não o achou perfeito?

– Se eu te disser que eu preferi aquele que estava ao lado dele?

– Lindo também, mas aquele é perfeito – Ricardo parou, ficou olhando para Bernardo e teve que perguntar – Você acha que eu sou louco por ter me apaixonado por ele?

– Fala sério, Ricardo. Quem sou eu para te julgar? O coração quer o que o coração quer. Para com essas inseguranças.

– Sei lá. Você não me acha fútil por estar louco só porque ele é bonitinho?

– Não. Se você está apaixonado por ele e vai se sentir feliz, então, por que não?

– Sabe, prefiro levar ele para casa comigo do que namorar de novo. É menos dor de cabeça e dura mais.

– Se duvidar, dura mais do que muitos namoros por aí.

– Meu ano novo não vai ser o mesmo sem ele. – Ricardo se convencia de que estava fazendo a coisa certa.

Faltando quinze minutos para as lojas fecharem, Ricardo e Bernardo voltaram ao local onde o amigo se apaixonou. Era inevitável lutar contra aqueles sentimentos. Ricardo não era forte o suficiente.

Bernardo se sentou enquanto assistia a cena. Não havia nada mais gratificante do que ver o seu amigo cheio de vida.

– Oi... Voltei. – Ricardo disse para a mulher que o olhava com esperança – Vou querer aquele par de sapatos.

– Eu sabia que você não ia resistir. – Bernardo comentou enquanto os dois riam.

– Não vejo a hora de usá-lo. – Ricardo imaginava como seria o seu look da noite.

A vendedora os levou para fora e em instantes a loja fechou.

Sua paixão durou até o dia em que Ricardo passou em frente à vitrine e ficou encantado. Tentava se controlar, mas não adiantava. Era apaixonado por sapatos.

*Ben Oliveira é blogueiro, escritor e jornalista

Comentários

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana