Pular para o conteúdo principal

Destaques

Reflexão sobre tempos de pandemia no Brasil

Sexta-feira reflexiva. Caos coletivo por causa de egoísmo individual. Elegeram um analfabeto científico: aliás, o brasileiro adora eleger analfabetos.

Fez promessas para deus e o mundo e agora, além de estar afundando, quer, ironicamente, afundar junto seus eleitores que em grande parte representa grupos de risco, como idosos.

Um político que representa tudo o que eu desprezo.

Para alguns, ele tira a máscara; para outros, nada novo no horizonte.

Com tanto despreparo e ignorância nem as funerárias vão sorrir: afinal, muitos nem vão poder velar seus familiares.

Coronavírus não é uma histeria; histeria é o delírio de um mitomaníaco no poder.

É muito bizarro ver negacionistas da ciência que são da área da saúde. Escolheram o nicho errado... Aproveita a pausa para se reinventar e mudar de área. O mundo agradece.
Sobre o autor:
Ben Oliveira é escritor, blogueiro, jornalista por formação e Asperger. É autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem 

Documentário sobre o Budismo e a história de Buda

O Budismo e a história de Buda têm atraído a atenção de pessoas do mundo todo, desde o seu surgimento. Visto como uma religião, filosofia de vida, ciência da mente ou alternativa terapêutica para lidar com os problemas, um vídeo do Youtube, de 1 hora e 34 minutos de duração, compilou alguns documentários sobre o budismo, no qual a figura de Sidarta Gautama é revelada e quais foram os seus caminhos em busca da iluminação e transformação em Buda (aquele que desperta).

Assim como Buda alcançou o Nirvana e aprendeu a controlar a própria mente, milhões de pessoas procuram no budismo uma maneira de encontrarem paz e felicidade e lidar com os sofrimentos da vida, através da meditação e do equilíbrio.

Popularmente conhecido como Buda, Siddhartha Gautama tem uma história inspiradora. Apesar de ser visto como uma lenda, Buda foi um homem que se aventurou em busca da sabedoria. No documentário, vimos que Sidarta teve uma infância cercada pela riqueza e luxo, cujo pai acreditava que assim o privaria dos sofrimentos da vida e ele fosse se tornar o Imperador da Índia.

Introspectivo e curioso, Sidarta Gautama passa por quatro jornada, cada uma com um aspecto da vida: na primeira ela vê um homem velho, na segunda um homem doente, na terceira a morte e na quarta um homem espiritual. Aprendendo sobre os sofrimentos que ele desconhecia, pois havia sido privado por seu pai, o impacto das jornadas fizeram com que o homem se interessasse pela espiritualidade. Então, depois de casar e ter filhos, Sidarta abandou sua família e casa para buscar as respostas da vida.

Com uma jornada marcada por novas descobertas, Sidarta aprendeu mais sobre a meditação e alteração dos estados de consciência e refletiu ao ver um tocador de cítara, percebendo que “é no meio que se encontra perfeita harmonia”.

Depois de aprender que a resposta estava no caminho da moderação, Sidarta fica embaixo de uma árvore e decide sair de lá somente depois que alcançar a sabedoria que desejava. Então, ele enfrenta Mara, o Senhor do Desejo, que, na verdade, é a representação de todos os seus desejos. Sidarta Gautama enfrente seus próprios desejos, suas próprias tentações e demônios, ao se focar no movimento da respiração e descobre que é capaz de se equilibrar. “A terra é minha testemunha”, disse o homem ao tocar o chão.

Sidarta passa a se chamar de Buda, “o desperto iluminado”. Ele cria o Dharma, com as leis fundamentais e se dedica até o resto da sua vida a ensinar o que tinha aprendido aos outros sobre o caminho da iluminação e ajudá-los a conquistarem o que o próprio Buda levou anos para entender. O sucesso de Buda na Índia e no mundo se dá ao fato dele ajudar os humanos a lidarem com a questão do sofrimento, do universo interior e da própria mente, responsável pela insatisfação e sofrimento.

Confira o documentário sobre o Budismo e a vida de Buda:

Comentários

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!