Pular para o conteúdo principal

Destaques

12 Graphic Novels que você precisa ler

Começou como uma forma de experimentação na leitura. Apesar de gostar de tirinhas, nunca tinha me aventurado pelo universo das graphic novels, como aconteceu há alguns anos – pelo menos, não de forma que me interessasse.

Percebo que cada vez mais pessoas estão se interessando pelos diferentes formatos de narrativas. Acho válida toda forma de contação de histórias e acredito que elas podem criar experiências complementares. Há espaço para todos gostos.


Com doze indicações de leitura, dá para ler um livro por mês ou ler todos em um só mês, dependendo do ritmo de leitura e da fome por histórias de cada um. Entre temáticas mais sociais e outras mais fantasiosas, as graphic novels podem ser uma porta de entrada para outros livros, como podem ocupar um espaço central no coração de quem é aficionado por histórias ilustradas.

Histórias que podem ir muito além de um passa-tempo, como se acreditava antigamente, mas também proporcionar reflexões sobre a vida, juntando o melhor dos dois mundos: d…

Resenha: Sufoco – Ricardo Bellissimo

Sufoco é o romance thriller do escritor brasileiro Ricardo Bellissimo, publicado em 2008, pela Via Lettera Editora. O protagonista do livro é Ademir, um jovem de 17 anos que trabalha em uma pizzaria e participa de um esquema de tráfico de drogas, onde ele vende as pizzas e as drogas sem o dono da pizzaria desconfiar.

Ricardo Bellissimo consegue captar bem a essência dos seus personagens. Além de Ademir, a narrativa também conta a história de Gláucia e Helô. Os três personagens são moradores do Jardim Macedônia, periferia de São Paulo. Com a sua linguagem ácida, estilo do escritor Ricardo Bellissimo, a vida dos seus personagens são narradas sem hipocrisias e com uma naturalidade tão grande que em alguns momentos é possível se perguntar se o livro não se trata de um livro-reportagem e se Ademir, Gláucia e Helô não são simplesmente frutos da imaginação do autor, mas pessoas de carne e osso.

O primeiro parágrafo do livro Sufoco já é um convite para o leitor continuar se aventurando pelas páginas. O narrador descreve uma morte, levando a pessoa que está lendo a se questionar quem morreu, por que e quem foi o responsável pelo assassinato. A cena é instigante, na qual se imagina lama, sangue e um cadáver.

Ao longo das páginas, a narrativa em terceira pessoa mostra o ponto de vista dos protagonistas e o narrador mergulha no âmago dos personagens, descrevendo sem limitações os seus desejos, sonhos, falhas, crenças, objetivos, frustrações, vícios, fantasias e obsessões. Tudo é descrito com tanta precisão, que é como se o narrador estivesse observando não só o dia-a-dia de suas personagens, mas também as dissecando e observando o que se passa em suas mentes e almas.

A barreira entre ficção e realidade, às vezes, desaparece. Os personagens de Sufoco são redondos – tridimensionais (com características sociológicas, fisiológicas e psicológicas bem exploradas), dando mais consistência à narrativa e se aproximando da vida real. Ademir, por exemplo, é um jovem que se envolve com o tráfico de drogas, mesmo sabendo da história de sua família e do sofrimento que a mãe passou por causa do pai alcóolatra e da irmã prostituta. Mais do que uma forma de ganhar dinheiro, Ademir encontrou no tráfico uma maneira de sustentar o seu vício de cocaína.

Depois de Ademir que é o protagonista anti-herói do livro, sua namorada Gláucia e a vizinha e colega de trabalho dela Heloísa roubam a cena com suas personalidades. Embora oriundas da mesma periferia, cada uma tem visões e ambições diferentes. Gláucia e Helô são operadoras de telemarketing de uma grande empresa, enquanto a primeira está sempre reclamando de tudo, odeia ligar para as clientes oferecendo serviços e produtos que nem mesmo ela gosta e não consegue parar de pensar no namorado Ademir, a segunda é ambiciosa e narcisista, uma mulata que deseja ser notada pelos homens poderosos da empresa, se dedica no trabalho para subir na vida e sonha em conquistar um lugar ao lado do presidente da empresa e sair de vez da periferia.

O escritor consegue mergulhar de uma forma intensa nos personagens e trazer à tona o que os torna tão atraentes e repulsivos ao mesmo tempo. Dentro de uma mesma periferia, os sonhos são diferentes, no entanto Ricardo Bellissimo retrata fielmente a influência dos meios de comunicação de massa, como as novelas televisivas, os programas religiosos e os filmes têm na vida dos personagens, além da religião que é vista como a responsável por resolver os problemas, confortar e tirá-los da miséria. Embora seja escasso ou vindo de forma ilegal, o dinheiro é valorizado como um Deus pelos personagens principais e a luxúria está atrelada a cada pensamento.

Os conflitos surgem na narrativa desde o início. Ademir, por exemplo, lida com a morte de colegas e, às vezes, ele mesmo precisa colocar o fim na vida de alguém para não estragar o seu esquema de drogas. A vida dos personagens do livro muda desde o dia em que Ademir cruza pela primeira vez com Renatinha, uma jovem loira de classe alta que comprou drogas com ele e por quem ele se encantou. Renatinha é o catalisador do drama.

Um jogo de ciúmes, vingança, mentiras e ambição começa. O leitor não consegue parar de ler até saber qual é o desfecho da história. Ricardo Bellissimo descreve situações em que os personagens seguem seus instintos e participam de eventos chocantes, mas com os pés na realidade. Um thriller que encanta pelo suspense e pelas emoções atrás dos personagens e apresenta tantas informações de fundo, que o leitor se surpreende pela maneira que o narrador conhece bem a história e a vida dessas pessoas, dando aquela sensação de que antes mesmo do que foi contado no livro, as personagens já tinham uma vida.

Ricardo Bellissimo consegue manter o interesse do leitor e mostra como sua bagagem cultural e habilidades de observar e contar histórias podem fazer toda a diferença na hora de escrever. Do começo ao final do livro todos as sub-tramas são resolvidas, não deixando nenhuma ponta solta, impressionando o leitor com o timing e autenticidade. O leitor ora torce pelos delírios dos personagens, ora os enojam, tudo menos a indiferença. Um choque página após página. Sufoco é o tipo de livro para quem não curte hipocrisias e não tampa o sol com a peneira, para quem enxerga sombras na luz e sabe que nem tudo o que brilha é valioso. A verdade fria, dura e sangrenta, da realidade da periferia, mas que também é repleta de sonhos, paixões e amores.

Sobre o autor – Ricardo Bellissimo nasceu em 1969, na cidade de São Paulo. Escritor, jornalista e historiador. Livros publicados: a novela Libido Siamesa (vencedora do prêmio I Festival de Literatura Universitária, 1998), o romance Sombras e Nefastos (2003), o romance Sufoco (2008) e Negro Amor.

Sobre a Editora – Fundada em 1997, por dois profissionais do mercado editorial, Monica Seincman e Jotapê Martins, a Via Lettera sempre buscou oferecer uma linha de publicações diversificadas e de amplo alcance cuidadosamente traduzidas e editadas.

Comentários

  1. Ola Ben, que legal que você já leu o Sufoco, eu terminei ontem, e fiquei realmente adrenalinado. Até demorei a pegar depois no sono.
    Esse Bellissimo escreveu mesmo um belíssimo thriller, e que junta um monte de estilos, suspense, tragicomédia, humor negro que eu nunca vi igual, amor e complôs, e sobretudo uma crítica ferrenha à sociedade brasileira, além de uma descrição muito realística e fabulosa dos personagens, como você mesmo diz, aqui, nessa sua ótima resenha.
    Fazia tempo que eu não lia um livro assim, e em tão pouco tempo, e com o coração a milhão. Caramba, me impressionou profundamente o estilo do autor.
    E legal também que você tá divulgando uns livros bem bacanas em seu blog.
    Abraços, Fernando Reis (São Paulo – SP)

    ResponderExcluir
  2. Uma crítica deliciosa de se ler. Ricardo Bellissimo consegue captar bem a essência da periferia de São Paulo e brincar com esse contraste social entre riqueza e pobreza, sonhos e ilusões.
    Obrigado pelo comentário, Fernando! Volte sempre ao blog.
    Abraços

    ResponderExcluir
  3. Oi Ben , eu já li esse super livro, e o qe mais me chamou a atenção foi que cada capítulo começa com uma surpresa incrível, vc vai sabendo de quem se trata à medida que vai lendo, os capítulos são super bem construídos, e isso me prendia página por página. E o q eu tb achei muito bom foi que a narrativa combina com a ação, uma coisa que parece totalmente ligada a outra. Gostei tanto de Sufoco, que já li todos os livros deste escritor, e se vc puder me indicar outros livros nesse estilo, fico agradecida. Obrigada Sandra G. Nakamura (de Florianópolis)

    ResponderExcluir
  4. Como não amar um livro assim?
    Ótima resenha Ben, não conhecia nem o livro e nem o autor :)

    www.chadecalmila.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Camila! Fico feliz que tenha gostado da resenha ^^
      Vale a pena ler os livros do Ricardo Bellissimo.
      Já estou ansioso para o próximo romance.
      Beijos e volte sempre!

      Excluir
  5. Oi Ben!

    Não conhecia o livro, mas gostei muito da trama. Adoro histórias que envolvem mistério e suspense. Gostei de saber que o livro ainda faz uma crítica sobre a influência da mídia na sociedade e que os personagens são bem construídos. Gostei muito da resenha.

    Abraço

    http://poesiasprosasealgomais.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite, Fran! Fico feliz que tenha gostado da recomendação. Sugiro também Sombras e Nefastos e Negro Amor, ambos romances do mesmo autor. São ótimos!

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana