Pular para o conteúdo principal

Destaques

Happy Old Year: Filme explora a linha tênue entre o desapego e a nostalgia

O filme tailandês Happy Old Year , de 2019, nos faz pensar sobre as relações que construímos com as coisas que guardamos ao longo da vida. Com direção e roteiro de Nawapol Thamrongrattanarit, a obra está disponível na Netflix. Chutimon Chuengcharoensukying interpreta Jean, uma mulher que deseja fazer um escritório em sua casa, mas se dá conta de que há uma pilha de objetos inutilizados pela casa. Interessada e inspirada pelo minimalismo, se dependesse só dela, ela colocaria tudo em sacos de lixo e jogaria fora, o que ela descreve como buracos negros, porém, à medida que ela coloca o seu plano em ação, Jean percebe que não será tão fácil como imaginava. Com a resistência da família a mudar, Jean encara de frente sua missão, doa em quem doer. O que deveria ser fácil e prático para ela, cuja necessidade é vista até mesmo como egoísmo, acaba se desdobrando em várias situações, fases e etapas conforme ela mergulha nas histórias, memórias e emoções que estão vinculadas aos objetos, especialm

Novidade: A Festa – Felipe Sales Mariotto

Lançado em abril de 2014, pela Editora Multifoco, o livro com temática gay, A Festa, de Felipe Sales Mariotto, aborda a beleza, o erotismo, o dinheiro e o luxo de um grupo de modelos, até que um acidente acontece, mudando o rumo das coisas.

Sinopse: “A beleza é, sem dúvida, o maior cartão de visita de uma pessoa. E quem as possui, sabe muito bem disso. 

Richard, Ítalo, Isabelle, Pedro e Pablo são modelos exuberantes, em constante uso de sua arma natural de sedução. Corpos esculturais que são como ímãs para os relacionamentos fugazes, para o sexo fácil e sem preconceitos, e que destravam com facilidade as portas mais difíceis. A vida até parece uma festa.

Mas o jogo da vida nem sempre segue uma trilha linear. Richard sofre um grave acidente ao fugir de um assalto e se depara com uma nova realidade: entre cicatrizes físicas e emocionais, tem de abandonar a carreira de modelo. Foi iludido com o mito da beleza incondicional, e agora tem que enxergar um mundo onde as portas se fecham subitamente. Preso na lama pessoal, apenas a vingança o alimenta, principalmente contra Ítalo, que era seu namorado, mas que o abandonou por uma oportunidade de carreira em Paris, justamente no momento em que Richard mais precisava de apoio.

Ítalo teve uma vida bastante difícil antes de ser modelo. Tinha sido garoto de programa e viciado em drogas, até Richard e seus amigos o ajudarem. Ele tinha amor, um lar e boas companhias, mas jogou tudo para o alto em busca da fama e do dinheiro. Também quebrou a cara.

As embalagens bonitas descortinaram alguns produtos podres. Relações fúteis e traições comuns. Alguns aprenderam antes: tudo se transforma. O novo fica velho e enrugado, o bonito fica feio e o rico pode empobrecer. Resta o cerne, a essência de cada um, que é a verdade maior. Esta pode usufruir das alegrias e aprender com os tropeços. Richard, entretanto, só aprendeu depois de muito sofrimento e da outra festa, diabolicamente planejada, a da vingança. 

Belos e malditos vivem uma história de altos e baixos, luxúria e cobiça, amor e ódio. Realidade impactante como enredo de uma lição que precisa ser dada e aprendida, mesmo que demore, mesmo que seja da pior maneira possível”.

Sobre o autor – Felipe Sales Mariotto nasceu no Rio de Janeiro. Médico, formado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. A Festa marca a estreia do autor no universo literário.

Confira a página de A Festa no Facebook. O livro está disponível nos sites da Livraria Cultura, Amazon, Livraria da Travessa e Editora Multifoco.

Comentários

Mais lidas da semana