Pular para o conteúdo principal

Destaques

Revolutionary Love: Série coreana de drama explora o abismo que divide as classes sociais

Embora muitos dramas coreanos pequem na representatividade de diversidade racial e deem pouquíssimo espaço para estrangeiros e imigrantes, a série Revolutionary Love (2017) da tvN e no Brasil disponível temporariamente pela Netflix , acaba indo além dos elementos de comédia e romance, mostrando o drama das diferenças de classes sociais , os preconceitos e a possibilidade de imersão nesse mundo desconhecido pelo filho do dono de um dos maiores conglomerados de empresas da Coreia do Sul . A ingenuidade e a ignorância da realidade das classes trabalhadoras tornam o protagonista um tanto embaraçoso, lembrando de forma vaga a jornada de Buda quando conheceu a realidade fora do palácio e foi confrontado com a fome, a doença, a pobreza e a morte. Longe de ser uma série com alguma alegoria espiritual, mas do ponto de vista do comportamento é interessante acompanhar como Byun Hyuk (Choi Si-won) se torna mais empático e humanizado quando seu caminho cruza com o de Baek Joon (Kang So-ra) . E

Filme: Blue Jasmine – Comédia dramática do Woody Allen

Blue Jasmine é um filme de comédia dramática, dirigido e escrito por Woody Allen, de 2013, estrelado pelos atores Cate Blanchett e Alec Baldwin (que também participou de Para Roma, Com Amor, do mesmo diretor). Jasmine é uma socialite, com conflitos internos mal resolvidos que vai morar com a irmã depois de perder todo o seu dinheiro.


A protagonista é narcisista, egocêntrica e sente desprezo pela vida da irmã – ambas foram adotadas, mas Jasmine sempre se sentiu melhor do que Ginger (Sally Hawkins). Então, não é preciso ser nenhum expert em psicanálise para perceber o quanto Jasmine projeta na irmã tudo o que a incomoda nela mesma: ela diz que a irmã não sabe escolher um bom homem, que ela precisa mudar a vida e arranjar um emprego melhor, enquanto a própria protagonista perdeu tudo por causa do ex-marido que sonegava impostos, a traía e abandonou a faculdade, para se casar com o homem rico.

Jasmine pouco se desenvolve do início ao final do filme, é meio agoniante, tentando colocar sua vida em ordem, mas não conseguindo. Ela sofre com alguns ataques histéricos e fica depressiva, um ótimo trocadilho do nome Blue Jasmine. Da parte da protagonista, difícil é rir com tantas coisas tristes que acontecem. Já Ginger, influenciada pelos comentários da irmã, acaba ficando presa dentro do seu próprio ciclo e também quebrando a cara, porém por ser mais resiliente, logo dá a volta por cima. Ah, diferente de Jasmine que tinha uma vida luxuosa, Ginger trabalha num mercado, tem dois filhos e um ex-marido.

Dei poucas risadas assistindo ao filme, mas é inegável que há certa graça na melancolia da mulher. Uma das falas que me fez gargalhar foi quando ela diz:


"Com quem eu tenho que transar por aqui para conseguir um martíni com um toque de limão?" 

A protagonista idealizou uma vida toda para ela, e depois de sua fantasia desmoronar, as estruturas dela também se rompem. É engraçado vê-la tendo seus pitis, diminuindo a irmã por causa do namorado mecânico, reclamando do tamanho da casa, quando Jasmine está sem rumo, está sempre bebendo ou precisando de seus remédios e quase se casa novamente para fugir dos problemas.


O tipo de história que não tem um final feliz e encanta por ter uma dose de realismo. O mundo criado por Jasmine é tão vazio, que ao mesmo tempo em que rimos dela, sentimos vontade de abraçá-la, principalmente, quando ela não entende que a irmã "menos favorecida" é feliz do jeito que é e não precisa de uma fantasia para se sentir completa.

"Algumas pessoas, elas não colocam as coisas para trás tão fácil"

O filme Blue Jasmine ganhou 44 premiações e teve 49 nomeações. A maioria dos prêmios foram de melhor roteiro para o Woody Allen, melhor atriz para Cate Blanchett e melhor atriz coadjuvante para Sally Hawkins.

Assista ao trailer de Blue Jasmine:



Não deixe de ver: Filme: Frances Ha – comédia dramática sobre seguir sonhos e amadurecer

Comentários

  1. Cate Blanchett é uma baita atriz. Não vi esse filme ainda, mas há algum tempo já estava rondando. Ainda mais após ler e ouvir opiniões positivas do filme. Além do meu irmão ser fã do Woody Allen e ficar falando, rs. Minha lista de filmes para assistir anda tão grande que ainda não sei quando vou ver esse, mas parece interessante.

    www.nataliamenezes.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Natália!

      Muito obrigado pela visita e comentário! Assim que tiver um tempinho, assista. Não deixe de ver também Vicky Cristina Barcelona, também do Woody Allen. Aliás, os filmes dele costumam me cativar. Para Roma, com Amor e Meia-Noite em Paris também são incríveis!

      Abraços e volte sempre!

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana