Pular para o conteúdo principal

Destaques

Sobre rabiscos e telas brancas

A tela branca pode ser um convite à explosão criativa ou uma tortura ao artista que sente seu espírito definhando diante da pesada realidade. Em tempos de crise e ódio, a arte fica esquecida e é vista como desimportante; ironicamente, é quando mais precisamos dela, de algo que nos faça sentir vivo e toque as partes atordoadas.


O som dos dedos se movendo pelo teclado era como fantasmas de uma vida distante. É incrível perceber quantas vezes nós deixamos algumas partes nossas morrerem ao longo de nossas existências; as máscaras, antes tão confortáveis, agora incomodam e não nos servem mais. Leva tempo até ficarmos satisfeitos e ajustados à nova realidade. Viver é admitir que sabemos pouco sobre nós mesmos e há sempre algo novo que pode nos transformar, seja para o bem ou para o mal.

O artista encara a tinta respingando pela tela. Para o espectador sem intimidade, nada faz sentido, a desconexão de ideias é tormentosa; para ele, o lembrete de que sua arte nunca o abandonaria. Como poderia…

Resenha: Pingente de Sangue – Leonardo Ottonelli

Pingente de Sangue é o livro de estreia do autor Leonardo Ottonelli, com 108 páginas, publicado pela Cultura em Letras Edições. A novela narra a história de um jovem inglês chamado Bryan que acaba descobrindo uma sociedade em Londres com segredos sobre os seus descendentes que farão mudar a vida dele.

Narrada em terceira pessoa, a história apresenta ao leitor o artista Bryan. Ele conhece os membros de uma sociedade, com pessoas aparentemente bem sucedidas, e uma das mulheres presentes lá o impressiona. Ao receber um pingente de sangue, ele descobre que não foi convidado ao acaso pelos membros e que a missão deles é derrotar as criaturas sugadoras de sangue.

Para quem gosta de histórias de vampiros, logo na apresentação, o autor compartilha sua fascinação pela ficção que aborda o universo vampiresco, seja dos livros escritos por Anne Rice: Entrevista com o Vampiro e A Rainha dos Condenados, ou pelos filmes e seriados norte-americanos. “Percorrendo as ruas de Londres, trouxe a vocês um herói que tem sua humanidade indo de encontra com a imortalidade e muitos mistérios a desvendar”, afirma Leonardo Ottonelli.

O ritmo da história passa bem rápido. Desde o momento em que Bryan se envolve com os membros da sociedade, tudo vai se transformando ao seu redor. Ele ganha um pingente de sangue que o protege dos vampiros, porém sua maior vulnerabilidade é a sua humanidade.

Então, algumas coisas acontecem, as quais eu não vou contar para não estragar a surpresa, e após a primeira reviravolta, colocando a vida de Bryan de pernas para o ar e tornando-o mais interessante.
A narrativa lembra as histórias tradicionais de vampiros, porém a objetividade da escrita e a velocidade que os eventos vão acontecendo, não permitem ao leitor mergulharem totalmente. Alguns capítulos são curtos e outros mais longos, essa quebra do ritmo ajuda a não deixar o texto maçante, deixando-o no meio termo, entre o conto e o romance.

As ilustrações de O Pingente de Sangue são bem bacanas e ajudam o leitor a visualizá-la melhor em sua cabeça. Todavia, se os capítulos fossem um pouco mais longos e as descrições melhores desenvolvidas (Mostrar Mais, Contar Menos), dando mais espaço ao leitor para tirar suas próprias conclusões. Por exemplo, a técnica de “Show, Don’t Tell” ao invés de dizer que alguém é bonito ou feio, assustador ou glorioso, descrever o personagem e através dessa leitura, deixá-lo vivenciar o momento.

Do início ao final do livro, o leitor acompanha os desafios de Bryan, com direito a uma batalha entre homens e vampiros que decidirá o destino da humanidade. Terminei a leitura com um gostinho de quero mais, com a impressão de que a história poderia ser um pouco maior, para que a narrativa se tornasse mais envolvente. O clímax e a resolução dos conflitos estão muito próximos, diminuindo o tempo destinado ao leitor vibrar ou sofrer com os personagens. Quando ele se dá conta já chegou o final.

No geral, O Pingente de Sangue é interessante, mas o fato de que além de blogueiro eu também sou escritor, me fez perceber alguns desses elementos da narrativa de ficção que poderiam tornar o livro mais emocionante. É claro, lembrando sempre que a opinião é subjetiva, e esse ritmo rápido que me incomodou, pode ser justamente o que agradará a um leitor que gosta de histórias curtas e velozes. Eu, por exemplo, adoro Anne Rice, apesar de achar alguns de seus romances longos demais, porém são nesses excessos de detalhes que ela conseguiu imortalizar os seus personagens. Desde que conheci Lestat, é impossível não ler uma história de vampiro e não relacionar a ele.

Minha recomendação para qualquer livro resenhado é: resenhas servem para te orientar sobre o que vem pela frente, mas cabe a cada um ler a obra para tirar suas próprias conclusões, já que cada leitor tem sua bagagem cultural, sua diferente maneira de enxergar a vida e se relacionar com as palavras.

Sobre o autor – Leonardo Ottonelli nasceu em Selbach, no Rio Grande do Sul. Formado em teatro, ele já atuou em diversos espetáculos, é cantor, compositor, ilustrador e O Pingente de Sangue é o seu primeiro livro.

O Pingente de Sangue pode ser adquirido no site da Cultura em Letras Edições.

Comentários

  1. adorei a resenha , vontade de ler o livro, adoro livros de vampiros.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Também gosto de livros de vampiros... Fico feliz que tenha gostado da resenha e se interessado pelo livro ^^

      Ele está disponível no site da Cultura em Letras Edições: http://www.culturaemletrasedicoes.com.br/

      Abraços e volte sempre!

      Excluir
  2. Olá Ben Oliveira,
    eu gostei muito do seu blog, me identifiquei demais com sua forma de escrever.
    Estou bem curiosa para ler esta obra também!
    Abraços!!!

    Att.
    Thays Sena
    http://thatasenacultural.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Thays!
      Só tenho a agradecer por sua visita e comentário. Fico muito alegre quando vi seu comentário. É tão bom saber que o conteúdo do blog tem agradado aos leitores... Afinal, só ter o espaço ou ter leitores, não é motivo suficiente para saber que o blog está indo pelo caminho certo.
      De qualquer forma, obrigado!
      Abraços

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana