Pular para o conteúdo principal

Destaques

The Good Detective: Série coreana policial sobre antigo caso e a busca pela verdade

The Good Detective é uma série coreana policial que aborda um caso antigo, cujo julgamento levou à sentença de condenação de morte do acusado. Um detetive novato no departamento e um veterano se juntam para descobrir se aconteceram falhas nas investigações policiais. A série está disponível na Netflix . Com 16 episódios em sua primeira temporada, três personagens se destacam: o detetive que participou da investigação do caso, Kang Do Chang (Son Hyeon-ju) , o jovem detetive Oh Ji Hyuk (Seung-jo Jang) e a jornalista investigativa Jin Seo Kyung (Elliya Le) . Quando um novo caso de um suposto assassino confesso da filha do homem condenado ganha a atenção da mídia, muitas dúvidas pairam no ar sobre as motivações e os possíveis envolvidos, fazendo com que os detetives discretamente se aprofundassem nas investigações, mesmo sabendo que poderiam prejudicar as próprias carreiras. Kang é movido pela consciência pesada de ter sido parte do caso do condenado possivelmente inocente sofrer pena de

Resenha: A Distância entre Nós – Thrity Umrigar

Capa do livro A Distância entre NósO livro A Distância entre Nós, da escritora e jornalista indiana Thrity Umrigar, é um romance sobre duas mulheres: Sera e Bhima, sendo uma a patroa e a outra empregada, ambas ligadas por um fio prestes a romper a qualquer instante. A obra, de 331 páginas, foi traduzida por Paulo Andrade Lemos e publicada pela Editora Nova Fronteira, em 2006.

A narrativa do livro me lembrou bastante Transgressões, da escritora paquistanesa Uzma Aslam Khan. O que os dois romances têm em comum? Os contrastes sociais, as diferenças culturais relacionados à cultura brasileira e arte de tecer histórias, como se estivesse costurando: as vidas dos personagens se cruzam de maneira orgânica e a riqueza e a pobreza andam lado a lado, mas não de mãos dadas.

“Elas eram parecidas em muitos aspectos. Apesar das diferentes trajetórias de vida – circunstâncias que agora acha que foram determinadas pelos acidentes de seus nascimentos –, ambas conheceram a dor de ver murchar a flor de seus casamentos”.

Bhima tem uma história de vida triste, marcada pelo seu analfabetismo e pelos trabalhos domésticos, um ciclo que ela tenta quebrar com sua neta Maya, a primeira da família dela a ter a oportunidade de entrar para a universidade. A patroa de Bhima, Sera é uma mulher elegante e com boa educação. Os sofrimentos das duas mulheres são tão próximos e tão diferentes: as duas lidam com a perda (morte ou distanciamento), com a opressão dos homens, com os costumes morais e familiares (embora em níveis diferentes!).

Narrada em terceira pessoa, a história mescla o presente e o passado, através dos flashbacks, mostrando o núcleo narrativo de Bhima e de Sera. O que essas duas mulheres fizeram de suas vidas para merecerem a crueldade de seus destinos? Bom, em primeiro lugar, elas moram na Índia, onde assim como no Brasil, moradores da favela e a classe média vivem próximos, mas possuem qualidades de vidas bem diferentes.

“Seu silêncio enfureceu Bhima. Queria tirar sangue da neta; mais que isso, porém, queria arrancar lágrimas de Maya, como se as lágrimas fossem batiza a ambas, como se fossem purificá-las e lavá-las desse mal que se infiltrou feito um verme em suas vidas”.

A Distância entre Nós aborda não só as diferenças financeiras das duas mulheres, mas também sociais e religiosas. Quem ler nas entrelinhas perceberá desde o início como a história se desenvolverá. São nos mergulhos aos passados dos personagens que o leitor encara algumas críticas a respeito das questões culturais, como a presença dos membros da família numa mesma casa, mesmo com seus conflitos; As dificuldades enfrentadas por quem não têm ensino e oportunidades de melhorar de vida; As condições deploráveis das vidas das favelas e intensificadas pelas diferentes castas indianas, por exemplo, mesmo Bhima sendo praticamente da família por causa de todos os anos de trabalho, ela não pode se sentar nos móveis de Sera, precisando ficar de cócoras.

“Talvez o tempo não cure as feridas de jeito nenhum, talvez essa seja a maior mentira de todas. Em vez disso, o que acontece é que cada ferida penetra mais e mais fundo no corpo até que um dia você descobre que a própria geografia dos seus ossos – os traços do seu rosto, a forma dos seus quadris, o ângulo dos seus ombros, e também o brilho dos seus olhos, a textura da sua pele, a franqueza do seu sorriso – sucumbiu sob o peso das mágoas”.

Além dessas marcantes diferenças na vida das duas mulheres, as duas lidam com a gravidez em suas famílias: motivo de orgulho para uma e de vergonha para outra. Outro ponto muito legal ao longo do livro são as metáforas utilizadas pela escritora, um recurso que dá mais impacto aos pensamentos, diálogos e narrações. Mesmo diante de tanta tristeza e miséria, Thrity Umrigar consegue escrever uma história linda, com um final libertador para as personagens.

Thirity Umrigar, autor do livro A Distância entre Nós

Sobre a autora – Thrity Umrigar é jornalista há mais de dezessete anos e escreve para o Washington Post, Plain Dealer, Boston Globe, além de outros jornais locais. Leciona redação criativa e literatura na Case Western Reserve University. Autora do romance Bombay Time (2001) e do livro de memórias First Darling of the Morning Selected (2003), ganhou o prêmio Nieman Fellowship da Harvard University. É Ph.D. em inglês e mora em Cleveland, Ohio.

Comentários

Mais lidas da semana