Pular para o conteúdo principal

Destaques

The Good Detective: Série coreana policial sobre antigo caso e a busca pela verdade

The Good Detective é uma série coreana policial que aborda um caso antigo, cujo julgamento levou à sentença de condenação de morte do acusado. Um detetive novato no departamento e um veterano se juntam para descobrir se aconteceram falhas nas investigações policiais. A série está disponível na Netflix . Com 16 episódios em sua primeira temporada, três personagens se destacam: o detetive que participou da investigação do caso, Kang Do Chang (Son Hyeon-ju) , o jovem detetive Oh Ji Hyuk (Seung-jo Jang) e a jornalista investigativa Jin Seo Kyung (Elliya Le) . Quando um novo caso de um suposto assassino confesso da filha do homem condenado ganha a atenção da mídia, muitas dúvidas pairam no ar sobre as motivações e os possíveis envolvidos, fazendo com que os detetives discretamente se aprofundassem nas investigações, mesmo sabendo que poderiam prejudicar as próprias carreiras. Kang é movido pela consciência pesada de ter sido parte do caso do condenado possivelmente inocente sofrer pena de

Resenha: Para Ser Escritor – Charles Kiefer

O livro Para Ser Escritor, de Charles Kiefer, de 160 páginas, publicado pela Editora LeYa, em 2010, traz algumas orientações para o leitor que tem interesse em aprender mais sobre o processo de criação literária. O autor compartilha sua experiência de mais de 25 anos como professor de Oficinas Literárias.

Charles Kiefer dedicou o livro aos seus alunos. Para Ser Escritor traz vários textos que abordam uma série de assuntos do processo criativo do escritor, desde a solidão do ofício, na qual são elaboradas as ideias e os rabiscos começam a ganhar forma, até suas metamorfoses – leitor, crítico, autor.

"Um escritor somente é escritor quando menos é escritor, no instante mesmo em que tenta ser escritor e escreve" – Charles Kiefer

O escritor e Professor de Escrita Criativa comenta sobre como da mesma maneira que o conto moderno apresentou um estilo mais veloz, a internet também proporciona uma transformação das narrativas, já que segundo Charles Kiefer, a literatura se espelha no mundo. Então, ele fez análises sobre como os blogs se tornaram ferramentas de publicação e de expressão, podendo servir como uma ótima forma de treino ao futuro escritor profissional e também de publicação – como já vemos acontecendo, alguns blogueiros que reúnem suas crônicas em livros.

Sobre as oficinas literárias, Charles descreve algumas situações que o incomodam, como a tentativa de alguns alunos de homogeneizarem suas escritas, a dificuldade de aceitação de críticas, a narrativa estruturada e sem vida, entre outras.

Para quem gosta de contos, o autor tece comentários sobre o gênero literário e dá ao leitor uma luz sobre a diferença entre essas narrativas curtas de ficção e as crônicas, sendo que a segunda está mais pautada na documentação da realidade e a primeira proporciona a criação de outro mundo, ainda que haja verossimilhança.

Entre os textos interessantes disponíveis no livro, dois me cativaram mais. O primeiro é intitulado A Má Literatura, na qual Charles Kiefer cita 8 características que estão presentes nas obras ficcionais mal construídas, como os personagens estereotipados  e os diálogos artificiais. O segundo se chama Quatro Mundos da Criação, no qual ele descreve quais seriam esses lugares ou etapas pelas quais os escritores passam, desde o primeiro contato com a ideia indefinida até sua concretização.

São tantos assuntos abordados, ainda que as extensões dos textos variem, até os mais curtos trazem informações valiosas. Ao mesmo tempo em que Charles Kiefer compartilha suas experiências que teve com seus alunos, ele acaba revelando algumas de suas particularidades, como sua preferência por lançamentos em livrarias, sua visão sobre os concursos literários, suas obsessões e por aí vai...

Nunca tive a oportunidade de fazer nenhum curso de criação literária com Charles Kiefer e também ainda não li suas obras de ficção, mas depois de ler o seu livro Para Ser Escritor, difícil é não se animar para aprender mais sobre a escrita. Uma leitura leva a várias outras e tão gostoso quanto se envolver com narrativas ou ler livros técnicos e teóricos sobre a escrita, é adquirir este conhecimento de maneira mais palpável e humana. Quando se é novato no mundo da escrita e um escritor veterano, premiado e que dá aulas sobre produção de textos está disposto a ensinar, não há como recusar. Recomendo a leitura!

Sobre o autor – Charles Kiefer nasceu em Três de Maio (RS), em 05 de novembro de 1958. Estreou na ficção, em 1982, com Caminhando Na Chuva. Ganhador três vezes do Prêmio Jabuti, em 1985, com a novela O Pêndulo do Relógio, em 1993, com o livro de contos Um Outro Olhar e em 1996, com Antologia Pessoal, entre outras premiações. Tem mais de 30 livros publicados no Brasil, na França e em Portugal, entre as editoras que o publicam no Brasil estão Ática, Record e LeYa.  Charles Kiefer é professor de Escrita Criativa, Produção de Textos Poéticos, Oficina de Criação Literária e Conto Brasileiro: Teoria e Prática, na PUCRS, e orientador de oficinas literárias particulares.

Para Ser Escritor pode ser comprado no site do Submarino, Livraria da Folha e Amazon (eBook).

Comentários

Mais lidas da semana