Pular para o conteúdo principal

Destaques

Resenha: Medicina dos Horrores – Lindsey Fitzharris

O ambiente do hospital causa pavor em algumas pessoas. Se nos dias atuais com tantos avanços, a ideia ainda é assustadora para alguns; tente imaginar como era a prática médica nos séculos passados. O livro Medicina dos Horrores, de Lindsey Fitzharris, narra a história de um médico que revolucionou o mundo das cirurgias do século XIX. A obra foi publicada no Brasil pela Editora Intrínseca, em 2019, com tradução de Vera Ribeiro.


Compre o livro Medicina dos Horrores (Lindsey Fitzharris): https://amzn.to/30e1xL0

Dá para imaginar que algumas pessoas gostavam de assistir cirurgias ao vivo? Ou que o cirurgião e o médico não tinham tanta importância quanto tem nos dias atuais? Medicina dos Horrores é uma viagem para um período em que muitas pessoas morriam dentro dos hospitais por causa das infecções.

Para quem não é muito fã de hospitais, algumas descrições das cirurgias podem causar um aperto no estômago, especialmente levando em conta os equipamentos e cenários da época, bem como era feita …

Pesquisa aponta que Ler Literatura desenvolve a mente e as relações interpessoais

Os pesquisadores David Comer Kidd e Emanuele Castano, do The New School for Social Research de Nova Iorque, descobriram que a Leitura de Ficção Literária Melhora a Teoria da Mente – a habilidade de entender os estados mentais de outras pessoas, o que possibilita uma melhor compreensão dos relacionamentos sociais das sociedades humanas e a habilidade de inferir as crenças e intenções de outras pessoas. A pesquisa foi publicada em Outubro de 2013, na Science Mag.


Kidd e Castano realizaram cinco experimentos para demonstrar como a leitura de obras literárias pode levar a uma melhor performance nos testes de afetividade e de cognição comparados aos leitores de não-ficção, leitores de ficção popular e não-leitores.

De acordo com os pesquisadores, uma das maneiras de promover a sensibilidade das relações interpessoais é por meio das práticas culturais e entre elas, está a leitura de livros de ficção. Entre as vantagens da leitura de ficção apontadas por Kidd e Castano estão: Aumento da simpatia (Compreender o outro) e Aumento do conhecimento dos outros.

“A ficção também parece expandir o nosso conhecimento da vida dos outros, ajudando-nos a reconhecer nossa semelhança com eles. Embora a ficção possa explicitamente transferir valores sociais e reduzir a estranheza dos outros, a relação observada entre a familiaridade com a ficção e a Teoria da Mente pode ser devido a características mais sutis do texto. Ou seja, a ficção pode alterar a forma como, não apenas o quê, as pessoas pensam sobre os outros”.

Ao longo da pesquisa, houve a distinção entre literatura e ficção popular, sendo que de acordo com as informações, a primeira havia uma tentativa de desfamiliarizar a linguagem, exigindo mais interação intelectual e criatividade dos leitores do que as obras de entretenimento populares e livros de não-ficção. A melhora da Teoria da Mente se dá pela possibilidade do leitor mergulhar em mundos fictícios com diferentes personalidades complexas, rompendo as expectativas e fugindo dos estereótipos e previsibilidade.


Dos cinco experimentos, o que demonstrou melhores resultados foi o com participantes que leram as obras de literatura (entre as leituras estavam excertos dos finalistas e ganhadores do National Book Award e Henry Prize de contos), enquanto os livros populares foram os best-sellers selecionados da Amazon.com e antologias recentes e os textos de não-ficção foram selecionados na Smithsonian Magazine.

David Comer Kidd e Emanuele Castano concluíram que a pesquisa foi um passo para ajudar a entender o impacto das nossas interações com a leitura de ficção, contribuindo para o desenvolvimento da consciência e de nossas vidas diárias.

“É nossa esperança que pesquisas futuras se foquem em outras formas de arte, como jogos e filmes, que envolvem identificar e interpretar as experiências subjetivas de outros”, afirmam.

Embora, nos Estados Unidos, a literatura seja usada em programas de promoção do bem-estar social, para promover a empatia entre os médicos e melhoria de vida dos reclusos, além de ser uma disciplina no Ensino Médio, há quem discuta sua real relevância. Kidd e Castano finalizam o artigo dizendo que os resultados da pesquisa mostram que a leitura de literatura de ficção pode aprimorar a Teoria da Mente em adultos, uma capacidade social complexa e crítica.

O artigo na integra (em inglês) pode ser lido no link a seguir: Reading Literary Fiction Improves Theory of Mind 

Comentários

Mais lidas da semana