Pular para o conteúdo principal

Destaques

Happy Old Year: Filme explora a linha tênue entre o desapego e a nostalgia

O filme tailandês Happy Old Year , de 2019, nos faz pensar sobre as relações que construímos com as coisas que guardamos ao longo da vida. Com direção e roteiro de Nawapol Thamrongrattanarit, a obra está disponível na Netflix. Chutimon Chuengcharoensukying interpreta Jean, uma mulher que deseja fazer um escritório em sua casa, mas se dá conta de que há uma pilha de objetos inutilizados pela casa. Interessada e inspirada pelo minimalismo, se dependesse só dela, ela colocaria tudo em sacos de lixo e jogaria fora, o que ela descreve como buracos negros, porém, à medida que ela coloca o seu plano em ação, Jean percebe que não será tão fácil como imaginava. Com a resistência da família a mudar, Jean encara de frente sua missão, doa em quem doer. O que deveria ser fácil e prático para ela, cuja necessidade é vista até mesmo como egoísmo, acaba se desdobrando em várias situações, fases e etapas conforme ela mergulha nas histórias, memórias e emoções que estão vinculadas aos objetos, especialm

Paralisia do Sono é explorada em documentário de terror The Nightmare

Pesadelos podem ser assustadores. A sensação de ser incapaz de se mover, gritar ou reagir, quando você quer acordar de um sonho ruim é uma das características da Paralisia do Sono. Rodney Ascher dirigiu o documentário The Nightmare, lançado nos Estados Unidos em 2015, com duração de 91 minutos, explorando personagens que passaram por essas experiências e compartilham suas próprias histórias.


The Nightmare mistura relatos reais com a produção cinematográfica para criar o efeito de um pesadelo para o telespectador, por meio das imagens, sons e efeitos especiais. Ver o próprio corpo e ser incapaz de acordar, criaturas sombrias, vozes: a linha tênue entre estar acordado e estar dormindo.

A paralisia do sono está relacionada à ansiedade e ao estresse (entre outras desordens do organismo) e muitas das visões estão relacionadas a personagens dos mitos, religiões e ficções, como demônios, extraterrestres, espíritos e demais presenças sobrenaturais.

Para quem gosta de filmes de terror, o documentário brinca com os limites ao retratar os pesadelos e desconfortos, proporcionando estranhamento no telespectador, como se ele próprio estivesse vivenciando a experiência, conforme é possível conferir no trailer de The Nightmare. Por ser baseado nestes relatos, o documentário foi considerado por alguns sites como o mais assustador do ano.


O site especializado em diferentes produtos midiáticos da temática do terror Bloody Disgusting chegou a comparar o documentário ao efeito proporcionado por A Hora do Pesadelo (A Nightmare on Elm Street), do diretor que morreu recentemente, Wes Craven, fazendo milhares de pessoas perderem o sono.

O próprio diretor do documentário Rodney Ascher teve episódios de paralisia do sono e contou ao Bloody Disgusting que o assunto sempre o fascinou.

"Quando mais recentemente eu descobri o número de pessoas que têm compartilhado suas histórias online [...] e como suas buscas por respostas eram, eu fiquei intrigado. Quando soube que a paralisia do sono pode ter inspirado folclore, superstição e até mesmo filmes de terror, eu fui fisgado”, afirma Rodney Ascher.

The Nightmare foi exibido em diversos festivais de cinema pelos Estados Unidos, além de outros países, como Japão, Rússia, República Tcheca, Austrália e Coréia do Sul. Ainda não há previsão se o filme deve ser exibido no Brasil: quem sabe futuramente nas plataformas de vídeo on-demand, como Netflix e iTunes.

Assista ao trailer do documentário The Nightmare:


Comentários

Mais lidas da semana