Pular para o conteúdo principal

Destaques

Resenha: Algum Dia — David Levithan

Pode o corpo alterar nossa percepção sobre a vida e o amor? E o que acontece quando todo dia mudamos de corpo e ainda assim tentamos manter um relacionamento? Em Algum Dia, do David Levithan, o leitor é levado a conhecer o desfecho da trilogia que encantou pessoas do mundo todo. No Brasil, a obra foi publicada pela Editora Galera Record, em 2020.

Compre o livro Algum Dia (David Levithan): https://amzn.to/3ifWxuE
Algum Dia foi um dos livros mais esperados por muitos leitores, entre eles: eu. Fui com muita expectativa na leitura. Não é que não tenha gostado do romance, mas senti falta de mais envolvimento entre os dois personagens principais. David Levithan nos deixa instigado por mais momentos entre Rhiannon e A, mas a narrativa acaba dando mais destaque para a condição do personagem sem corpo fixo.
"Agora eu sei: o amor não é tão simples. O amor nunca é sobre você dizer a si mesmo que deve fazer alguma coisa e então fazer. Nunca é sobre alguém te dizer que você deve fazer e por isso…

Crônica: Olhos Labirínticos

Me perdi na escuridão dos seus olhos. Fui teimoso, não segurei suas mãos. Agora estou aqui, sem saber para qual caminho seguir. Neste labirinto de espelhos borgeanos, todas as direções me levam até você.


Às vezes, basta que você sorria para que seus dentes acendam as estrelas dos meus olhos. Estamos longe de mais para que eu possa segui-lo por tempo suficiente. Vou para frente, me arrasto para a esquerda, pulo para a direita. Ensaio os passos do meu coração. A respiração descompassada, como a do músico que ainda não decorou a partitura e se concentra para não deslizar. O prazer do novo se mistura à ansiedade.

Me fale dos beijos que ainda não me deu. Me conte uma mentira para que eu possa sorrir. Diz que me adora e que um dia vamos nos conhecer. Me imagina ao seu lado, com minhas mãos como ondas em seu corpo, impulsionando um fluxo de calor para cada canto seu. Você sente essa conexão?

Seus lábios entreabertos me pedem mais. Sua respiração quente no meu pescoço. Eu te aperto com paixão e o cuidado de quem não quer amassar o seu livro favorito. Te folheio e o seu cheiro me penetra. Me liquefaço. Há um instante de rupturas, recomeços, respirações ofegantes.

Nossos olhos se encontram. Neste jogo de virtualidades, estamos juntos e separados ao mesmo tempo. Meu rosto queima. Se você soubesse as coisas que imagino. Te pinto no meu quadro e esparramo a tinta como quem quer criar um mundo só nosso. Em cada traço há um pedaço seu. E somente o artista consegue decifrar essas entrelinhas. Uma explosão de cores.

Te rabisco como quem quer imortalizar esse instante. Mergulhado nos clichês de minhas palavras, algo se esconde diante do óbvio. É preciso que se coloque as lentes certas. Se eu te emprestá-las pode ser que você nunca as devolva. Talvez não seja tão ruim. Talvez seja como te querer bem e me surpreender com a mão dupla, me revirando, queimando o sangue em minhas veias. Um beijo. Um beijo e tudo pode mudar.

“Beijos não mentem”, dizem. Mas meu beijo seria mentiroso, como os escritores costumam ser. Meu beijo diria que está tudo bem só curtir o momento e mascararia a pieguice desse platonismo que pode ser tão aristotélico quanto você seria capaz de imaginar. A verdade da verdade está no agridoce da despedida indesejada. Cedo demais, tarde demais.

Sem medo da distância. Sem medo de me apaixonar. Sem medo. A coragem sempre cobra o seu preço. Tão próximo, tão distante, neste universo virtual, seu reflexo é tudo o que eu tenho. No palácio da minha mente, você tem a coroa e o poder sobre o meu coração. Sua mão desliza pelo meu bolso e basta um piscar de olhos para eu entender. Não se trata de uma competição, de um assalto... Você me puxa, me abraça e sussurra: “É um reino grande para um só rei”.

Passo pelo espelho e estou sorrindo. Você me libertou só para depois me reencontrar. Hora de outro mergulho, outra aventura. “Nos vemos nos sonhos”. Fecho os olhos e sua imagem está ali, me encarando. Te convido para deitar. Um abraço apertado. As horas se dissolvem. Somos uma obra de arte inacabada. Nos reinventamos a cada toque, a cada pincelada, a cada olhar; descobrimos algo que não havíamos notado.

Seguro suas mãos e o quarto começa a tremer. Nossos mundos estão prestes a colidir, mais uma vez. Duas luas brilham no céu, nossos corpos se fundem como um mosaico. Podia ser um sonho, podia ser uma fantasia, mas abro os olhos e você está ali. A imagem congela. O fim é só o começo.

Comentários

Mais lidas da semana