Pular para o conteúdo principal

Destaques

Antraz: Documentário da Netflix revela investigações feitas pelo FBI durante anos

Um pouco após os atentados terroristas contra as torres gêmeas, em Nova Iorque, Estados Unidos, no 11 de setembro de 2001, uma ameaça de antraz colocou as autoridades, como o FBI em alerta, e espalhou pânico nos norte-americanos devido à facilidade de se espalhar sem as pessoas saberem.  Dirigido e roteirizado por Dan Krauss e produzido pela Netflix e pela BBC, 21 anos após o ataque e o primeiro caso de circulação do antraz, o documentário Antraz: EUA Sob Ataque (The Anthrax Attacks) leva o telespectador para as investigações do FBI que duraram anos. O que a princípio foi alvo de muita pressão para a solução do caso, principalmente pelo medo dos norte-americanos do esporo da bactéria continuar se espalhando pelas cartas e fazendo mais pessoas adoecerem e/ou morrerem, logo foi caindo no esquecimento conforme as investigações desenrolavam fora dos holofotes.  Com a proximidade do caso do ataque às torres gêmeas, à primeira vista, o pânico generalizado fez com quem os norte-americanos

Escrever sobre experiências traumáticas pode fazer bem para a saúde mental

Escrever, falar ou pensar sobre eventos marcantes da vida. Cada pessoa encontra uma maneira de lidar com experiências negativas e lembranças positivas. Três pesquisadores do Departamento de Psicologia da Universidade da Califórnia, Riverside, Sonja Lyubomirsky, Lorie Sousa e Rene Dickerhoof descobriram que a escrita de experiências traumáticas do passado pode trazer benefícios para o bem-estar e a saúde mental. Os resultados foram divulgados no artigo The Costs and Benefits of Writing, Talking, and Thinking About Life’s Triumphs and Defeats, publicado em 2006, no Journal of Personality and Social Psychology da American Psychological Association.


Com a premissa de descobrir o efeito positivo ou negativo da escrita, fala e pensamentos de experiências marcantes. Os autores da pesquisa descobriram que escrever e falar podem ser beneficiais para a saúde quando se tratam de problemas do passado, enquanto ficar pensando em eventos traumáticos da vida pode levar a pensamentos negativos e repetitivos (ruminação), atrapalhando com a concentração, motivação e a lidar com problemas.

Segundo os pesquisadores, ao escrever uma narrativa, acabamos organizando, integrando memórias de auto-entendimento e de aceitação, possibilitando também nomear as emoções, entendê-las e/ou desapegar delas.

"Escrever e falar envolve gravar ou documentar os pensamentos externamente... enquanto pensar não. Talvez as pessoas tendem a ensaiar, reexperimentar e elaborar eventos significativos para gravá-los em suas memórias. Escrever e falar sobre os pensamentos em voz alta pode ser um meio para aliviar a si mesmo narrando-os externamente, permitindo-se passar os problemas do passado”

Já quando se tratam de experiências positivas, os autores da pesquisa afirmaram que pensar (repetir memórias boas na mente) traz mais benefícios do que escrever, pois ao escrever, algumas pessoas tendem a questionar e reduzir o prazer associado, além de evocar emoções negativas.

Em uma pesquisa realizada com 97 participantes, separados em três grupos: os que escreveram sobre eventos negativos, gravaram sua fala ou só pensaram de forma privada, durante três dias consecutivos, os que obtiveram melhores resultados após 4 semanas, como previsto, foram os que escreveram e falaram sobre suas experiências traumáticas.

“Estudantes que escreveram ou falaram registraram aumento de satisfação com a vida, melhora da saúde mental, melhora da saúde em geral, melhor funcionamento social e menos sintomas de saúde física em relação aos estudantes que pensaram sobre suas experiências negativas”, afirmam os pesquisadores.

A pesquisa na íntegra está disponível (em inglês): The Costs and Benefits of Writing, Talking and Thinking About Life’s Triumphs and Defeats 

Gostou? Compartilhe nas redes sociais!

Comentários

Mais lidas da semana