Pular para o conteúdo principal

Destaques

Subdiagnóstico de autismo, números e incoerências

O brasileiro é muito individualista. Ao mesmo tempo que vejo pessoas reclamando que os números do Censo vão dar abaixo por causa dos subdiagnósticos de autismo, já vi muita gente acusando pessoas com laudo fingirem que eram autistas.


Como explicar a volatilidade? Nem tento entender o que se passa na mente do brasileiro.

Os discursos são sempre contraditórios. Por causa de polarização, todo mundo sai perdendo.

Já vi até gente dizendo que o laudo é só um papel. Se é só um papel, a pessoa, então, não precisa de um diagnóstico? Logo, por que ser contabilizada? Sejam mais coerentes nos discursos.

Incoerências dos brasileiros sobre subdiagnósticos:

– Já vi gente acusando autista de fingir, mesmo a pessoa tendo laudo;

– Já vi gente se posicionando contra diagnóstico precoce, achando que seria ruim, desconhecendo a questão da plasticidade cerebral;

– Já vi gente dizendo que autismo nem deveria ter CID;

– Já vi gente dizendo que o outro não é autista, só porque sabe argumentar e é diferente do …

Resenha: Aniquilação – Jeff Vandermeer

O livro Aniquilação (Annihilation) é o primeiro da trilogia Comando Sul (The Southern Reach Trilogy), do autor Jeff Vandermeer, publicado no Brasil pela Editora Intrínseca, em 2014, com tradução de Bráulio Tavares. O romance de ficção científica pós-apocalíptico conta a história da 12ª expedição de especialistas que vai mapear um lugar conhecido como Área X, que está isolado do mundo há anos.


Narrado em primeira pessoa por uma bióloga que faz parte da expedição, o leitor acompanha a jornada da personagem junto com o grupo – formado por uma antropóloga, uma topógrafa e a psicóloga (líder da missão). Uma história cheia de mistérios que vão sendo revelados aos poucos aos leitores, mas que muitas questões permanecem sem respostas até o final do livro, talvez por se tratar do primeiro livro da trilogia.

"Existem alguns tipos de morte que não se pode obrigar alguém a reviver, um tipo de conexão tão profunda que, quando se rompe, você sente o estalo do elo partido dentro de você" – Jeff Vandermeer

Para quem está acostumado com romances mais longos, Aniquilação tem 200 páginas. A escolha pela bióloga como narradora, proporciona uma visão interessante sobre o ambiente e sua personalidade solitária e obcecada pelo trabalho científico, nos leva a entrar neste universo desconhecido.

Neste primeiro livro, o autor não explora tanto os elementos da ficção científica, se focando mais no drama humano – o que fez com que as opiniões sobre Aniquilação ficassem bem divididas, há quem tenha gostado do foco narrativo e há quem tenha achado enrolado demais. Eu, particularmente, não me incomodei com os conflitos internos da protagonista, mas concluí a leitura com aquela dúvida pairando na minha mente sobre o que viria a seguir e que respostas sobre a Área X seriam oferecidas ao leitor.

"É assim que a loucura do mundo tenta colonizar você: de fora para dentro, forçando você a viver aquela outra realidade" – Jeff Vandermeer

As integrantes da expedição precisam atravessar a fronteira e documentar o que está acontecendo. Todas as expedições anteriores que visitaram a Área X tiveram problemas. O próprio marido da bióloga participou de uma das missões e quando retornou, ele não era o mesmo. Apesar de a curiosidade e a paixão pela ciência terem sido fatores que a incentivaram a participar, uma das motivações maiores dela foi entender como o homem com quem ela passou anos junto e que costumava ser tão extrovertido, voltou tão diferente, como se fosse uma sombra dele mesmo.

Ao longo da jornada da equipe, muitas coisas vão acontecendo. As especialistas foram hipnotizadas pela psicóloga e quanto os conflitos vão se intensificando, junto com a protagonista somos levados pelas questões sobre o lugar. O ritmo da narrativa é angustiante – imagine como é estar em um ambiente desconhecido e sentir que os segredos podem colocar tudo a perder, mas se sentir de mãos atadas.

“Durante todo esse tempo, nunca consegui ver além da superfície, nunca pude recuperar o homem que havia conhecido. Nunca pude; nem com as nossas interações pessoais, nem vendo de vez em quando as gravações das entrevistas dele e dos outros membros da expedição, que também morreram de câncer” – Jeff Vandermeer

A narrativa vai e volta, entre o presente da bióloga durante a missão e o lento desenrolar das coisas e o passado da personagem e o relacionamento com o marido. Frases desconhecidas, organismos estranhos e a maneira que aquela área acaba influenciando as emoções das personagens, o leitor é levado a experimentar os desafios daquela expedição. Enquanto muitas narrativas pós-apocalípticas acabam se focando mais em ação, Jeff Vandermeer mergulhou na psique da personagem principal e na luta para se adaptar e encontrar as respostas que ela foi buscar.

Sobre o autor – Jeff Vandermeer é editor e autor premiado. Seus livros já foram traduzidos para vinte idiomas e garantiram ao escritor três World Fantasy Awards, além de indicações para os prêmios Hugo, Nebula e Bram Stocker. Cresceu nas Ilhas Fiji e hoje mora em Tallahassee, na Flórida, com a esposa.


E você, já leu o livro Aniquilação? O que achou?

Comentários

  1. Ben, obrigado pela resenhaa. Por enquanto o livro vai continuar na fila de leitura. Grande abraço.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Tomo Literário!
      Também não sei se compensa passar ele na frente de outras leituras. Acabei lendo mais como uma 'quebra', pelo tamanho e também por curiosidade. Deve ser bom ler quando tem a trilogia completa, assim já vai lê os três de uma vez.
      Abraços

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana