Pular para o conteúdo principal

Destaques

Sobre rabiscos e telas brancas

A tela branca pode ser um convite à explosão criativa ou uma tortura ao artista que sente seu espírito definhando diante da pesada realidade. Em tempos de crise e ódio, a arte fica esquecida e é vista como desimportante; ironicamente, é quando mais precisamos dela, de algo que nos faça sentir vivo e toque as partes atordoadas.


O som dos dedos se movendo pelo teclado era como fantasmas de uma vida distante. É incrível perceber quantas vezes nós deixamos algumas partes nossas morrerem ao longo de nossas existências; as máscaras, antes tão confortáveis, agora incomodam e não nos servem mais. Leva tempo até ficarmos satisfeitos e ajustados à nova realidade. Viver é admitir que sabemos pouco sobre nós mesmos e há sempre algo novo que pode nos transformar, seja para o bem ou para o mal.

O artista encara a tinta respingando pela tela. Para o espectador sem intimidade, nada faz sentido, a desconexão de ideias é tormentosa; para ele, o lembrete de que sua arte nunca o abandonaria. Como poderia…

O café e a sereia

“Uma xícara de café não é só uma bebida, é uma experiência”, diz ela.

Seus olhos chegam a brilhar quando fala de café.

“Agora, feche os olhos e venha comigo!”

Ela segura os grãos de café e começa a moer, como se estivesse colocando sua energia naquela ação.


“Sinta o cheiro”, diz ela, quando coloca o pó no coador e despeja a água quente. “Está vendo? É como viajar para a terra das sereias e se deixar levar pelas ondas”

“Posso provar?”

“Deve”. Ela termina de filtrar a bebida e serve uma xícara generosa.

Esqueço a falta de sono dos dias anteriores, o estresse da manhã, as angústias e ausências. Tomo o primeiro gole e sinto aquele gosto me inundando. O coração se prepara para correr e o corpo se aquece, como um abraço envolto em cobertor.

“Era isso o que eu estava precisando”, digo a ela.

“É claro que era”

Continuo tomando e quando eu fecho os olhos, me sinto transportado para outro lugar. Meus pés estão na areia. Sinto os grãos me arranhando delicadamente. Olho para o mar e lá está ela, nadando. Ela volta para a superfície e sua barbatana se balança pelo ar.

“Quer mais? Venha buscar!”, ela pula de um lado para o outro.

“Sim, por favor!”

Escuto o som da xícara se enchendo da bebida.

“O que estávamos falando?”, diz ela.

“Sobre a magia do café”.

“Certo. Não são todos os dias que isso acontece, mas quando nos conectamos com a energia da bebida, somos levados para onde desejamos. O que você viu?”

“O mar. As ondas. Pés na areia e sereias”

“Está esperando o quê? Coloque sua cauda. Você pode ser quem você quiser!”

Abro os olhos. Nenhum sinal da cafeteria. Estou dentro da água. As espumas me lambem, como filhotinhos de cachorros pedindo atenção.

“Onde estamos?”, pergunto.

Não há nenhum sinal dela. Só eu e minha xícara vazia, até o dia em que a sereia virá me visitar mais uma vez.

Comentários

  1. Lindo, consegue fazer a pessoa se aprofundar e esquecer o resto do mundo! Meus Parabéns!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Wallysson!
      Muito obrigado por tirar um tempo para ler meu texto.
      Gratidão.
      Abraços

      Excluir
  2. Olá Ben! Gostei muito de sua crônica. Gostaria de saber se posso publicar ela em meu blog. E claro, com os devidos créditos e link para o seu blog.
    Meu blog>> www.artigoliterario.com
    Agradeço desde já.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Lú!
      Pode, sim. Fico muito feliz que tenha gostado ♥
      Quando publicar, me manda o link.
      Abraços

      Excluir
    2. Segue o link Ben:

      http://www.artigoliterario.com/cronica-o-cafe-e-a-sereia-artigo-literario/

      Espero que tenha gostado...

      Excluir
    3. Oi, Lú!
      Ficou excelente. Muito obrigado. Adorei a imagem que você usou para ilustrar o texto ♥
      O layout do seu blog é super moderno. Parabéns!
      Abraços

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana