Pular para o conteúdo principal

Destaques

Sobre rabiscos e telas brancas

A tela branca pode ser um convite à explosão criativa ou uma tortura ao artista que sente seu espírito definhando diante da pesada realidade. Em tempos de crise e ódio, a arte fica esquecida e é vista como desimportante; ironicamente, é quando mais precisamos dela, de algo que nos faça sentir vivo e toque as partes atordoadas.


O som dos dedos se movendo pelo teclado era como fantasmas de uma vida distante. É incrível perceber quantas vezes nós deixamos algumas partes nossas morrerem ao longo de nossas existências; as máscaras, antes tão confortáveis, agora incomodam e não nos servem mais. Leva tempo até ficarmos satisfeitos e ajustados à nova realidade. Viver é admitir que sabemos pouco sobre nós mesmos e há sempre algo novo que pode nos transformar, seja para o bem ou para o mal.

O artista encara a tinta respingando pela tela. Para o espectador sem intimidade, nada faz sentido, a desconexão de ideias é tormentosa; para ele, o lembrete de que sua arte nunca o abandonaria. Como poderia…

Paraíso Perdido: Edição ilustrada por Pablo Auladell e o cuidado com os detalhes

Os cuidados com os detalhes da DarkSide Books. Meu coração quase parou nas primeiras páginas da graphic novel Paraíso Perdido, adaptação baseada na obra do John Milton, ilustrada por Pablo Auladell, com tradução de Érico Assis. Pura sinestesia!


Compre o livro: https://amzn.to/2JHSPMI

Nunca vi uma edição de livro que fosse tão bonita a ponto de fazer minha parte visual ficar tão elétrica. Uma verdadeira obra de arte. Impossível não pensar em O Demonologista, do Andrew Pyper. Amo muito como o catálogo deles é selecionado a dedo e se conecta.

A graphic novel com edição limitada de capa dura foi lançada no Brasil no dia 30 de abril de 2018. Vale lembrar que a história ilustrada foi ganhadora do Premio Nacional de Cómic, da Espanha. O quadrinista também já adaptou os clássicos da literatura do escritor norte-americano Mark Twain: As Aventuras de Tom Sawyer e As Aventuras de Huckleberry Finn.

Quando foi a última vez que você sentiu vontade de abraçar um livro? Eu já li mais de 800 livros e poucos livros me provocaram essa mesma reação. Há uma primeira vez para tudo, né? Os cuidados com a textura, impressão, acabamento gráfico, cheiro. Já falei algumas vezes e não custa repetir: o diferencial da DarkSide Books está no marketing de experiência; pouquíssimas editoras conseguem trabalhar a questão sensorial, a conexão entre suas obras literárias e dar a atenção que os leitores pedem.

“Todos que leem o Paraíso Perdido de Milton enxergam a obra de modo particular. Mas você nunca mais vai vê-lo da mesma maneira após ler a comovente, essencial e horripilante adaptação de Pablo Auladell. Satã aqui é um anjo de pura hipocrisia, igualmente sedutor e nefasto. Uma figura própria do nosso tempo” – Andrew Pyper, autor de O Demonologista e Os Condenados


Confira a sinopse:


Um clássico da literatura mundial adaptado pela primeira vez em uma graphic novel única e essencial. Há 350 anos, o conflito entre Deus e Satã narrado em Paraíso Perdido, obra-prima de John Milton, virou um marco na literatura. Seus dez mil versos sobre a criação do mundo, a tentação e o desejo por redenção receberam reconhecimento instantâneo e serviram de inspiração para peças de teatro, músicas, pinturas e livros, ecoando na obra de mestres como Mary Shelley, C.S. Lewis, Philip Pullman e Neil Gaiman. Agora, a obra colossal foi reimaginada pelo premiado ilustrador espanhol Pablo Auladell. Com seu traço sombrio, quase desolado, o tributo captura o lirismo de Milton para quem ainda não teve o prazer de ler os cantos originais. Ao mesmo tempo, complementa a experiência do leitor, dando ainda mais vida ao texto. A graphic novel inspirada na grande obra de Milton chega para fazer parte da linha DarkSide Graphic Novel numa edição que deixaria Adão em apuros, com capa dura, bordas douradas e todo aquele cuidado que os fãs já esperam — e merecem. Chegou a hora da redenção.

“Imaginei que haveria certa beleza em observar a evolução e preservar as cicatrizes sem disfarce: os primeiros esboços, as páginas que ficaram melhores que outras... Um livro que serve de testemunho, balanço e registro dos progressos e fracassos em uma empreitada de anos. No qual se notará, enfim, a vida que transcorreu paralela às manhãs e noites em que, com vontade, confiança e sorte variáveis, me debrucei sobre estas páginas” – Pablo Auladell

Relembre: Resenha do livro O Demonologista (Andrew Pyper)

Sobre os autores: 


John Milton nasceu em 9 de dezembro de 1608, em Londres, na Inglaterra. Poeta, dramaturgo e político, foi um grande estudioso da religião na Inglaterra no século XVII e seus escritos refletiam suas convicções pessoais, além de discussões pertinentes sobre a turbulência política de sua época. Graduou-se em 1629 na Universidade de Cambridge e, alguns anos depois, ingressou em uma viagem pela França e Itália, onde encontrou-se com Galileu Galilei. O poema épico PARAÍSO PERDIDO é considerado sua maior obra, e se tornou um clássico da literatura que inspirou diversos escritores ao longo dos anos.

Pablo Auladell é quadrinista e ilustrador espanhol cujo trabalho sempre sugere um diálogo entre a tradição e a contemporaneidade. Foi eleito autor revelação no Saló del Cómic de Barcelona, em 2006, pela graphic novel La Tour Blanche. Por seu trabalho em PARAÍSO PERDIDO, ele recebeu o Premio Nacional de Cómic, do Ministério da Cultura da Espanha. Atualmente, dá aulas de ilustração na Ars in Fabula, em Macerata, na Itália. Saiba mais em pabloauladell.com.

Comentários

Mais lidas da semana