Pular para o conteúdo principal

Destaques

Dias de Isolamento, Estímulos e Tédio: Vidas Importam (Coronavírus) | Ben Oliveira

Mesmo para alguém no espectro autista (lembrando que não existem dois autistas iguais e há uma ampla variedade neurológica e de personalidade), os dias de isolamento não são necessariamente confortáveis.


Gostar de ficar em casa e precisar de tempo sozinho para recarregar as energias, não significa que autistas também não gostem de ver pessoas – muitos adoram andar ao ar livre. As pessoas confundem autismo, introversão, timidez e misantropia (aversão às pessoas).

O que eu queria falar é sobre a importância de se ocupar com o que te estimula. Na correria do dia a dia, todos abrimos mão daquilo que gostamos de fazer e do que nem sabíamos que gostamos. Além de ler e jogar, nesses dias aproveitei para organizar as coisas e brincar com as tintas e colas.

Deveria estar escrevendo mais, mas confesso que estou gostando de estimular outras áreas que estavam adormecidas. Sim, tenho muitos momentos de tédio, mas não acho que colocar a vida de outras pessoas em risco possa compensá-los.

Por outro …

Sobre nuvens, perspectivas e criação

“Boas ideias vêm de acidentes felizes”. Com essa premissa, o curta de animação A Cloudy Lesson narra a história de um avô tentando ensinar o seu ofício de criação de nuvens para o seu neto. A história com um gostinho de nostalgia me fez refletir sobre a importância da técnica, de respirar bem e também de saber transformar imprevistos em oportunidades.


Assista ao curta de animação A Cloudy Lesson:




Quando era criança, me lembro das longas viagens de carro e de como além da música, as nuvens eram uma distração para mim. Era como se através dos seus formatos, elas contassem uma história. Mas o mais interessante é notar que nossa percepção se transforma a todo instante e as formas das nuvens também ganhavam outros contornos e significados.

Com sensibilidade e delicadeza, o curta mostra a paciência do avô ao instruir o neto e como o homem permanece observador e se maravilha com a descoberta do neto. Creio que, muitas vezes, dessa forma é preciso se posicionar diante do estado criativo, se deixar levar pelo fluxo e se permitir apreciar a arte final.

A liberdade criativa ajuda a balancear o excesso de autocrítica. O curta também me faz refletir sobre a importância da leveza, da respiração consciente e da intenção. O processo de criação pode ser mágico ou pode ser um pesadelo dependendo de como nos relacionamos com ele.

Embora a figura do mestre esteja presente na animação, é preciso levar em conta que o processo criativo pode ser bem solitário e para garantir sua existência contínua, se no processo de revisão e edição podemos ser mais críticos, quando estamos fervilhando de ideias, não podemos esquecer de sermos nossos próprios mentores e não cairmos na tentação de desistir no meio do caminho. Como diz a expressão, “feito é melhor do que um nada perfeito”.

Sobre a animação – Produzido no Ringling College of Art + Design, o curta foi dirigido e animado por Yezo Xue e design de som por Tom Lecher / Echo Boys.

Sobre a Ringling College of Art and Desing – Desde 1931, criativos de todos os cantos do mundo visitam a Faculdade de Artes e Design de Ringling para aprofundar, transformar e explorar suas paixões. Mais de 1.400 alunos são motivados pela necessidade de criar - e fornecemos as ferramentas para transformar a paixão em profissão: um corpo docente premiado, tecnologia de ponta e uma comunidade criativa e de apoio. Mais informações: https://www.ringling.edu/

*Ben Oliveira é escritor, blogueiro e jornalista por formação. É autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Comentários

  1. Oi, Ben!
    Eu achei o seu texto excelente, e o curta é também bom demais. Faz refletir sobre vários aspectos da vida e de como a gente pode se adequar às dificuldades, sem perder a doçura e a criatividade. A importância de continuar sonhando com o inusitado e mesmo assim poder escutar os mais velhos, quando tantas pessoas não dão valor a conselhos, mas se fosse diferente, poderíamos, jovens e mais velhos fazer uma parceria incrível em favor de uma mundo mais colorido e mais justo para todas as idades e todas as ideias. Foi muito bom vir aqui! Grande abraço!
    Drica.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Drica!
      Muito obrigado pelo comentário, por assistir ao curta e tirar um tempo para ler o texto. Gostei muito das suas considerações. Espero que mais pessoas também possam refletir.
      Abraços

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!