Pular para o conteúdo principal

Destaques

Revolutionary Love: Série coreana de drama explora o abismo que divide as classes sociais

Embora muitos dramas coreanos pequem na representatividade de diversidade racial e deem pouquíssimo espaço para estrangeiros e imigrantes, a série Revolutionary Love (2017) da tvN e no Brasil disponível temporariamente pela Netflix , acaba indo além dos elementos de comédia e romance, mostrando o drama das diferenças de classes sociais , os preconceitos e a possibilidade de imersão nesse mundo desconhecido pelo filho do dono de um dos maiores conglomerados de empresas da Coreia do Sul . A ingenuidade e a ignorância da realidade das classes trabalhadoras tornam o protagonista um tanto embaraçoso, lembrando de forma vaga a jornada de Buda quando conheceu a realidade fora do palácio e foi confrontado com a fome, a doença, a pobreza e a morte. Longe de ser uma série com alguma alegoria espiritual, mas do ponto de vista do comportamento é interessante acompanhar como Byun Hyuk (Choi Si-won) se torna mais empático e humanizado quando seu caminho cruza com o de Baek Joon (Kang So-ra) . E

Sobre nuvens, perspectivas e criação

“Boas ideias vêm de acidentes felizes”. Com essa premissa, o curta de animação A Cloudy Lesson narra a história de um avô tentando ensinar o seu ofício de criação de nuvens para o seu neto. A história com um gostinho de nostalgia me fez refletir sobre a importância da técnica, de respirar bem e também de saber transformar imprevistos em oportunidades.


Assista ao curta de animação A Cloudy Lesson:




Quando era criança, me lembro das longas viagens de carro e de como além da música, as nuvens eram uma distração para mim. Era como se através dos seus formatos, elas contassem uma história. Mas o mais interessante é notar que nossa percepção se transforma a todo instante e as formas das nuvens também ganhavam outros contornos e significados.

Com sensibilidade e delicadeza, o curta mostra a paciência do avô ao instruir o neto e como o homem permanece observador e se maravilha com a descoberta do neto. Creio que, muitas vezes, dessa forma é preciso se posicionar diante do estado criativo, se deixar levar pelo fluxo e se permitir apreciar a arte final.

A liberdade criativa ajuda a balancear o excesso de autocrítica. O curta também me faz refletir sobre a importância da leveza, da respiração consciente e da intenção. O processo de criação pode ser mágico ou pode ser um pesadelo dependendo de como nos relacionamos com ele.

Embora a figura do mestre esteja presente na animação, é preciso levar em conta que o processo criativo pode ser bem solitário e para garantir sua existência contínua, se no processo de revisão e edição podemos ser mais críticos, quando estamos fervilhando de ideias, não podemos esquecer de sermos nossos próprios mentores e não cairmos na tentação de desistir no meio do caminho. Como diz a expressão, “feito é melhor do que um nada perfeito”.

Sobre a animação – Produzido no Ringling College of Art + Design, o curta foi dirigido e animado por Yezo Xue e design de som por Tom Lecher / Echo Boys.

Sobre a Ringling College of Art and Desing – Desde 1931, criativos de todos os cantos do mundo visitam a Faculdade de Artes e Design de Ringling para aprofundar, transformar e explorar suas paixões. Mais de 1.400 alunos são motivados pela necessidade de criar - e fornecemos as ferramentas para transformar a paixão em profissão: um corpo docente premiado, tecnologia de ponta e uma comunidade criativa e de apoio. Mais informações: https://www.ringling.edu/

*Ben Oliveira é escritor, blogueiro e jornalista por formação. É autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Comentários

  1. Oi, Ben!
    Eu achei o seu texto excelente, e o curta é também bom demais. Faz refletir sobre vários aspectos da vida e de como a gente pode se adequar às dificuldades, sem perder a doçura e a criatividade. A importância de continuar sonhando com o inusitado e mesmo assim poder escutar os mais velhos, quando tantas pessoas não dão valor a conselhos, mas se fosse diferente, poderíamos, jovens e mais velhos fazer uma parceria incrível em favor de uma mundo mais colorido e mais justo para todas as idades e todas as ideias. Foi muito bom vir aqui! Grande abraço!
    Drica.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Drica!
      Muito obrigado pelo comentário, por assistir ao curta e tirar um tempo para ler o texto. Gostei muito das suas considerações. Espero que mais pessoas também possam refletir.
      Abraços

      Excluir

Postar um comentário

Obrigado pelo comentário. Volte sempre!

Mais lidas da semana