Pular para o conteúdo principal

Destaques

Autismo: O dever de combater o charlatanismo como autista, escritor e jornalista

Admiro artistas que se posicionam. Admiro pessoas que não ficam em silêncio quando vêem coisas erradas acontecendo. Neste mês, aproveitando o embalo da conscientização, estou fazendo campanha contra o charlatanismo e tratamentos falsos de autismo (Mais de 8).


Mesmo sem muito apoio, sigo em frente. E ao mesmo tempo, colegas estão fazendo campanha para acabar com o MMS no Brasil – um produto corrosivo e proibido que muitos pais de autistas usam neles achando que vão curá-los e pode matar.

Eu poderia ficar omisso, afinal, sou Asperger com Altas Habilidades, tive diagnóstico só aos 29 anos e sei como me camuflar – do espectro autista inteiro, faço parte daqueles que estão mais próximos do que é ser um neurotípico (não-autista) aos olhos de quem não entende do assunto e dizem frases como 'não parece autista', mas me nego a ficar calado vendo tanta coisa errada acontecendo.

É o mínimo que posso fazer como escritor, jornalista e pessoa no espectro autista; usar minha voz para ajudar …

Asperger: A diferença não tão invisível e o diagnóstico formal

Foto com a maravilhosa e super capacitada Dra. Raquel Del Monde (Núcleo Conexão, Jaguariúna/SP).


Mais ou menos um ano e meio desde que descobri que sou Asperger, finalmente agora estou com o maldito papel. A Diferença Invisível é tão realista que passei por muitas das situações que a personagem da graphic novel passa. Nesta jornada de autodescoberta e atrás de um diagnóstico formal, fui atacado por várias pessoas que mal sabem o básico do assunto na internet (incluindo aí muitos profissionais da área da saúde precisando de reciclagem sobre autismo e Aspergers) – mania de brasileiro de falar sobre assuntos que desconhece, de destilar preconceitos e de cuidar da vida dos outros.

Uma das frases mais ouvidas por Aspergers/autistas é: “Não parece autista”. Fui atrás dos meus direitos (para quem não sabe diagnóstico é direito, não é favor) e também para encerrar esse capítulo: de ter que ficar me justificando para pessoas que nem me conhecem e adoram cuidar da minha vida. Aos que tentaram me silenciar, sinto muito, não deu certo!

Um trecho da fala da Julie Dachez, autora de A Diferença Invisível: “Não há nada a curar em vocês, nada a mudar. Seu papel não é se encaixar em um molde, mas sim ajudar os outros – todos os outros – a sair dos moldes em que estão presos. Você não está aqui para seguir um caminho predefinido, mas, ao contrário, para seguir o seu próprio caminho e convidar aqueles ao seu redor a pensar fora da caixa”.

Compre o livro A Diferença Invisível: https://amzn.to/2TXLvAZ

*Ben Oliveira é escritor, blogueiro e jornalista por formação. É autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Comentários

Mais lidas da semana