Pular para o conteúdo principal

Destaques

12 Graphic Novels que você precisa ler

Começou como uma forma de experimentação na leitura. Apesar de gostar de tirinhas, nunca tinha me aventurado pelo universo das graphic novels, como aconteceu há alguns anos – pelo menos, não de forma que me interessasse.

Percebo que cada vez mais pessoas estão se interessando pelos diferentes formatos de narrativas. Acho válida toda forma de contação de histórias e acredito que elas podem criar experiências complementares. Há espaço para todos gostos.


Com doze indicações de leitura, dá para ler um livro por mês ou ler todos em um só mês, dependendo do ritmo de leitura e da fome por histórias de cada um. Entre temáticas mais sociais e outras mais fantasiosas, as graphic novels podem ser uma porta de entrada para outros livros, como podem ocupar um espaço central no coração de quem é aficionado por histórias ilustradas.

Histórias que podem ir muito além de um passa-tempo, como se acreditava antigamente, mas também proporcionar reflexões sobre a vida, juntando o melhor dos dois mundos: d…

Asperger: A diferença não tão invisível e o diagnóstico formal

Foto com a maravilhosa e super capacitada Dra. Raquel Del Monde (Núcleo Conexão, Jaguariúna/SP).


Mais ou menos um ano e meio desde que descobri que sou Asperger, finalmente agora estou com o maldito papel. A Diferença Invisível é tão realista que passei por muitas das situações que a personagem da graphic novel passa. Nesta jornada de autodescoberta e atrás de um diagnóstico formal, fui atacado por várias pessoas que mal sabem o básico do assunto na internet (incluindo aí muitos profissionais da área da saúde precisando de reciclagem sobre autismo e Aspergers) – mania de brasileiro de falar sobre assuntos que desconhece, de destilar preconceitos e de cuidar da vida dos outros.

Uma das frases mais ouvidas por Aspergers/autistas é: “Não parece autista”. Fui atrás dos meus direitos (para quem não sabe diagnóstico é direito, não é favor) e também para encerrar esse capítulo: de ter que ficar me justificando para pessoas que nem me conhecem e adoram cuidar da minha vida. Aos que tentaram me silenciar, sinto muito, não deu certo!

Um trecho da fala da Julie Dachez, autora de A Diferença Invisível: “Não há nada a curar em vocês, nada a mudar. Seu papel não é se encaixar em um molde, mas sim ajudar os outros – todos os outros – a sair dos moldes em que estão presos. Você não está aqui para seguir um caminho predefinido, mas, ao contrário, para seguir o seu próprio caminho e convidar aqueles ao seu redor a pensar fora da caixa”.

Compre o livro A Diferença Invisível: https://amzn.to/2TXLvAZ

*Ben Oliveira é escritor, blogueiro e jornalista por formação. É autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.

Comentários

Mais lidas da semana