Pular para o conteúdo principal

Destaques

Antraz: Documentário da Netflix revela investigações feitas pelo FBI durante anos

Um pouco após os atentados terroristas contra as torres gêmeas, em Nova Iorque, Estados Unidos, no 11 de setembro de 2001, uma ameaça de antraz colocou as autoridades, como o FBI em alerta, e espalhou pânico nos norte-americanos devido à facilidade de se espalhar sem as pessoas saberem.  Dirigido e roteirizado por Dan Krauss e produzido pela Netflix e pela BBC, 21 anos após o ataque e o primeiro caso de circulação do antraz, o documentário Antraz: EUA Sob Ataque (The Anthrax Attacks) leva o telespectador para as investigações do FBI que duraram anos. O que a princípio foi alvo de muita pressão para a solução do caso, principalmente pelo medo dos norte-americanos do esporo da bactéria continuar se espalhando pelas cartas e fazendo mais pessoas adoecerem e/ou morrerem, logo foi caindo no esquecimento conforme as investigações desenrolavam fora dos holofotes.  Com a proximidade do caso do ataque às torres gêmeas, à primeira vista, o pânico generalizado fez com quem os norte-americanos

Coronavírus: 10 Dicas para lidar com autistas na quarentena

Aproveitando que é Abril (Mês de Conscientização do Autismo) para levar informações que podem ser importantes nesses dias de quarentena e preocupações com o Coronavírus.



10 Dicas para lidar com autistas na Quarentena/Pandemia de Coronavírus:


1) Respeite o espaço pessoal. Não existem dois autistas iguais, mas muitos precisam de um tempo sozinho para recarregar as energias;

2) Não estranhe se agirmos de maneira diferente da idealizada por nao-autistas. Nossos cérebros são diferentes e lidamos com algumas situações de forma diferente. Quem me vê tranquilo nessa semana, não imagina o inferno que passei no ano passado;

3) Para autistas com hipersensibilidade sensorial, as ruas mais silenciosas por causa da quarentena podem ser algo positivo, gerando menos estresse sensorial e mais energia;

4) Reajustar rotinas nem sempre é fácil, mas necessário. Muitos autistas podem entrar em crise quando estão entediados. Vale lembrar que somos todos diferentes. Autistas com TDAH podem ter rotinas bagunçadas e lidar relativamente melhor com a situação;

5) Muitos dos comportamentos de autistas estão relacionados à sobrecarga sensorial e emocional. Como cada pessoa reage de forma diferente, nesses dias, será possível observar melhoras ou pioras temporárias de acordo com as particularidades do autista;

6) Não estranhe se ficarmos andando de um lado para o outro, girando, pulando etc., especialmente com espaços limitados, é um mecanismo de autorregulação;

7) Na dúvida, pergunte. Nem sempre nossas expressões faciais revelam o que sentimos. Podemos estar tristes e sorrir, feliz e parecer triste, e por aí vai;

8) Não deduza que o simples fato de ser autista significa que a quarentena é algo fácil para nós. Lembre-se que todo autista é diferente, embora muitos adoram ficar em casa, há aqueles que gostam de caminhar para autorregulação e podem ficar agoniados nesses dias;

9) Não estranhe se o hiperfoco estiver mais intenso ou menos intenso nos dias de quarentena. Ansiedade, depressão, estresse, rotinas, padrões etc. desempenham um papel forte no hiperfoco. O próprio hiperfoco também pode servir como autorregulação. Hiperfocar em algo pode trazer alívio. Por outro lado, se for hiperfoco que gera ansiedade, como catástrofes, é melhor segurar as pontas;

10) Nos aceitem como somos. ✨

PS: A utilização de materiais visuais para explicar a importância dos cuidados com a higiene é fundamental nesses dias. Use vídeos, fotos e ilustrações para explicar a importância do autocuidado. Cada autista tem mais facilidade com alguns tipos de pensamentos: alguns podem ser mais visuais, outros podem preferir conteúdos em textos ou áudio/orais.

PS2: Muitos autistas podem ser hipossensíveis e buscar estímulos. Nessas horas, vale lembrar a importância do cuidado com as mãos. Podemos querer tocar texturas diferentes (e/ou sentir aversão).

PS3: Cuidado em dobro com a saúde mental e comorbidades, especialmente por causa da relação entre saúde mental e imunidade. Embora o simples fato de ser autista não seja um fator de risco, há quem possa ter comorbidades, como diabetes e problemas imunológicos. Cuidem-se!

Sobre o autor – Ben Oliveira foi diagnosticado autista (Síndrome de Asperger) aos 29 anos, é escritor, formado em jornalismo. Autor do livro de terror Escrita Maldita, publicado na Amazon e dos livros de fantasia jovem Os Bruxos de São Cipriano: O Círculo (Vol.1) e O Livro (Vol. 2), disponíveis no Wattpad e na loja Kindle.




Para ficar por dentro das minhas novidades:

Comentários

Mais lidas da semana